Tag Archive for ter um negocio proprio

Negócios do futuro

Em uma época em que tudo evolui tão rápido, os negócios do futuro estão evoluindo cada vez mais, pois tudo que é novo está fazendo muito mais sucesso do que o tradicional. É por isso que não dá para ficar de fora de tudo isso e simplesmente ignorar este crescimento. O importante é ficar atento ao que surge dia a dia e buscar ideias para criar negócios de sucesso. Que tal conhecer alguns Negócios do futuro e se inspirar um pouco para criar o seu?

Ideias de negócios do futuro

Como o futuro está próximo e os negócios do futuro já estão aí, veja alguns exemplos para que consiga montar o seu próprio:

1 – 23andMe

É uma empresa dos Estados Unidos onde há a chance de analisar o seu próprio DNA através de bases online. Com isso, você é capaz de identificar mais de 100 doenças, entre as quais estão diabetes 1 e 2, mal de Parkinson e até câncer de próstata. O valor da análise é de 400 dólares.

2 – Tobii

É uma empresa da Suécia que trabalha com tecnologia e desenvolveu um aparelho capaz de identificar exatamente para onde a pessoa olha. Este método substitui o uso do teclado e mouse, sendo possível controlar o cursor através do simples movimento do olho, clicando em algo através de uma piscadela ou de um olhar fixo.

Este é um dos negócios do futuro que ajudam pessoas com limitações que podem se comunicar e acessar a internet através do movimento dos olhos. Até o momento, é mais vendida nos Estados Unidos e Canadá.

3 – Shimano

Empresa do Japão que fabrica acessórios para bicicletas que alimenta os faróis e computador de bordo através de dínamos nas rodas e possibilita a troca de marcha automática.

4 – Nokia

Empresas mais conhecidas, como a Nokia, também possuem projetos futuristas e um deles é o lançamento de celulares capazes de efetuar pagamentos com apenas o aparelho, sem cartão ou cheque. É a mesma coisa de apresentar um ticket na máquina. Além disso, transferências de dinheiro entre celulares, envio de arquivos, cálculo de calorias, etc. são outros recursos do aparelho.

A Nokia está desenvolvendo novos aplicativos em parceria com a empresa alemã G&D.

5 – Clínica La Prairie

Empresa suíça, a Clínica La Prairie oferece uma estadia em um castelo rodeado por montanhas e pradarias com médicos, instrutores e enfermeiros que estão acompanhando sua estadia.

O destaque vai para o tratamento de revitalização com extrato de fígado fetal, considerado um dos melhores do mundo para relaxamento e bem estar.

Gostou de alguma ideia de negócio para o futuro? Deu para ter alguma para lançar o seu próprio negócio?

Mesmo que não tenha gostado de nenhuma ou nem se inspirado em algumas delas, estes são somente alguns exemplos de negócios do futuro, mas como estes há diversos que poderão te inspirar (ou não) a ter um negócio próprio pensando no futuro.

A verdade é que para abrir um negócio futurista é preciso considerar as necessidades atuais e também levar em conta o que mais cresce, pois para que este negócio realmente inspire algo para o futuro, deve ser bastante diferente do que já existiu no passado ou existe no presente.

Pense no que você gostaria que existisse daqui a 10 anos que fosse facilitar muito mais sua vida…Agora não espere dez anos para colocar este negócio em prática e coloque-o agora mesmo, ou seja, inove no momento certo. Se esperar mais dez anos, ele deixará de ser do futuro e será do presente ou quem sabe até alguém tenha a ideia antes que você.

As características de negócios do futuro que são essenciais são criatividade, originalidade e usabilidade, pois não adianta ser criativo e original se sua ideia não tiver nenhum tipo de serventia nem agora, nem no futuro.

É preciso inventar, mas sem se esquecer de que a ideia deverá resultar em uma vantagem e não somente em uma boa ideia. Lembra daquela história de transformar boas ideias em negócios de sucesso? O mesmo vale para os negócios do futuro (até com um peso extra a mais).

Na dúvida se seu negócio realmente será futurista, sempre tenha um plano em mãos e analise bastante o fator tempo e necessidade. Com estas dicas fica fácil criar negócios do futuro e ganhar dinheiro.

E você? Conhece ideias de negócios do futuro que tenha gostado?

Por Jeniffer Elaina

 

 

 

Franquias para cidades pequenas


Se você mora em cidades menores e quer ter seu próprio negócio, saiba que há franquias para cidades pequenas que podem ser uma ótima opção por já ter um modelo de negócios pronto e precisar apenas de uma boa administração para ganhar dinheiro.

A ideia de criar unidades menores surgiu com algumas franquias que quiseram ampliar o seu negócio para regiões mais pequenas e depois ganhou força quando outras empresas viram que o sucesso pode ser grande.

Esta é uma ótima oportunidade para você, que mora em uma cidade pequena e está em busca de um empreendimento em que possa investir. Veja algumas ideias:

1 – Easycomp Plus

Oferece cursos de informática e profissionalizantes e oferece uma franquia para cidades pequenas de até 30 mil habitantes. O valor de investimento inicial é de R$47 mil, já com capital de giro, taxa de instalação e franquia. O faturamento varia de R$ 25 mil a R$ 52 mil (bruto) mensalmente.

2 – Influx

É uma escola de idiomas para cidades de até 150 mil habitantes com investimento inicial, que inclui taxa de franquia, capital de giro e taxa de instalação, de R$ 107 mil. O faturamento mensal é de R$ 60 mil (bruto).

3 – Ortodontic Center

É profissional ou se interessa pela área odontológica? Esta é uma clínica odontológica para cidades com até 100 mil habitantes com investimento inicial de R$ 60 mil (com taxa de franquia, adequação do espaço e capital de giro) e faturamento mensal bruto de R$ 50 mil.

4 – Instituto Embelleze

Escola de cursos profissionalizantes na área de beleza e com modelo para cidades de até  100 mil habitantes. O investimento inicial é a partir de R$ 107,8 mil, já contando com as taxas de instalação, capital de giro e  franquia). A estimativa de faturamento mensal bruto pode variar de R$ 35 mil a R$ 75 mil.

5 – Microlins

Também na área de cursos profissionalizantes, pode ser para municípios com até 50 mil habitantes e apresenta faturamento mensal bruto de R$ 30 mil com um investimento de R$ 49 mil com taxas de capital de giro, instalação e franquia.

6 – Eurodata

Oferece cursos profissionalizantes com opção de microfranquia em cidades de até 100 mil habitantes. O valor do investimento é de R$ 70 mil (com taxas de franquia e instalação e capital de giro) com faturamento médio mensal de R$25 mil (bruto).

7 – Instituto da Construção

Franquia que oferece cursos profissionalizantes na área de construção civil, aproveitando a grande expansão deste setor. Pode ser utilizada em cidades com até 100 mil habitantes e o faturamento bruto chega a R$ 60 mil mensais. O investimento inicial é de R$ 49,9 mil , incluindo gastos com capital de giro, taxa de franquia e taxa de instalação.

8 – Os Muzzarellas

Quem quer focar na área de alimentação, esta franquia trabalha com pizzas quadradas. É voltada para municípios de até 150 mil habitantes com investimento inicial de R$ 170 mil, incluindo capital de giro, instalação e taxa de franquia e faturamento mensal bruto de R$ 80 mil.

9 – Park Idiomas

Para aproveitar o desenvolvimento das escolas de idiomas, esta é uma franquia para locais  com menos de 50 mil habitantes e apresenta faturamento mensal bruto de R$ 60 mil com investimento de R$ 90 mil para capital de giro, taxa de franquia e instalação.

10 – FastFrame

Empresa de molduras e porta-retratos com investimento inicial de  R$ 140 mil com capital de giro, taxa de franquia e de instalação. Faturamento mensal de R$ 35 mil (bruto).

11 – Pastelândia

Gosta de pastéis e salgados? Em locais com menos de 100 mil habitantes existe a possibilidade de investir R$ 99 mil com instalação, capital de giro e taxa de franquia e faturamento mensal bruto de R$ 40 mil.

12 – Morana

Se gosta de acessórios femininos e mora em uma cidade com 50 mil a 200 mil habitantes, pode investir nesta franquia com R$ 110 mil para cobrir taxa de franquia e instalação e também capital de giro. O faturamento bruto médio é de R$ 30 mil.

Gostou de alguma sugestão? Se não, não fique preocupado, pois estes são apenas alguns modelos de franquias para cidades pequenas, mas você pode pesquisar e ver que há diversas opções para abrir o seu negócio.

Lembre-se que o mais importante antes de ter o seu negócio é analisar a viabilidade do mesmo, pois as franquias para cidades pequenas oferecem tanto risco como para as cidades grandes. Outros fatores também são importantes para a escolha do negócio certo para você!

Por Jeniffer Elaina

Como tornar o seu negócio online

Todos já sabem que a internet já tomou conta dos negócios e não possui um negócio online é desperdiçar grandes chances de vendas e perder em grande escala aos concorrentes que possuem este canal de venda. Mas como tornar o seu negócio online?

Se antes ter um negócio online era somente um diferencial, hoje já pode-se dizer que é questão de sobrevivência, ou seja, se não estiver presente na internet, pouco será visto.

Para começar a tornar o negócio online, quem ainda não tem muito dinheiro, pode criar um blog corporativo. Ele vai completar o meio de comunicação através da internet e deixar a empresa mais perto do ser público. Junto a ele, conecte seu negócio às redes sociais e veja como será a aceitação do público.

Enquanto consegue seguidores e vai se aproximando mais do público-alvo e potenciais consumidores, vá elaborando um plano de negócios para enxergar as possibilidade de vender pela internet.

Para isso, considere o tipo de serviço ou produto vendido, pesquise em quais canais da internet ele está mais presente, veja quais serão seus concorrentes no meio online, onde será mais interessante divulgar o seu negócio e quanto precisará para montar uma loja virtual ou um canal direto de vendas através da internet.

Após uma fase de adaptação e planejamento, é o momento de começar a vender seus produtos e serviços através da internet, tornando assim o seu negócio online.

No início, precisará ficar atento aos detalhes e resultados obtidos para ir alinhando o que está de acordo com seu planejamento e o que não está.

O blog corporativo e o perfil das redes sociais que já havia sido criado continuará sendo um ótimo canal de interação com seus consumidores, assim como ajudará a fazer a divulgação do negócio online, mas tome cuidado para não focá-lo somente em propagandas e perder a essência que um perfil profissional deve ter nas redes sociais.

A escolha do sistema que utilizará para vender seu produto ou serviço deve ser analisada com muita calma, pois existem opções de plataformas prontas, porém nem sempre serão as melhores de acordo com o seu segmento e número de concorrentes.

A logística é um dos fatores primordiais também quando for tornar o seu negócio online, pois deverá ter a estrutura necessária para que os produtos sejam entregues na quantidade necessária e dentro da data estipulada. Parcerias com Correios e transportadoras são ótimas escolhas.

Mas eu preciso mesmo tornar meu negócio online?

Infelizmente (ou felizmente) sim. Hoje em dia, todos buscam mais comodidade e preferem até mesmo pagar o valor de um frete e esperar alguns dias para comprar um produto ao invés de sair da comodidade do seu lar para comprá-lo e ter que enfrentar filas, trânsito, sol, chuva, etc.

Desta forma, os negócios tradicionais vão perdendo espaço para a internet e até mesmo clientes mais antigos de sua empresa podem estar aderindo esta nova tendência. Ficar de fora é perder chances de venda e estar sempre atrás do concorrente, como se estivesse fugindo de onde o seu público está. Então, se seu público está na internet, é lá que você precisa estar também.

Vale lembrar que ter um negócio online não significa que não poderá ter a sua opção física e sim de que a possibilidade de criar uma loja virtual e já ter uma física apenas aumentará as formas de vender e distribuir seu produto, conseguindo atingir públicos diferentes e um número muito maior de pessoas.

Vendo desta forma, enxergue a oportunidade de tornar o seu negócio online não como uma obrigação, mas como um aperfeiçoamento e crescimento de sua empresa, onde as possibilidades de vendas e ótimas negociações só tendem a aumentar, elevando também os lucros.

Desenvolver é ter que adaptar-se a novas tendências que surgem a todo o momento e a empresa que não se preparar para todas estas novidades irá somente perder mercado até fechar as portas.

Como não é isso que você quer (com certeza), faça um esforço e comece a participar um pouco mais do meio digital. Depois de um tempo, já estará adorando!

E então, você vai tornar seu negócio online depois destas dicas? Se já tornou, conte como foi a experiência e quais os resultados obtidos com esta nova forma de vendas.

Por Jeniffer Elaina

Negócios e oportunidades – como tornar sua ideia em um sucesso

Ideias de negócios todos têm e pode ser em grande número, porém, transformar a ideia em sucesso unindo os negócios e oportunidades de maneira correta nem sempre é o que todos conseguem.

Lógico que milagres são existem, mas dá para seguir algumas dicas que irão facilitar a transformação de ideias valiosas em negócios e oportunidades. Seguindo com calma cada uma delas, as chances de ter um negócio rentável aumentam significativamente.

Pesquise, pesquise e…pesquise!

Isso mesmo! Pesquisar nunca é demais. A sua ideia pode ser ótima, mas se não souber pesquisar o mercado diante do segmento de atuação, concorrentes, público-alvo, demanda na região e tudo o mais, não passará de uma boa ideia que depois terá que ser vendida para alguém que sabe pesquisar corretamente.

E com certeza você não vai querer perder a sua grande chance de transformar uma ideia em um negócio valioso, não é mesmo? Então “perca um bom tempo” pesquisando sobre tudo que for interessante para a viabilidade do seu negócio para que possa colocá-lo em prática somente depois de um bom resultado de pesquisa.

Planejamento é tudo

Depois de ter todos os dados necessários (e até aqueles que nem parecem necessários), comece seu planejamento, pois sem ele, uma ideia será somente uma ideia e jamais uma oportunidade de ganhar dinheiro.

Nele, deverá incluir todas as informações relevantes para o negócio e fazer ps cálculos necessários de tudo que irá precisa, de quem irá precisar, etc. A melhor maneira disso acontecer é fazer um plano de negócios e um plano de marketing.

Fique atento para não ver as coisas como gostaria que fosse e não como realmente é. Às vezes, você quer tanto que sua ideia dê certo que não consegue enxergar que não é viável em determinada região, por exemplo. Abra os olhos e deixe de lado a famosa “miopia” que afeta tantos bons negócios.

Faça um teste!

Ué, se nem tudo na vida pode ser testado, por que não tentar testar a sua ideia? Tente começar de baixo. Isso significa fazer um teste.

Não vá alugar o local mais caro da cidade logo de primeira. Tente ir para um local intermediário e se ver que está dando certo, alugue um maior. Lógico que a localização deve ser levada em conta porque senão o teste não dará tão certo assim.

Da mesma forma, teste o produto, serviços e promoções e veja o que dá mais certo para você, ou seja, o que demonstra ser mais lucrativo e apresenta bom retorno.

Divulgue sua ideia para que seja um negócio

Quando você inicia algum empreendimento,  precisa que as pessoas aprovem sua ideia para que ele possa tornar-se um sucesso. Sendo assim, simplesmente montar um negócio sem divulgá-lo de maneira correta não o fará uma grande chance de ganhar dinheiro.

Para divulgação, a internet é um meio muito importante, porém, conforme o ramo e segmento de atuação, bem como o público-alvo escolhido, somente este meio não fará com que todas as pessoas conheçam o seu produtos. Em alguns casos, ainda é preciso recorrer a meios mais tradicionais, como panfletagem, rádio, TV, carro de som, etc.

Durante a pesquisa inicial, este deve ser um ponto importante a ser explorado, pois sabendo onde atingir seu público, ficará mais simples divulgar sua ideia e transformá-la em um negócio de sucesso rentável.

Tenha paciência e vá com calma

Por último (e nem por isso menos importante), tenha paciência e vá com calma quando seu objetivo é transformar uma ideia em negócios e oportunidades reais.

Realmente não é uma coisa fácil, afinal, você está empolgado, quer colocar a teoria em prática e ganhar dinheiro (não esqueci desta parte…rs).

É compreensível que a emoção queira falar mais alto que a razão e você fique um pouco impaciente (eu mesma já passei por isso), mas lembre-se que cada passo de uma vez é a melhor regra para começar um negócio de maneira correta.

Lógico que estas são apenas poucas dicas (pois falar tudo daria um Manual e nem todos iriam ler) para que sua ideia saia do papel e seja colocada em prática de maneira correta.

E você, acredita que negócios e oportunidades podem surgir de grandes ideias de que forma? Compartilhe sua experiência também e fale quais dicas acha importante para que isso aconteça.

Por Jeniffer Elaina

Franquias baratas valem a pena?

Se você está começando a ler este artigo é porque tem vontade de abrir um negócio e não sabe se franquias baratas valem a pena. Esta é uma dúvida que pode ser comum a quem está fazendo um planejamento e avaliando qual o negócio certo para você.

Quem nunca se perguntou sobre isso, deve parar para fazer uma reflexão: todos os negócios onde o investimento é pouco vale a pena, já que pagará pouco por ele?

Se a resposta foi não, você está certo e talvez nem precise ler o restante do artigo (mas mesmo assim eu recomendo ler para aprender mais sobre isso); se disse sim, deve ler com certeza o restante; e se ficou na dúvida, está no lugar certo. Daqui a pouco já terá a resposta para esta indagação.

O erro do que é barato, como nas franquias baratas

Existe um erro que, infelizmente, atrapalha grande parte dos negócios pequenos: o de achar que o que é barato é sempre viável. Lógico que se achar algum tipo de negócio rentável e com pouco investimento, é uma ótima opção, mas levar somente em conta o que é barato, pode levar àquele velho ditado que diz que “O barato sai caro”.

Este erro do barato acontece bastante com as franquias baratas, já que este modelo de negócio “pronto” está em expansão e a cada dia surge uma nova oportunidade de franquia barata para que possa investir.

Realmente, vendo números tão pequenos, a mão coça e a vontade de ter seu negócio próprio, não ter mais patrão e ganhar dinheiro investindo tão pouco sempre vem à cabeça. Mas a pergunta para este negócio barato é quanto ele vai render depois ou o quanto ele pode te custar.

Nem sempre as franquias baratas podem ser um negócio rentável para você

Abrir uma franquia, seja ela barata ou não, implica nos mesmos riscos de abrir um outro tipo de negócio. Isso significa que você precisa analisar a viabilidade do mesmo, pois não adianta abrir uma franquia barata se depois ela não será rentável para você.

Há diversas opções de franquias baratas e nem sempre a escolhida pode ser a melhor. Além de avaliar se é o melhor segmento para você, uma pesquisa de mercado para saber se dará certo na região e se possui público-alvo é essencial até para franquias baratas, pois a falta deste estudo pode mostrar que uma franquia barata sairá caro ao seu bolso se não der lucros e você tiver que arcar com as taxas mensais de royalties e propagandas da mesma forma.

Sendo assim, mesmo que o investimento inicial seja barato, o valor do lucro mensal, das taxas e a viabilidade do negócio devem ser estudados e avaliados criteriosamente para que o negócio tenha o sucesso esperado.

O erro comum do barato entra aqui pelo fato das pessoas escolherem a primeira opção barata por terem o dinheiro em mãos, mas há tantas franquias baratas que podem ser rentáveis e que você pode não conhecer, que a pesquisa também entra como chave essencial deste negócio.

Sendo assim, a dica é: antes de escolher entre uma franquia, avalie todas as opções de franquias baratas. Não opte por um negócio somente porque ele é mais barato que o outro. Em franquias baratas, a variação pode ser de R$2.000 a R$10.000 entre uma opção e outra e, muitas vezes, compensa aguardar mais um pouco para investir em uma opção mais rentável, do que aproveitar que já possui o dinheiro em mãos e realizar um negócio impulsivo que poderá lhe custar caro.

Agora já sabe responder a pergunta inicial (todos os negócios onde o investimento é pouco vale a pena, já que pagará pouco por ele?)? Sendo assim, a conclusão é que pagar pouco não significa que ganhará muito. Pode ser sim um ótimo negócio, desde que não seja feito de maneira impulsiva e respeite todas as etapas da avaliação de viabilidade de um negócio (pesquisa de mercado, plano de negócios e de marketing, análise da concorrência e da região, etc.).

E você, acredita que franquias baratas valem a pena a qualquer custo ou concorda que é preciso ponderar e colocar na balança o barato que pode sair muito mais caro posteriormente?

Por Jeniffer Elaina

Micro franquias – como escolher a sua

As micro franquias são franquias pequenas que custam de R$5.000 a R$50.000 e são acessíveis a pequenos empresários devido ao baixo investimento. Porém, não adianta apenas levar em conta o baixo custo destes negócios para depois não obter sucesso com a sua empresa. É preciso avaliar alguns aspectos importantes antes de tomar uma decisão final e escolher a sua micro franquia.

Assim como qualquer outro negócio, a escolha de micro franquias deve seguir várias etapas:

1. Veja o valor que tem disponível para investir

Não adianta querer investir em um negócio se não souber quanto poderá pagar por ele, então tenha em mente o quanto pode investir para buscar soluções que estejam dentro de seu orçamento.

Sabendo quanto tem disponível, deverá avaliar quais micro franquias se enquadram neste valor. Liste-as para continuar sua análise.

Aqui vale uma dica: liste separadamente as micro franquias que se aproximam um pouco do valor que você tem disponível, pois, em alguns casos, esperar um pouco mais e conseguir este capital que falta é mais vantajoso do que fazer um negócio às pressas.

2. Separe as micro franquias por setores

Após ter uma lista das micro franquias que já possui capital para investir e das que estão próximas, separe-as através de setores.

Esta etapa é importante para eliminar algumas opções que estão dentro de setores que não gosta. Por exemplo, se você não gosta de café, elimine todas as opções de micro franquias que estejam relacionadas a cafeterias, e assim por diante.

Ao mesmo tempo que vai eliminar os setores que não gosta, enumere em ordem se prioridade cada setor, do que se identifica mais até o que se identifica menos.

3. Analise o mercado de cada segmento

Tudo bem que gostar e se identificar com o setor que irá trabalhar é crucial, mas é necessário também analisar o mercado de cada segmento na região que pensa em abrir seu negócio.

Para esta análise é importante considerar se o mercado para este setor já está saturado, se há muitos concorrentes, quais são e onde estão estes concorrentes, se há público-alvo disposto a consumir este produto e serviço e onde está este público e todas as demais informações que forem relevantes para o estudo do mercado local.

As micro franquias de segmentos que não possuem grande potencial ou é bastante duvidoso devem ser eliminadas e as demais devem ser enumeradas de acordo com o setor que possui mais chances de dar certo e o que possui menos chances.

4. Analise uma a uma das micro franquias

Depois de analisar tudo por setores, chegou o momento de desmembrar cada grupo, já que a lista ficou menor e mais fácil agora (não vá reclamar, pois se fosse no início seria muito pior).

Comece do setor mais promissor e pesquise sobre o tipo de negócio da franquia, valores de royalties, tempo de retorno, lucro estimado, etc. Vá colocando em uma planilha comparativa a fim de poder analisar os pontos positivos e negativos de cada uma, pois mesmo que apresentem o mesmo valor de investimento, se diferenciarão nas demais características.

5. Busque referências das melhores micro franquias escolhidas

Depois de fazer sua planilha comparando as micro franquias, com certeza achou uma com retorno mais rápido que a outra ou melhor lucro.

Pegue as que possuem mais benefícios e vá para a segunda etapa de análise individual, que é buscar referências sobre a empresa. Tente entrar em contato com outros franqueados, procure na internet e se aprofunde até achar uma que se destaque das demais.

Achou? Pois se uma em especial ganhou depois de analisar tantas micro franquias, por que não correr atrás da empresa e ver o que precisa para se tornar um franqueado?

Por mais que as etapas pareçam complicadas, elas poderão definir com mais certeza as chances de sua micro franquia dar certo e a viabilidade do negócio naquela região. Vale a pena se esforçar e fazer esta análise ao invés de ir apenas pelo preço e pela suposição de que pode ser um bom negócio, pois você gosta daquilo.

Escolher entre diversas micro franquias não é nada fácil, mas depois que tiver a sua preferida poderá ganhar muito dinheiro e ser seu próprio patrão com um negócio que está crescendo bastante atualmente. Já encontrou a sua? Conte pra gente!

Por Jeniffer Elaina

Como abrir uma microempresa?

Ter seu próprio negócio é o sonho de muitas pessoas que possuem um espírito empreendedor. Para isso, na maioria das vezes, você deve começar debaixo, a não ser que já entre como sócio em algum negócio existente. Veja como abrir uma microempresa é realizar o seu sonho.

Algumas providências na abertura de uma microempresa vão depender muito do tipo de negócio que vai abrir, mas há providências gerais que devem ser tomadas em qualquer segmento.

Documentação para abrir uma microempresa

Infelizmente, para quase tudo há burocracia e para abrir uma microempresa não seria diferente. Porém, a vantagem de ser uma pessoa jurídica é muito grande e abre diversas portas, o que acaba valendo a pena. Veja os documentos principais:

Registro na Junta Comercial

A primeira coisa que deve fazer para abrir uma microempresa é o registro na Junta Comercial da cidade, que funciona como uma certidão de nascimento de seu negócio.

Depois de realizar o registro, o proprietário recebe o número de identificação do registro da empresa, também chamado de Nire, que nada mais é do que um carimbo ou uma etiqueta.

Os documentos necessários para esta primeira fase são:

  • Contrato social com o objetivo da empresa e descrição dos sócios (se houver) em três vias;
  • CPF e RG de cada sócio existente junto com as cópias autenticadas;
  • Ficha de Cadastro Nacional, chamada também de FCN, modelos 1 e 2;
  • Requerimento padrão;
  • Pagamento das taxas exigidas pelo Darf.

Obtenção de CNPJ

Com o Nire em mãos, chegou o momento de obter o seu CNPJ, que nada mais é do que o número do RG de uma empresa.

Para conseguir o CNPJ da microempresa, você deve fazer a solicitação pela Internet através do link da Fazenda (www.receita.fazenda.gov.br).

Os documentos necessários para esta fase de abertura são diversos e devem ser enviados por Sedex ou entregues no endereço indicado. A resposta chega pela internet.

Obtenção do Alvará de Funcionamento

O Alvará de Funcionamento é a permissão da Prefeitura para que seu estabelecimento possa funcionar normalmente. Mesmo que não haja atendimento ao público, você deve estar em dia com esta documentação.

Para consegui-lo é necessário ir até a Prefeitura e levar os documentos necessários. De forma geral, os mais importantes são:

  • Consulta de endereço aprovada;
  • Cópia do Contrato Social;
  • Cópia do CNPJ;
  • Formulário da Prefeitura devidamente preenchido;
  • Laudo de Vistoria, quando o estabelecimento precisar.

Obtenção da Inscrição Estadual

Geralmente, será feito na Secretaria Estadual da Fazenda, mas há vários estados onde, ao obter o CNPJ, você já consegue sua Inscrição Estadual.

Quem já possui um escritório de contabilidade para providenciar a documentação, não precisa se preocupar, mas é sempre bom entender sobre o assunto.

Planejamento para abrir uma microempresa

Lógico que a documentação e parte burocrática é necessária para realizar as negociações do seu empreendimento, mas o planejamento é essencial ao abrir uma microempresa. Sem planejar, não adianta ter um CNPJ que não terá nenhum tipo de sucesso, então não pule esta etapa jamais.

São muitas as partes importantes do planejamento, mas montar um Plano de Negócios e um Plano de Marketing está entre as principais.

Estes documentos mostrarão quais os objetivos de sua empresa de forma mais clara, facilitando até mesmo para que você consiga alcançá-los com mais sabedoria.

Além dos objetivos, as etapas necessárias de planejamento com ações, o que irá precisar para o negócio, quantas pessoas irão trabalhar com você, quanto irá gastar, quanto irá ganhar (afinal, esta é a parte que todos os novos empreendedores se preocupam), como irá divulgar seu negócio, etc. estarão nestes documentos.

Veja como fazer um Plano de negócios – parte 1, parte 2 e parte 3

Veja como fazer um Plano de Marketing

Só isso? Não…Realmente isso é uma pequena parte de como abrir uma microempresa, pois as etapas são diversas e é preciso analisar bastante o negócio e as chances de dar certo ou não.

Porém, estas etapas são as principais e levarão às demais, que também são importantes, até que sua microempresa esteja caminhando sozinha e com bastante sucesso.

Na verdade, como abrir uma microempresa envolve muito mais do que burocracias, ela vem primeiro com o espírito empreendedor de quem quer ter seu negócio próprio e busca sucesso em sua carreira profissional.

Por Jeniffer Elaina

Devo investir meu dinheiro em um negócio?

Entre alguns temas que havia para escrever hoje, resolvi tratar com o velho dilema de tantas pessoas que querem ganhar dinheiro: “Devo investir meu dinheiro em um negocio?”. E nada melhor do que aproveitar uma época de instabilidade financeira, onde o dólar não pára de subir e até o Banco Central teve que intervir para não desacelerar tanto a economia.

Com esta situação atual podemos ver que qualquer tipo de investimento requer um ótimo planejamento porque irá se sujeitar a diversos riscos internos e, principalmente externos, já que as taxas de câmbios e preços de mercadorias possuem uma relação direta com preços e taxas da economia em escala mundial. Mas calma, para tudo há uma solução e a sua dúvida sobre investir ou não seu dinheiro em um negócio pode ser resolvida. Vamos lá!

Dicas para investir ou não seu dinheiro em um negócio

Lógico que a maioria dos grandes profissionais pensam ou alguma vez já pensaram em abrir um negocio próprio, mas não souberam avaliar se seria um bom investimento. Isso é normal porque há sempre um receio em sabermos se estamos ou não preparados para investir dinheiro em algo que pode dar errado. Assim, seguem algumas dicas que podem ajudar nesta decisão tão importante:

1 – Faça um plano de negócios

Esta dica não é nem um pouco novidade. Quem acompanha com freqüência os artigos do Clube do Dinheiro sabe que já “batemos nesta tecla” várias vezes. Então por que não tentar mais uma vez?

Um plano de negócios bem feito dirá se é viável ou não o seu investimento. Como fazer? Veja em Plano de Negócios – Parte 1, Parte 2 e Parte 3. (E fique de olho nos próximos artigos que iremos falar um pouco na prática de um plano de negócios =)

2 – Faça diversas análises (pesquisa de mercado)

Análise e pesquisa de mercado também não é novidade para empreendedores ou futuros empreendedores né? Afinal, informações são valiosas para qualquer investimento e quanto mais, melhor!

Então analise seu mercado, conheça seus concorrentes e possíveis consumidores. Saiba “onde você vai pisar e com quem irá lidar”.

Parece algo simples, mas já adianto que não é, pois existem diversas informações que devem ser coletadas para ver se compensa investir o seu dinheiro em um negócio.

Um exemplo de várias análises, na teoria e na prática, vimos no curso Análise da viabilidade de um negócio online que também pode ser utilizado em um negócio físico.

3 – Avalie seu tempo

Todos sabem que ter um negócio próprio exige ter um tempo próprio para cuidar dele. Mesmo que você vá contratar muitos colaboradores para “tomar conta de tudo” é sempre necessário que você possa participar do desenvolvimento e dos resultados de todos os projetos e investimentos da empresa.

É um erro comum empreendedores abrirem uma empresa e “entregá-la” nas mãos dos funcionários. Eis um motivo de grande porcentagem de falências. Mesmo sendo bons profissionais, ninguém poderá cuidar melhor do seu negócio do que o dono dele, ou seja, VOCÊ MESMO!

E então, você terá este tempo disponível? Vai deixar seu atual emprego ou trabalhar meio período?

4 – O dinheiro que tenho é suficiente?

Outro equívoco de muitos profissionais é ter algum dinheiro e abrir um negócio acreditando que aquilo será suficiente, sem pensar nas demais despesas, custos e capital de giro de um negócio.

Uma dica para saber se você tem o dinheiro suficiente e não investir em algo que depois irá “ficar parado” por falta de capital, é fazer um plano de investimento. Como sempre, planejamento e informações nunca são demais.

5 – Você possui as características de um empreendedor?

Não adianta ter uma opção viável, dinheiro em caixa e todos os recursos necessários se seu espírito empreendedor não estiver desenvolvido.

Desenvolva as Características do pequeno empreendedor de sucesso que serão úteis tanto em um pequeno como em um grande investimento.

Para finalizar, fica a dica de um teste elaborado por Renato Fonseca de Andrade, consultor de orientação do Sebrae, que vale a pena fazer. Chama-se (isso mesmo) “Você está preparado para abrir seu próprio negócio?”.

Com certeza depois de ver todas as nossas dicas sobre investimento em um negócio próprio e realizar o teste do Sebrae, você achará a resposta para a pergunta inicial “Devo investir meu dinheiro em um negócio?”. Caso haja ainda alguma dúvida, o Clube do Dinheiro está aqui para te ajudar.

Por Jeniffer Elaina

Como criar uma empresa?

Já vimos em nosso curso sobre Como abrir seu próprio negócio um guia completo de como criar uma empresa para ganhar dinheiro. Hoje vamos discutir o passo a passo de maneira resumida (para os preguiçosos) e relembrar um pouco o curso (para os futuros empreendedores que já leram tudo). Confesso que não sou muito boa de resumos (sempre me empolgo para escrever porque acho tudo importante), mas vamos tentar.

  • Defina o produto/serviço que irá oferecer

Esta parte nada mais é do que saber o que você irá vender. Parece ser simples, mas se não for feita a escolha correta, o seu negócio já começará da forma errada.

Para que seja uma boa idéia, ela deve ser viável ao mesmo tempo em que seja em uma área de seu interesse e conhecimento. Não adianta, por exemplo, trabalhar com brinquedos se odeia crianças, nem vender produtos que não agradem ao público só porque agrada a você.

Liste todas as suas ideias e depois analise se elas são reais oportunidades de negócios, ou seja, qual delas realmente possui um mercado atraente?

Confira mais dicas de como definir seu produto/serviço.

  • Faça um plano de negócios

Fazer um plano de negócios é essencial para avaliar o tamanho da sua oportunidade, traçar estratégias e aumentar as chances de sucesso de um novo empreendimento. Entre as etapas de seu plano serão avaliados o mercado, a concorrência, os clientes potenciais, o capital disponível e a sua expectativa em relação aos resultados, além de analisar se o negócio é realmente viável, elaborando assim um plano de ações.

Todo plano de negócios deve ter um documento com um sumário executivo, histórico da empresa, projetos, estratégias, etc. Confira passo a passo a execução através do Plano de Negócios – Parte 2 e Parte 3.

  • Como abrir e registrar uma empresa

O registro de uma empresa gera várias vantagens e abre muitas oportunidades de novos negócios. Assim, para A abertura e o registro de uma empresa você precisa escolher a razão social e o nome fantasia da empresa, preparar um Contrato Social de acordo os seus objetivos da organização, ir até a Junta Comercial com os documentos necessários para tirar o NIRE e ter o seu CNPJ através do site da Receita Federal.

Após, isso ainda é preciso ter o alvará de funcionamento na Prefeitura, obter a Inscrição Estadual na Secretaria Estadual da Fazenda e cuidar de detalhes como cadastro na Previdência, além de impressão de notas fiscais.

  • Cuidando do fluxo de caixa do seu pequeno negócio

O fluxo de caixa controla todas as entradas e saídas de dinheiro dentro da empresa. Engana-se quem acha que somente deve ser utilizado por empresas grandes, pois é tão importante quanto para as micro e pequenas empresas para controlar os gastos, despesas e lucros.

Fazer um fluxo de caixa em pequenos negócios viabiliza o pagamento de contas no dia correto, sem acumulo de juros, permite maior controle financeiro sobre o quanto tem para investir e o quanto deve economizar, entre muitas outras vantagens.

De maneira simplificada, para um fluxo de caixa simples, você deve colocar em uma planilha todas as entradas (vendas a vista, empréstimos, contas a receber e dinheiro de sócios) e subtrair as saídas (compras a vista, contas a pagar, pagamentos diversos e custos fixos.

  • Faça um plano de marketing

Conhecer o seu mercado, seus concorrentes e consumidores é muito importante para criar uma empresa de sucesso, pois sem estas informações de pesquisa de mercado, não é possível traçar boas estratégias para o seu negócio.

Assim, um plano de marketing cuida de todas estas partes, deixando detalhadas as forças e fraquezas da empresa, bem como as oportunidades e ameaças do mercado. Isso tudo reunido às demais informações possibilita o planejamento de estratégias de marketing de acordo com o objetivo da empresa.

Depois de realizar um plano de marketing, sua empresa saberá como caminhar e para onde ir.

  • Tenha um plano de investimento

Como investir em seu negócio? Esta é a pergunta que o seu plano de investimento irá responder. Com isso você poderá saber o que gastará com instalações, equipamentos, recursos físicos e humanos, e tudo mais.

O controle dos investimentos para o seu negócio facilita a montagem do seu fluxo de caixa e ao mesmo tempo em que evita perda de dinheiro, facilita o aumento do lucro.

  • Saiba utilizar o outsourcing e delegar tarefas

Após ter todos os planos necessários para criar sua empresa, você precisa ver quem irá realizar as atividades necessárias. Neste momento é preciso identificar o que pode ser feito através de terceirização de empresas especializadas e o que deve ser feito com contratação de pessoal. Existem áreas que estão crescendo muito com esta técnica…Veja mais em Outsourcing – Delegando tarefas para produzir mais.

Lógico que depois de ler este “resumão”, você ficou com vontade de ver o curso completo de Como abrir o seu próprio negócio. Então para quem ainda não leu, fica a dica: vale a pena! E para quem já leu, um conselho: leia novamente para ver se ainda tem dúvidas.

Com certeza quem ocupa o tempo lendo este artigo ou o curso de como criar uma empresa, está em vantagem competitiva e tem muito mais chance de criar um negócio de sucesso para ganhar muito dinheiro do que quem desistiu na metade (Informação e conhecimento é a base de todo negócio!).

Por Jeniffer Elaina

O valor de uma empresa

Se você possui uma empresa e quer vendê-la ou se a intenção é comprar alguma empresa para iniciar o seu próprio negocio é muito importante saber qual o valor de uma empresa.

São muitos itens que devem ser levados em consideração no momento de definir o valor de uma empresa e não somente os seus números. Desta forma, vamos ver o que deve ser levado em consideração neste momento tão importante de comprar ou vender uma empresa.

Como calcular o valor de uma empresa

No momento de calcular o valor de uma empresa deve-se levar em consideração ativos tangíveis (como equipamentos, imobiliário, fluxo de caixa, etc.) e também intangíveis (como marca, carteira de clientes, imagem, posicionamento, etc.).

  • Ativos intangíveis

Os ativos intangíveis são mais difíceis de ser calculados porque muitas vezes exige percepção e pesquisas mais avançadas por tratar-se de características não palpáveis e não quantificáveis.

Um grande destaque entre os ativos intangíveis é a marca. Mas se uma marca pode ser comprada, por que ela é intangível? Parece um pouco confuso no início, mas quantificar o valor de uma marca exige muito esforço por tratar-se de percepções e imagens que esta marca possui diante de seus consumidores. Não são cálculos concretos como o dinheiro que entra e o que sai do seu caixa.

A grande importância desse fator MARCA na definição do valor de uma empresa é porque sua imagem reflete de forma direta na qualidade dos seus produtos e serviços e na maneira como é vista pelos clientes e concorrentes.

Segundo uma pesquisa realizada pela FED (Federal Reserve Board), 47% do valor líquido das empresas americanas é relacionado a ativos intangíveis, sobretudo à marca. Há 50 anos, este valor era de apenas 22%, ou seja, com o passar do tempo a importância da marca está aumentando significativamente no momento de definir o valor de uma empresa.

Na legislação brasileira, a marca só é considerada um ativo se for adquirida de terceiros, mas em outros países ela entra obrigatoriamente nos balanços de contabilidade.

Outros fatores intangíveis que devem ser considerados no momento de definir o valor de uma empresa são características como:

Carteira de clientes: quanto maior a carteira de clientes e a fidelização dos mesmos, maior o valor intangível. Por este motivo é importante sempre manter um cadastro e histórico de compras de seus clientes, pois além de ajudar nas ações de marketing, colaborarão muito caso um dia você queira vender sua empresa.

– Banco de dados: com as novas inovações da tecnologia da informação, um banco de dados é capaz de armazenar informações importantes e registrar o dia a dia de uma empresa. Assim, ele também representa uma porcentagem no valor de sua empresa.

  • Ativos tangíveis

Além dos ativos intangíveis, temos os ativos tangíveis da empresa, que são características quantificáveis. De um modo geral, pode-se abordar o Fluxo de Caixa Descontado (FDC), o Lucro Econômico, ou muitos outros valores e índices da empresa.

– Fluxo de Caixa Descontado (FDC)

Este é um método muito utilizado para os cálculos dos fluxos de caixa, pois gera resultados futuros que devem ser trazidos para o presente (descontados) com a utilização de uma taxa de desconto que represente os custos de oportunidades e possa gerar o valor da empresa.

Esta taxa de desconto é uma média aritmética dos custos de capitais (dívidas e recursos próprios) pela sua contribuição em relação ao capital da empresa em sua totalidade. Assim, o “Fluxo de Caixa Livre” é calculado da seguinte forma (esta é uma fórmula geral encontrada em diversos livros de contabilidade empresarial):

EBITDA (lucros antes dos juros, impostos, depreciação e amortização)
(-) depreciação e amortização
(=) EBIT (lucro antes dos juros e do imposto de renda)
(-) Imposto de Renda
(=) NOPAT (lucro operacional, após o imposto de renda)
(+) Depreciação e amortização
(-) investimentos em ativos permanentes (gastos de capital)
(-) variações na necessidade em capital de giro
(=) fluxo de caixa livre

– Outros índices

Há ainda diversos índices financeiros para definir o valor de uma empresa, como Quociente de Imobilização do Patrimônio Líquido, Valor Patrimonial da Ação, Quociente Preço/Lucro e muitos outros.

Mas como fazer tudo isso? Por ser um processo demorado no qual são analisados diversos fatores, não há mau nenhum em pedir ajuda de consultores ou agências especializadas para te ajudar a definir o valor de uma empresa quando for vender ou comprar uma. Assim, não precisa fazer tudo isso sozinho, ok?

E se você já passou por uma experiência parecida e conseguiu definir o valor de uma empresa, compartilhe com a gente!

Por Jeniffer Elaina