É possível ganhar dinheiro fazendo o que eu gosto?

Olá amigos! Hoje estive publicando mais alguns comentários, desta vez aqueles referentes ao artigo Qual profissão ganha mais dinheiro? e devo admitir que a chuva de comentários que lá foram escritos me anima muito, pois demonstra o interesse de muitas pessoas a respeito do assunto. Isso é bom, pois pode ajudar-nos a termos profissionais melhor qualificados futuramente, se cada um de nós sempre escolher fazer aquilo que realmente ama!

Bem, mas o que me levou a escrever este artigo foi, além de agradecer a todos os comentários positivos e elogios, responder a dois comentários em especial, um do Leo, que comenta sobre sua dúvida quanto ao que escolher cursar e outro de João Paulo, que não acredita na possibilidade de dar-se bem fazendo aquilo que ama.

Em primeiro lugar, obrigado a todos!

Obrigado a todos que leem, gostam de nossos artigos e, principalmente, que são pacientes por verem tomar tanto tempo para terem seus comentários publicados… É realmente uma luta para mim conseguir manter tudo aqui em ordem, já que tenho diversas coisas em meu dia-a-dia disputando a minha atenção. Obrigado a todos vocês!

Como já disse várias vezes anteriormente e volto a dizer, o Clube do Dinheiro só está aqui por causa de vocês, porque queremos ajudá-los a compreender como o dinheiro realmente funciona e como conseguir ganhar mais dinheiro. Aliás, quem quiser saber mais sobre como e por que o Clube do Dinheiro foi criado, basta ler nosso artigo Quando e por que eu decidi ganhar dinheiro.

Entre a paixão e o dinheiro

Leo comenta que está em dúvida quanto ao que deveria seguir como carreira em sua vida: Medicina, em que acredita gostar muito mas teria como foco também o dinheiro, ou Engenharia da Computação, em que acredita ter maior paixão, mas não tem certeza quanto ao retorno financeiro.

Leo, veja bem, ninguém pode lhe dizer qual será a melhor profissão para você, ok? Agora, você deveria pensar: o que você gostaria de fazer a sua vida inteira e, se você somente pudesse fazer isso todo o seu tempo durante os próximos 30 anos ou mais, você estaria satisfeito? Sentiria que teve uma vida completa e com propósito?

O que eu acredito ser melhor da Medicina para quem deseja ser médico é o fato de que você está ajudando a salvar vidas todo o tempo! Isso traz um propósito de vida, uma missão que não é para muitos!

Irrito-me com o grande número de médicos que já se esqueceram dessa missão e hoje sentem-se “acima dos pacientes”, por vezes não dando a devida atenção aos mesmos, desmarcando e remarcando consultas ou cirurgias a bel prazer e nem vamos falar sobre como eles trabalham nos hospitais públicos! Possuo parentes que trabalham lá e sempre comentam o descaso de funcionários, principalmente médicos…

Leo, o que você quer fazer na sua vida é salvar pessoas ou “salvar dinheiro”? Você quer realmente contribuir com a sociedade por meio dessa função ou só ser mais um que em minha opinião pode até ser substituído por uma máquina de tão ineficiente que é o seu atendimento?

Perceba que quem está lhe perguntando isso é uma pessoa que ama falar sobre dinheiro! Só para ter uma noção, uma de minhas frases é “porque o negócio é ganhar dinheiro!” e mesmo assim, quando se fala em qual profissão seguir, eu sou bem sincero em dizer: se você não ama aquilo que faz, pode até conseguir trabalhar, mas muito provavelmente será um profissional medíocre.

Não importa se é Medicina, Engenharia da Computação, Direito, Pedagogia, Psicologia ou qualquer outra área! Se você realmente a ama, você pode conciliar a mesma com boas habilidades para ganhar dinheiro e então fará o que ama e ainda ganhará dinheiro!

Em terra de desigualdades ainda se pode sonhar!

Nosso amigo João Paulo diz em seu comentário que não concorda com o nosso ponto de vista, fazer o que se ama e ser bem sucedido financeiramente só funciona em um país decente, sem desigualdades. Que somente algumas poucas profissões são valorizadas, fazendo com que 95% da população padeça nas mãos de uma minoria.

Antes de mais nada, João, queria comentar uma coisa que tenho percebido: o Brasil realmente é cheio de desigualdades… Mas eu percebi que quase todos os outros países também são! Não somos os únicos ou “os excluídos”, nesta matemática, infelizmente somos “a média”.

Li outro dia um artigo na web que comparava quanto dinheiro cada família em um determinado país usa para a compra de alimentos semanalmente. Não me lembro se foi nos Estados Unidos ou no Canadá, mas uma família com somente três pessoas (pai, mãe e filho) consumia cerca de USD 600.00 só em alimentos semanalmente, já uma família composta por seis pessoas em Chade (um país que eu nem sabia que existia, devo confessar), gasta cerca de USD 1.30 em sua alimentação semanal!

Aquilo me deixou revoltado, com toda a certeza! Se pararmos para pensar, não seria necessário que as “famílias ricas” abrissem mão de muito para ajudar as “famílias pobres” a terem uma melhor refeição, mas não é sobre isso que quero falar agora, quero mostrar que, mesmo que nós reclamemos de muitas coisas no Brasil, tenha certeza que os nossos gastos alimentares semanais não são tão limitados! E não estou falando de mim, ou de você ou de nosso vizinho do outro lado da rua não, estou falando da população brasileira em geral.

Não vivemos num mar de rosas, mas por sorte também não estamos totalmente afundados num mar de espinhos…

Mas voltando ao nosso assunto, João, sobre a possibilidade de alcançar o sucesso financeiro fazendo o que se gosta, gostaria de lembrar que minha origem é bastante humilde – meu pai é aposentado como auxiliar de segurança e minha mãe é dona de casa – e isso não me impediu de lutar por meus sonhos.

Em primeiro lugar, eu queria trabalhar na área de jogos, desenvolver jogos. Um sonho maluco para alguém que mora em Aracaju-SE, uma cidade em que ainda hoje quase não se ouve falar nisso, imagina então há cerca de dez anos atrás, quando pus essa “ideia maluca” em minha cabeça! Bem, estou em uma tremenda correria aqui, pois amanhã, sexta-feira, deve sair a primeira versão oficial de meu atual trabalho, um “mundo jogo” chamado Netstation.

Como eu consegui isso? Lutei, oras! Procurei aprender, me esforcei, procurei conhecer o mercado e principalmente: não dei ouvidos a quem falava que eu não iria conseguir. Talvez se eu tivesse ouvido eles, eu hoje não estaria aqui.

Mais tarde, como eu comentei naquele artigo “Quanto e por que eu decidi ganhar dinheiro”, eu percebi que eu precisava aprender mais sobre o mesmo, saber como buscá-lo, ganhá-lo, economizá-lo, investi-lo. Enfim, buscar minha Educação Financeira. Nesse meio tempo, muita coisa aconteceu: minha esposa (na época, namorada) engravidou, nos casamos e precisamos começar a nos preocupar com “uma vida a três”. Muita gente (incluindo a minha mãe!) disseram-me que tudo havia acabado para mim, que aquilo de buscar a independência financeira estava terminado, que eu precisava procurar um emprego estável, acabar com “esses sonhos de grandeza” e aceitar o fato de que não poderia mais cumprir muitos de meus sonhos.

Sabe o que eu fiz neste ponto? Outra vez não os ouvi. Tracei um novo plano e fui à luta! Ainda hoje trabalho como autônomo, busco aos poucos minha independência financeira, não vivo uma vida tão limitada assim, apesar de executar sempre um passo de cada vez, “devagar e sempre”.

Você pode acreditar que não é possível mudar isso. Muita gente pode pensar. Mas para quem quis, foi lá e fez, acho que seria grande hipocrisia minha se eu simplesmente dissesse que realmente não é possível mudar as coisas. Veja bem, não estou dizendo que é fácil! É complicado? É! É uma estrada muitas vezes sem amigos para compartilhar dúvidas e assim saber se está indo na direção certa? Com certeza! Até hoje não sei se estou indo na direção certa! Mas uma coisa posso garantir: é melhor fazer algo para mudar a sua situação do que simplesmente cruzar os braços e dizer que nada é possível. Quem você acha que consegue mudar as coisas: aquele que faz diferente ou aquele que sempre reclama da mesma coisa?

E só para encerrar: nesse tempo todo em que estudo sobre dinheiro, descobri (ou melhor dizendo, confirmei) também que as pessoas não mudam sua situação financeira porque não saem do lugar! Como Harv Eker diz, é muito mais cômodo reclamar dos problemas, falar da tristeza de não conseguir alcançar os sonhos, do que realmente correr atrás deles!

Se perguntássemos aqui, de todos os visitantes que aqui estiveram e leram nossos artigos, quantos deles iniciaram um novo tipo de investimento, um novo negócio ou deram um “upgrade” em sua formação profissional, é bem provável que este número seja abaixo de 2%!

Em compensação, dentre aqueles que já são leitores assíduos, que frequentam nosso blog há mais de três meses ao menos, posso falar com segurança que essa taxa já é bem maior, pois quando você se torna leitor assíduo de um determinado assunto, é bem maior a chance de pô-lo em prática!

Bem, depois de toda essa discussão, vou encerrar nosso artigo com a mesma pergunta que fiz lá no início, no título: é possível ganhar dinheiro fazendo o que eu gosto?

Bem, caro leitor, agora é você quem me responde e eu somente leio. 🙂

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

2 comments

  1. Paula says:

    Olá,

    Seus posts são muito legais, enriquecedores, eu diria!
    Que legal que você consegue incentivar tantas pessoas a pensar em seus futuros, em como administrar melhor o dinheiro que tem, ou que vão ter e ainda assim, procurar fazer o que realmente tem prazer.

    Só não entendo como você faz tanta coisa assim, com o tempo tão escasso que parece que você tem, de graça.

    boa sorte! continue nos ajudando a pensar sobre nosso futuro.

    Paula

  2. Andréa says:

    Pois bem, como citou na matéria acima, 2% das pessoas que lêem o blog, se motivam a ganhar dinheiro com que gostam!
    Atualmente troquei radicalmente de profissão, de Diretora(c/sócia) de Escola Infantil, para Consultora Imobiliária. Trabalho na plataforma de vendas de uma construtora, reconhecida aqui na minha cidade, portanto me indentifiquei, com o produto. Sei que é um trabalho onde tens que conquistar a confiança das pessoas, mas tenho pouquíssimo tempo e já tenho clientes fiéis. Muito gratificante! Apesar de trabalhar sempre com vendas, vendas de serviço, produto, sempre coloquei a ética no trabalho, ser transparente nas negociações. Desta maneira me impulsiona a ir em frente, pois tenho muito a prender na nova jornada! Tenho quase 50 anos e me sinto como se estivesse iniciando,tentando interagir com diferentes idades, sempre em busca de aperfeiçoamento.
    É isso aí..procurei relatar pra ti..pois cada x que entra um email do Clube do Dinheiro, paro tudo e vou ler, uma ou 2x…
    Parabéns e Obrigada por existir!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *