Poupança no Brasil x Poupança no exterior

Poupança no Brasil x Poupança no exterior

Você já percebeu que há uma “pequena diferença” entre os valores da rentabilidade acumulada de uma conta-poupança brasileira e uma conta-poupança em outro país, por exemplo, os Estados Unidos? Se ainda não, vamos atiçar agora sua curiosidade…


No Brasil: 8,30% a.a. (rentabilidade anual acumulada de 2016, segundo o website Minhas Economias)


Nos EUA: 1,05% a.a. (rentabilidade anual acumulada oferecida pelo Synchrony Bank, segundo o website Get Rich Slowly)


Percebeu agora? Notaram uma “pequena diferença” de uma para outra? Aparentemente, a caderneta de poupança brasileira é um melhor investimento do que as equivalentes americanas (vários outros bancos norte-americanos oferecem taxas muito próximas ou menores àquela apresentada), mas olhando tais dados assim, sem levar em consideração a inflação do período, pode não ser uma boa ideia… que tal olharmos então, de perto, qual foi a inflação acumulada em ambos os países?


No Brasil: 6,29% (IPCA acumulado em 2016, segundo website Valor Econômico)


Nos EUA: 2,08% (IPC dezembro 2016, segundo website Global Rates)


Agora as coisas começam a ficar mais interessantes: percebemos que a inflação brasileira cresce num ritmo bem maior que a inflação estadunidense – e olha que nossa inflação já atingiu patamares na casa de dois dígitos no acumulado de 12 meses, isto é, já chegou a ultrapassar os 10%! – mesmo assim, quando comparamos ambas as taxas, percebemos que ainda a caderneta brasileira é mais vantajosa, pois mesmo não sendo a melhor opção para investir consegue ao menos superar a inflação, enquanto a opção americana ficou abaixo da inflação.


Em outras palavras, após deixar seu dinheiro rendendo por doze meses, o brasileiro conseguiria retirar um valor (bem) pouca coisa superior ao valor depositado inicialmente, enquanto que nosso amigo americano teria uma pequena perda do valor investido… Estranho, não?


Mas antes que comemoremos, precisamos levar em consideração a variação cambial entre as duas moedas desses países, isto é, a variação do dólar frente ao real. E ao contrário da minha expectativa, durante o ano de 2016 o dólar caiu 19,4% (segundo o website UOL Economia). Interessante essa forte queda durante 2016, principalmente se levarmos em conta que a economia brasileira encontrou-se em crise durante aquele ano.


Assim sendo, devido à baixa inflação e forte valorização que a moeda americana geralmente assume, apesar de seu percentual ser inferior acaba por ser um investimento mais atraente que outras cadernetas de poupança – eu já havia realizado essa análise anteriormente e tinha sido favorável para os bancos americanos – entretanto 2016 somou também um período de forte instabilidade para o dólar, o que tornou as savings accounts (como chamam as contas de poupança por lá) nada atraentes, mas isso não quer dizer que é sempre ruim! Eu mesmo já consegui resultados terrivelmente péssimos em uma previdência privada – motivo pelo qual não mais a tenho!


Outro ponto importante é que comparamos somente as contas-poupança. Uma análise melhor poderia levar em consideração outras opções de investimento em renda fixa, como o nosso Tesouro Direto e a correspondente Treasure Bound. Aqui, vou transcrever um trecho de um artigo apresentado pela revista eletrônica Exame do ano passado, comparando o desempenho de ambas:


Ou seja, aqui, um título como o “feijão-com-arroz” Tesouro Selic rende seus 14,25% ao ano (menos taxas e IR), enquanto o igualmente popular Treasury Bond americano de dez anos está dando um retorno, em números redondos, de 2% ao ano.


Em outras palavras: em países em desenvolvimento como o nosso, apesar de enfrentarmos por vezes alta inflação e desvalorização de nossa moeda (que torna os produtos importados mais caros), as opções para investimento em renda fixa conseguem um retorno melhor do que aquelas presentes em alguns dos países já desenvolvidos. Provavelmente porque governo e bancos estão dispostos a pagar melhores taxas a fim de captar recursos (lembre-se que o dinheiro da poupança é usado para financiamento de imóvel popular e títulos públicos são vendidos também com o intuito de financiar obras e atividades do governo).


Em outras palavras: se você pode, comece a poupar hoje mesmo seu dinheiro, tão breve quanto for possível comece a comprar títulos e abuse destas opções em renda fixa para construir algum patrimônio. Utilize-se da vantagem que temos, principalmente para fazer reserva para o caso de precisar comprar mais tarde produtos importados que podem variar terrivelmente quanto ao preço – por exemplo, caso precise de um novo computador ou smartphone e os preços de mercado disparem.

Quer baixar nosso e-book Manual do Investidor?

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *