Os fundos de investimento

Os fundos de investimento são um tipo de aplicação financeira bastante popular no Brasil. Tratam-se de organizações jurídicas que, na forma de condomínios de investidores, reúnem os interesses e capital aplicado por diversos investidores a fim de compartilhar as receitas e despesas geradas pelo empreendimento.

Um fundo de investimento pode adquirir diversos tipos de ativos, como títulos de renda fixa, títulos cambiais, títulos do governo, ações, commodities, certificados de depósito bancário, etc. A rentabilidade obtida resulta então da combinação do desempenho de todos os ativos adquiridos por aquele fundo de investimento.

Há diversos papéis envolvidos no bom funcionamento de um fundo de investimento, dentre os quais podemos destacar:

  • Gestor da carteira de investimento – pessoa física ou jurídica encarregada de gerir o patrimônio do fundo de investimento;
  • Administrador – instituição financeira aprovada pelo Banco Central do Brasil encarregada de representar o fundo perante os órgãos de fiscalização do governo federal ( Comissão de Valores Mobiliários – CVM) e o Banco Central do Brasil;
  • Custodiante – empresa autorizada pelo Banco Central do Brasil responsável pela guarda dos títulos que compõem a carteira de investimento do fundo;
  • Distribuidor – responsável pela captação de recursos junto a investidores.

Vantagens dos fundos de investimento

Quando o investidor, principalmente o pequeno e o médio investidor, opta por fazer seus investimentos por meio de um fundo de investimento em vez de adquirir diretamente títulos e ações terá algumas vantagens ao seu favor, como:

  • Os fundos são geridos por profissionais especialistas, que conhecem a fundo o mercado, muitas vezes melhor do que o pequeno e o médio investidor, que pode não dispor de tempo e recursos suficientes para o seu aprendizado;
  • Por meio da diversificação da carteira, pode-se conseguir reduzir alguns dos riscos envolvidos;
  • Devido ao fato das transações em um fundo de investimento movimentarem quantias consideráveis, consegue-se reduzir os custos de operação, além de melhor aproveitar certas oportunidades de investimento que não são possíveis para o pequeno e o médio investidor;

Como funciona o fundo de investimento

Todo o capital aplicado por cada investidor é convertido em uma quantidade de cotas, que representam uma parte do capital controlado pelo fundo de investimento.

O valor de cada cota é atualizado diariamente e, após isso, se um investidor quiser saber quanto ele tem investido efetivamente naquele fundo basta que ele multiplique o número total de cotas que lhe cabe pelo valor da cota naquele dia.

Fundos DI, renda fixa e renda variável

Tanto os fundos DI quanto os fundos de renda fixa aplicam seu capital principalmente em títulos públicos (renda fixa), enquanto que os fundos categorizados como sendo de renda variável compõem suas carteiras principalmente com a aquisição de ações, o que lhe garante a alta variabilidade em seus rendimentos.

Fundos em Depósito Interfinanceiro (DI) trabalham com aplicações com juros pós-fixados, enquanto que aqueles conhecidos como fundos de renda fixa trabalham com aplicações com juros pré-fixados. Se você lembra do nosso artigo Renda fixa ou variável? Pré ou pós? Conhecendo melhor o mercado, deve lembrar que em caso de alta dos juros no país, aplicações com juros pós-fixados poderão ter um melhor rendimento, o que contará a favor de fundos DI. Já no caso de termos juros em queda no país, então as aplicações com juros pré-fixados podem ter um melhor rendimento, contando então a favor dos fundos de renda fixa.

Já quanto aos fundos de renda variável, dependerá muito de quais as empresas que compõem a carteira de ações do fundo de investimento, pois se as mesmas conseguir boa rentabilidade, o fundo também conseguirá.

Como no momento atual a situação de muitas empresas é bastante delicada, aplicações em fundos de renda variável com o intuito de resgate a curto prazo não é recomendado, uma vez que os preços das ações ainda podem estar oscilando bastante.

A rentabilidade dos fundos de investimento de renda fixa dependem basicamente de quais os ativos em que são investidos. Como já comentei anteriormente aqui, mês passado (fevereiro de 2009), quando fui à agência onde tenho conta, constatei que os fundos de investimento de renda fixa possuíam um rendimento variando de 8% a quase 10% a. a.

Cobrança do imposto de renda

Caso o fundo de investimento possua no mínimo 67% de sua carteira em ações, a tributação sobre os rendimentos será de 15% e deverá ser tributada apenas no momento do resgate, independente do prazo de permanência na aplicação.

Já no caso de demais fundos de investimento, a tributação dependerá do tempo de permanência na aplicação:

a) Fundos de investimento a curto prazo (aplicações com carteiras de títulos de prazo médio igual ou inferior a 365 dias, onde a tributação incide sobre os rendimentos no momento do resgate do cliente):

i. Até 180 dias – 22,5%

ii. Acima de 180 dias – 20%

b) Fundos de investimento a longo prazo (aplicações com títulos de prazo superior a 365 dias, onde a tributação incidirá também sobre os rendimentos no momento do resgate):

i. Até 180 dias – 22,5%

ii. De 180 a 360 – 20%

iii. De 361 a 720 – 17,5%

iv. Mais de 720 dias – 15%

Fundos de investimento – onde investir

Há diversos bancos e demais instituições financeiras oferecendo uma vasta variedade de fundos de investimento. Quem estiver interessado, um bom primeiro passo é ir até o site de cada uma delas e ler a respeito de cada fundo de investimento oferecido a fim de determinar aquele que lhe será mais interessante.

A seguir, alguns endereços de páginas onde você pode consultar mais sobre cada tipo de fundo oferecido:

Fundos de investimento da Caixa Econômica Federal

Fundos de investimento do HSBC

Fundos de investimento “Você” do Banco do Brasil

Fundos de investimento “Estilo” do Banco do Brasil

Fundos de investimento “Private” do Banco do Brasil

Fundos de investimento do ShopInvest do Bradesco

Estes são somente alguns dos vários fundos de investimento onde você pode empregar o seu capital. O aconselhável é que faça uma razoável busca e compare os mesmos, principalmente quanto à rentabilidade e liquidez atingida a fim de saber qual poderá trazer-lhe mais benefícios.

Exercícios

Agora que já estudamos um pouco sobre os fundos de investimento, como sempre, teremos nossos exercícios. 🙂

Desta vez, consulte a lista de fundos de investimento do banco onde você possui conta (ou de outra instituição de seu interesse). Estude-a ao máximo e, quando estiver certo sobre qual (ou quais, você não é obrigado a investir em um só, pelo contrário, diversificar possui suas vantagens) deles melhor atende seu perfil, vá até o banco e aplique nele.

Tais fundos deverão ser mantidos o máximo de tempo que puder a fim de que você estude melhor, na prática, o que realmente acontece e quão rentável os mesmos podem ser.

A fim de evitar perda de capital, você pode optar por um perfil mais conservador, investindo uma maior parte em renda fixa, mantendo assim somente uma menor parte em renda variável. Quando tornar-se mais confiante, você poderá transferir de determinados fundos de investimento para outros se lhe interessar.

[Este artigo faz parte de uma série de artigos que compõe o minicurso Manual do Investidor]

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

2 comments

  1. Ricardo says:

    Prezados,

    Preciso de contatos com empresas que comercializam fundos de investimentos para empresas. Onde posso obter esta informação ?
    Agradeço a atenção e aguardo um contato.
    Atenciosamente
    Ricardo

  2. admin says:

    Olá Ricardo, tudo bem?

    Infelizmente não disponho de tais informações. A melhor forma é contatar bancos, pois eles geralmente o fazem, e depois buscar informações junto com a CVM, já que tais instituições devem estar registradas nela, ok?

    Abraço e até breve!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *