Criando uma estratégia de Marketing eficiente

Não importa se você é dono de um pequeno negócio ou somente atua como freelancer, ganhando uma renda extra pela Internet: se você oferece algum produto ou serviço a terceiros, você precisa utilizar-se de uma boa estratégia de Marketing a fim de destacar-se no meio da multidão. Afinal de contas, se não conhecerem seus produtos ou mesmo sua imagem, como poderão contatá-lo?

Isso é uma das coisas em que mais tenho pensado – e sentido na pele, nos últimos meses. Antes, bastava ter um bom conteúdo e uma estratégia de linkbuilding simples (praticamente uma receita de bolo que todo mundo usava) e você poderia alcançar boas posições nos motores de busca. Hoje, com o crescimento do uso de redes sociais e as constantes atualizações dos motores de busca (leia-se aqui: Google Search), está cada vez mais difícil garantir “visiblidade vitalícia” por meio dos mesmos, o que leva todos a pensar em como desenvolver uma estratégia de Marketing eficiente, ou indo mais além, uma estratégia que vise, em longo prazo, desenvolver uma reputação positiva junto com potenciais clientes.

Sim, se você possui um negócio de verdade, não dá mais para contar com alguma estratégia de linkbuilding somente, pois mesmo que ela esteja funcionando hoje, não se pode ter muita certeza quanto à sua utilidade dentro de um ano ou talvez menos. Sua estratégia de Marketing precisa ser mais sólida e constante!

Já pensei várias vezes em escrever um curso de Marketing Digital para pequenos negócios, mas sempre me faltou tempo… E ainda me falta, de tal forma que, por agora, o que melhor posso lhes oferecer é este artigo, apresentando algumas possíveis direções para que possa desenvolver sua própria estratégia de Marketing.

Primeiro, as preliminares…

Antes de mais nada, você sabe que aqui, em nosso blog, temos uma categoria de artigos chamada Marketing, não sabe? Sim, pergunto isso pois, quem já está aqui há mais tempo, deve ter lido alguns dos artigos lá publicados, mas caso você tenha “caído de pára-quedas” aqui e esta seja a primeira vez que lê nosso blog (uma grande chance disso acontecer, ao menos segundo as estatísticas do Google Analytics 🙂 ), então é uma boa ideia dar uma lida em nossos artigos lá publicados, especialmente nesses dois artigos:

Bem, agora que você já os leu (leu, não leu?), vamos falar um pouco mais especificamente sobre o marketing online…

Um guia para marketing online inteligente

Antes de mais nada, aqui vai o “banho de água fria”: não há guia para marketing perfeito. Nem este, nem qualquer outro que você encontre, será perfeito nas discussões sobre marketing.

Veja bem, um bom livro de matemática é sempre um bom livro de matemática, pois tal disciplina não muda ao longo do tempo, a mesma coisa quanto a um livro sobre língua portuguesa (bem, exceto pelas alterações do acordo ortográfico firmado há poucos anos), agora um livro que trate sobre os fundamentos em Marketing (e aqui entra o grande Philip Kotler!), por melhor que seja, após 20 ou 30 anos já não terá a mesma eficácia, devido às mudanças ocorridas no ambiente. Quando falamos sobre estratégias e táticas de marketing para negócios offline, esse tempo pode ser ainda menor, talvez 3 ou 5 anos, que é o máximo tempo que uma empresa pode realizar projeções e previsões com alguma acurácia. Mas, quando falamos de negócios online, aí a situação fica ainda mais complicada, afinal de contas, nossa cultura e tecnologia mudam muito, o tempo todo!

Mas, claro, isso não é motivo para “rasgarmos nossos planos” e executarmos tudo aleatoriamente: precisamos estar atentos ao mercado, às transformações culturais e tecnológicas e estarmos cientes de que “tudo muda”. E agora, vamos ao nosso guia…

Enfim, por causa dos avanços tecnológicos que estão se tornando disponíveis para todos, mais e mais negócios está sendo conduzidos pela Internet – e isso é algo irreversível! Se você não tem um site ainda (acontece, meu tio tem uma concessionária e ainda não tem!), então seu negócio está se tornando um “dinossauro” e pode acabar entrando em extinção. E se você já tem um site, já deve ter percebido que isso é só o primeiro passo: você precisa atrair seu público-alvo até você.

Como você pode proceder? Bem, lá seis dicas simples para a construção de sua estratégia:

1. Determine quem é o seu público-alvo

Um erro que alguns cometem é tentar estabelecer uma estratégia de marketing em massa, sem se preocupar em atingir um público-alvo específico. Tal estratégia é muito cara e pouco eficiente, assim, o primeiro passo é conhecer seu público-alvo.

Um público-alvo é um grupo de pessoas que você acha que melhor se beneficia usando o seu produto (ou serviço). Geralmente, é possível traçar o perfil de pessoa que precisa de seus serviços e, uma vez alcançado um público com tal perfil com a mensagem correta, você conseguirá realizar boas vendas.

Então, quando você se concentrar em um grupo de pessoas, tente ser tão específico quanto for possível. Por exemplo, se você está vendendo batom, você provavelmente visará mulheres, mas tente ser mais específico do que isso. São as mulheres mais jovens que você quer? Ou as mulheres mais velhas? Há uma nítida diferença em técnicas de marketing para decidir que grupo você visa, então tome algum tempo e certifique-se de que você sabe muito bem a quem seu produto se destina.

2. Obtenha feedback

Esta é uma das coisas mais importantes a fazer, mas muitos tendem a esquecê-lo. Muitas vezes seu cliente deixa-lhe seu feedback de muitas formas diferentes (e gratuitamente!), mas muitos o ignoram (principalmente quando o feedback é negativo). Um exemplo disso é quando você atende mal um cliente e ele demonstra (por meio de palavras ou gestos) que está descontente com isso, mas a única coisa que você faz é dizer um “certo” e ignorá-lo. Para o cliente, isso é terrível, é praticamente chamá-lo de otário – e é terrível mesmo, pois passei por isso nas últimas semanas e deixei bem claro à dona da loja que estava interessado em realizar compras mais caras com a mesma, mas que agora não me interessa mais, procurarei outra loja. Quem você acha que saiu perdendo?

Então trate de conseguir feedback de seu público consumidor e ponha-o para funcionar a seu favor. O que os clientes pensam do seu produto? Pergunte a eles em uma pesquisa, ou peça-lhes para enviar e-mail a você sobre seus o que gosta ou não do que você tem a oferecer. Às vezes, seus clientes podem não perceber o quão importante é o seu feedback, por isso ofereça incentivos que irá torná-los mais propensos a partilhar os seus pensamentos com você.

3. Aja globalmente

Li outro dia que algumas empresas norte-americanas perdem milhões de dólares por ano, porque elas não se preocupam em trabalhar com mercados internacionais. O que podemos dizer então a respeito de empresas brasileiras pois, como falei no item acima, ainda hoje há empresas que não possuem nenhum meio de comunicação com seu público-alvo pela Internet (tio, essa indireta é mais uma vez para você)?

A Internet é global, porque não se aproveitar disso a seu favor? Há vários meios, se você possui uma loja varejista, por exemplo, poderia pensar em utilizar um sistema de e-commerce, não? Nesse caso, você precisa aprender como proceder para enviar pedidos de forma segura e legal para todo o país (ou até mesmo para outro). Você pode precisar dedicar-se algum tempo para entender como tudo funciona primeiro, ou então contratar algum especialista no assunto para ajudá-lo. E lembre-se: o que citamos aqui é somente um exemplo. Há várias formas de expandir suas atividades por meio da Internet – um especialista em Marketing Digital pode ajudá-lo nisso (e, por acaso, terminei há pouco minha especialização em Gestão de Negócios e meu foco é em Marketing Digital, que interessante, não? 😀 ).

4. Tenha um site fácil de usar

Você configura uma campanha PPC no Google Adwords, a um custo de R$ 1,00 por clique.

Uma pessoa viu sua publicidade, clicou na mesma e tentou ver o seu website, mas ele demorou muito para carregar e ela desistiu, fechou a janela.

Uma segunda pessoa também clicou, foi mais paciente e conseguiu ver seu website, mas tudo parecia tão confuso ou “amador” que ela preferiu não se arriscar comprando ou fechando um negócio com a sua empresa.

Uma terceira pessoa também clicou, conseguiu navegar um pouco em seu site de e-commerce, viu os seus produtos, preços e, quando foi clicar no botão comprar descobriu que não há opção de vendas online… Isso mesmo, você é uma grande rede de lojas que possui um website criado em uma plataforma de e-commerce, mas desabilitou a opção de vendas online, o que torna a vida de seus clientes muito mais difícil! E dessa vez não estou falando do meu tio (mas do website da Livraria Escariz)!

Placar final: Google Adwords 3 x 0 Sua empresa.

Toda essa situação poderia ter sido diferente e talvez você tivesse ganhado um bom dinheiro, se não fosse pelo fato de que seu website não se encontrava usável o suficiente. Em Interação Humano-Computador, usabilidade define quão fácil é o acesso e uso de certos sistemas. No caso de sistemas web, onde há outros problemas que podem interferir (o navegador do usuário pode não ser o que você imaginava, a conexão dele pode ser muito lenta, etc.), aí sim a importância da usabilidade se torna maior!

Tanto é que, acredito eu, não há webdesigner que não conheça esse termo! Hoje, muitos internet marketers ainda desconhecem essa terminologia, mas hoje já se pode perceber que quem possui um website realmente usável, fácil de navegar, sai na frente.

Sendo assim, não adianta investirmos tanto dinheiro em SEO (e linkbuilding, como parte dessa estratégia), se nosso website não é realmente usável. Muitas empresas têm sites exageradamente sofisticados, às vezes tornando-se quase ilegíveis por causa de todo o “SEO” (na verdade, muitas vezes um falso SEO) que eles estão tentando fazer.

Lembre-se que o melhor caminho para o seu site tornar-se popular é fornecer informações relevantes que sejam de fácil acesso. E tornar seu site acessível e compreensível para as pessoas acabará por também melhorar seu SEO!

5. Desenvolva relações duradouras com seus clientes

Quantas vezes não ficamos chateados, sentindo-nos enganados porque um vendedor não ofereceu (ou mesmo ocultou propositadamente) toda a informação de que precisávamos para tomar uma decisão de forma realmente certa? Pois é, se nós não gostamos de tais relações ruins, é bem provável que nossos clientes também não gostem!

Desenvolver uma relação saudável com o seu cliente que o leve a confiar em sua marca não é algo rápido, mas com certeza, visando longo prazo, é essencial para todo negócio!

Para fazer isso, você precisa ser honesto e dar-lhe o tipo de informação que precisa, ou apontar qual produto ou serviço pode resolver seu problema. E se você tem tempo para investigar o seu mercado-alvo, pode antecipar-se e ganhar confiança e lealdade.

6. Torne fácil o contato com você!

Vou dar um exemplo bem claro disso: marketing de afiliados! Se você alguma vez já comprou um produto ou serviço de uma pessoa ou empresa por meio de um terceiro, provavelmente tenha sido influenciado por uma estratégia de marketing de afiliado – e o afiliado, claro, ganhou sua comissão por isso. O problema é quando você possui alguma dúvida ou problemas no uso daquele produto ou serviço, tenta contatar os responsáveis e não consegue resposta!

Problema similar também pode acontecer com empresas do ramo varejista, prestadores de serviço, etc. Enfim, muitos são os tipos de negócio em que você precisa disponibilizar uma forma de contato realmente eficaz para que os clientes possam comunicar-se com você, mas infelizmente não são todos que o fazem adequadamente.

Isso é necessário, não só para reclamações e críticas dos consumidores, mas por outras razões também. Se é difícil encontrá-lo, você dá a impressão de que você não tem interesse real em ajudar seus clientes. Mas se for realmente fácil entrar em contato com sua empresa e é percebido que as sugestões e críticas são realmente ouvidas e analisadas, seus clientes avaliarão seu negócio de forma muito mais positiva!

Sabe o que é mais engraçado? Citamos aqui seis dicas que cabem muito bem em toda estratégia de Marketing, porém muitos dos que dizem falar sobre “Internet Marketing” por aí muitas vezes nem mesmo comentam sobre isso! Os fundamentos do Marketing também funcionam na Internet, afinal de contas, ela é uma extensão da realidade, nada mais, nada menos!

Certo, vamos agora focar em um assunto que está cada vez mais em pauta: as redes sociais e como tirar proveito delas.

Internet Marketing e redes sociais

Quem busca alternativas para ganhar dinheiro, seja por meio de um negócio, atuação como freelancer ou uma forma de renda extra, já deve estar ciente da importância de utilizar as redes sociais a seu favor. Entretanto, qual a melhor maneira de abordar as redes sociais na estratégia de marketing?

Primeiro lembre-se que devemos usar as redes sociais que nosso público-alvo prefere usar. De nada adianta desenvolver estratégias de marketing em uma rede social onde não alcançaremos nosso público-alvo, não é mesmo? É importante que você crie contas para as redes mais populares, como Facebook, Orkut, Google+, Twitter e Pinterest e sempre que possível peça a seus clientes que respondam questionários sobre seus hábitos em redes sociais para descobrir se eles usam estes ou outros websites.

Alguns julgam que é perda de tempo criar contas em redes sociais que não são usadas por seu público-alvo, mas nesse ponto eu discordo: talvez ele não use hoje uma dada rede, mas amanhã pode ser uma parte importante de sua estratégia de marketing, mas um outro concorrente já registrou uma conta com um nome de usuário que seria perfeito para o seu negócio, e isso porque você não foi mais rápido! Sendo assim, a minha opinião é: registre-se nas mais populares e aquelas que estão crescendo, mas não precisa monitorar todas o tempo todo! Participe ativamente das mais utilizadas pelos seus clientes e esporadicamente verifique as outras para ver se há alguma oportunidade para você.

O próximo ponto é quanto à correta construção de perfis nas redes sociais. Mantenha seus perfis tão simples quanto possível, concentrando-se nas informações mais importantes. Lembre-se que seu objetivo é receber as pessoas interessadas em seus produtos e ofertas e levá-las a clicar nos links para seu site. Entretanto, lembre-se que, em uma rede social, a pessoa não está ali para ser bombardeada por publicidades (apesar de que isso aconteça com frequência) e sim para divertir-se e conversar com outras pessoas, então você precisará ser bem criativo!

Escreva uma descrição breve porém eficiente sobre seu negócio e seus produtos, contendo palavras-chave relevantes em uma mensagem curta e fácil de entender. Faça suas informações de contato e link para seu site bastante visíveis. Sua marca deve ser facilmente reconhecível através de um logotipo e nome de sua página (muitas redes sociais nos permitem configurar completamente o background e imagem de cabeçalho de nossa página de usuário!). Adicione links para seu site e certifique-se de mencionar os seus perfis de redes sociais em seus artigos e e-mails – em outras palavras, seus perfis nas redes sociais devem divulgar o seu negócio, mas você também deve divulgar os seus perfis nas redes sociais, fortalecendo assim sua imagem junto a outros internautas.

E seus diferentes perfis de rede sociais devem ser semelhantes. Use descrições, imagens e desenhos similares em seu perfil para que o público possa facilmente reconhecer a sua marca. O conteúdo que você compartilhar também deve ser semelhante, mas não hesite em anunciar ofertas limitadas ao seu público em um único site, por exemplo, se você precisa receber mais atenção neste site particular. Você também terá de adaptar o formato de suas mensagens para o site que você está usando. E lembre-se sempre que o segredo para o sucesso nas redes sociais é compartilhar, então compartilhe conteúdo original que possa ser do interesse de seu público-alvo, incluindo mas não se limitando a artigos, vídeos, imagens, jogos e pesquisas.

Você precisa publicar posts, artigos, fotos e vídeos interessantes nas redes sociais. As pessoas vão ler suas atualizações e clicar em seus links, se você puder obter a sua atenção – e um bom conteúdo em seu nicho pode ser o caminho certo para isso. Inicie seus artigos com uma palavra-chave forte ou dirigindo-se diretamente ao seu público.

E a última dica que apresentaremos aqui (última quanto a redes sociais!) é quanto a atualizar suas redes sociais em uma base regular. Muitas pessoas neglicenciam esse ponto, criando seus perfis e depois não mais os atualizando ou respondendo a comentários de seus amigos / seguidores. Em minha opinião, os fatores mais importantes no emprego de redes sociais são: sua base de amigos/seguidores (isto é, quantidade e qualidade de seus perfis), o tipo de conteúdo que você compartilha (tal conteúdo é que é responsável pelo marketing viral) e a frequência com que você interage com os demais. Exemplo: se você compartilha e “curte” os comentários de seus amigos, é bem mais provável que eles se sintam à vontade para fazer o mesmo com os seus. Há alguns experts que tentam “prever” o que seria a taxa ideal de atualizações. Para alguns, ela depende dos hábitos de seu público-alvo. Se seus potenciais clientes gastam até duas horas em redes sociais e têm centenas de amigos, você pode facilmente postar atualizações todos os dias, desde que seus clientes demonstrem interesse. No entanto, se seus potenciais clientes não gastam muito tempo nesses sites, inundá-los com várias atualizações diárias pode não ser uma boa ideia. Atualizações duas vezes por semana é uma opção melhor. Adapte a sua estratégia para o site que você está usando: você pode postar várias vezes por dia em um site como o Twitter desde que o seu conteúdo vai ser rapidamente coberto por outras atualizações. Ou, na dúvida, pratique uma ou duas atualizações diárias, que não fazem mal a ninguém. 🙂

E aqui vai meu último conselho para quem está construindo sua super estratégia de marketing…

Plano na cabeça não é plano, ponha-o no papel!

Ou no computador, se assim preferir, mas eu geralmente opto por escrever em papel mesmo!

Se toda a sua estratégia de marketing está somente em sua cabeça, é bem provável que, a qualquer momento, você a altere completamente – ou mesmo que esqueça da mesma. Já quando você a possui registrada, seja em meio impresso ou digital, você lembrará que assumiu um compromisso consigo mesmo para melhorar sua estratégia de Marketing.

Eu, por exemplo, ao longo desses vários anos vou sempre escrevendo minhas ideias: às vezes são somente palavras soltas, às vezes essas palavras se transformam em gráficos ou diagramas, e às vezes crio checklists. Muitas dessas coisas não irão para frente, mas não jogo fora, mesmo quando exploro novas táticas. Por quê? Porque assim fica mais fácil de saber avaliar todas as informações necessárias (que não são poucas) e determinar o que poderia ser feito.

Agora mesmo, tenho em mãos um monte de folhas de papel onde rabisquei diagramas, listas, etc. e grampeei-as para que as folhas não se perdessem! Agora estou aqui, revisando todas elas e pensando em reescrever novamente, em outras folhas, tal que fiquem melhor organizadas e, assim, mais próximas de uma “estratégia de marketing fatal”.

Provavelmente em suas primeiras tentativas sua estratégia não esteja tão boa, então registrá-las e revisá-las o ajudará a ir aprimorando-se, um passo de cada vez. Lembre-se disso!

E então, agora está pronto para sair por aí, criando uma estratégia de Marketing eficiente? Que bom, mas antes disso, que tal clicar ali na barra e dar um “curtir”, “tweetar” ou “+1” para nós? Vai lá, é de graça. 🙂

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *