Como encontrar parceiros para um negócio?

Olá a todos! Por favor, puxe uma cadeira, sente-se e vamos conversar sobre como encontrar parceiros para um negócio que você deseja empreender, ok? E não vamos ficar “enrolando” aqui, vamos direto ao ponto: não é fácil encontrar bons parceiros e você precisa agir da forma certa se quiser ganhar a confiança de parceiros em potencial.

A ideia de escrever sobre tal assunto partiu da leitura de um dos comentários (sim, voltei a lê-los e pretendo respondê-los semanalmente outra vez!) em que o leitor comentava algo mais ou menos assim (apaguei o comentário, então não tenho como transcrever exatamente como está): “Olá, tenho uma ideia genial para um negócio online, em que será criada uma página para o usuário, mas não posso falar a respeito da mesma. Primeiro quero patenteá-la para só então pôr em prática. Se estiver interessado, entre em contato”.

Não achei tal proposta interessante, mas daí percebi que não havia comentado aqui ainda sobre como proceder quando procurando parceiros ou sócios para a sua empreitada, então acho que está mais do que na hora de falarmos sobre isso, não?

Encarar a jornada sozinho pode ser bem difícil…

A primeira coisa que quero deixar registrada aqui é que pode ser bem difícil desenvolver seu empreendimento e transformá-lo em um negócio realmente rentável sozinho. Bem difícil, mas não impossível, claro.

O fato é que por mais que você se prepare é bem difícil dominar todos os campos necessários para que seu negócio funcione. Muitos se enganam, pensando que basta ter a ideia e será fácil pô-la em prática, mas não é bem assim. Da ideia deve nascer um projeto bem arquitetado. Do projeto, deve-se realizar pesquisa e desenvolvimento do produto ou serviço. Com o produto em mãos, deve-se estudar a logística para que haja uma boa redução dos custos. E tudo isso sem abandonar, por um momento sequer, outras disciplinas como Marketing, Finanças, etc.

“Pô, Christiano, mas vou precisar mesmo ter um parceiro em meu negócio?”, não necessariamente. Como disse, fica bem melhor ter alguém com quem dividir as responsabilidades – sim, eu sei, vai dividir os lucros também, mas na prática vocês estarão até mesmo ganhando mais, já que serão dois a pensar e trabalhar, e não somente um.

Mas ter um negócio com um parceiro ruim pode ser um castigo!

É, esse é o outro lado da moeda. Se é “ruim sem ele, pior com ele” (ou algo assim, já dizia o ditado). Se você tiver, por exemplo, um parceiro preguiçoso, que não traga novos conhecimentos ou que apresente certos vícios que são destrutivos para um negócio, então, meu amigo, você vai ter bem mais dores de cabeça do que ajuda!

Digo isso por experiência própria de certas parcerias com escritores freelancers para o desenvolvimento de conteúdo para alguns blogs. Se os mesmos não possuem seriedade no que fazem, o resultado final é péssimo. E se isso ocorre na contratação de escritores, o que posso dizer, então, no caso de um sócio que não possui visão quanto ao futuro do negócio ou que não está interessado em atuar realmente no empreendimento!

Sendo assim, não basta ter um parceiro em seu negócio, é importante que você conheça bem o perfil dele e esteja certo de que irá contribuir com o negócio da forma que ele necessita (caso contrário, é melhor ficar sozinho mesmo, afinal de contas, “antes só do que mal acompanhado” – só para não perder o costume de falar uns ditados bem antigos).

Que tipo de parceria você precisa?

E aqui está um primeiro ponto em que aquele comentário deixou a desejar: que tipo de parceria seu negócio necessita? Precisa de um investidor-anjo ou sócio com capital para expandir ou seu negócio? Precisa de um sócio com bons conhecimentos administrativos para a implantação? Ou precisa de um sócio com conhecimentos técnicos para atuar no desenvolvimento do produto ou serviço?

E se você disser “preciso de todos eles”, então você não possui nada do seu negócio ainda e eu aconselharia você a primeiro amadurecer a sua ideia e desenvolvê-la aos poucos antes de “atirar para todos os lados”.

Quando trabalhei na O2 Games, conversei muitas vezes com meu então chefe, Daniel Coquieri, e ele me explicou que quando precisou de investimento para a implantação de sua empresa ele buscou por venture capital (capital de risco) e então entrou em contato com diversos fundos de capital de risco do Brasil – até que conseguiu fechar acordo com um. 🙂

Em uma entrevista que li de João Kepler (investidor anjo e empreendedor serial), uma das coisas que o mesmo frisou foi quanto ao comportamento que se deve ter na hora de procurar investimentos para um novo negócio. Não adianta ir atrás somente com uma ideia, falando que ela será revolucionária, você precisa planejar bem e ir em busca de investidores com um protótipo de seu produto, análise de mercado, etc. Enfim, praticamente um plano de negócios + protótipo, então se você estava reclamando de finalizar o seu plano de negócios, fique sabendo que agora também precisa de uma primeira versão de seu produto ou serviço. 🙂

E se você está é procurando uma parceria para o desenvolvimento do produto ou serviço, certifique-se de buscar pessoas realmente capazes de executar a tarefa! Em outras palavras, se você precisa de um sócio com conhecimentos em desenvolvimento de sistemas, buscar um que não possua não é uma boa ideia, pois você precisará, no final das contas, contratar um desenvolvedor de software (claro, se o sócio estiver entrando com capital para a contratação de alguém, então está ótimo!).

Ninguém entra em um negócio sem saber do que se trata!

Veja bem, este foi o outro grande erro que notei naquele comentário: o autor mencionou praticamente nada sobre o negócio, quer mantê-lo escondido a sete chaves e “interessados, por favor entrar em contato”… Interessado em que?

Desculpe-me, mas verdade seja dita: nossas vidas já são corridas demais para darmos conta daquilo que já temos em nossa rotina diariamente, devemos perder tempo entrando em contato só por pura curiosidade? Eu mesmo não faço isso!

Uma coisa que aprendi é que se algo está completamente escondido a sete chaves e só depois de contatar (ou pagar!) é que saberei do que se trata, então não vale a pena. Digo isso porque todos os dias recebo umas 10 ou 15 ofertas de produtos (principalmente de internet marketing) que se dizem revolucionários, mas se você ler suas quilométricas cartas de vendas descobrirá, ao final, que ainda não sabe nada de nada sobre aqueles produtos!

Veja só, é natural que, quando encontremos uma boa oportunidade de negócio, queiramos protegê-la para que ninguém a roube de nós, mas não ajuda muito dizer que não pode falar nada, mas que quem se interessar pode entrar em contato. O melhor a fazer é oferecer ao menos uma descrição superficial sobre o nicho em que sua solução irá atuar, por exemplo. Suponhamos que o autor do comentário tivesse dito que se tratava de uma solução para a pesquisa e criação de conteúdo em texto de qualidade em qualquer nicho de atuação, provavelmente eu teria alguma curiosidade e iria querer saber mais!

A parceria deve ser benéfica para ambos!

É engraçado que em algumas ocasiões as pessoas propõem parcerias que somente são beneficentes para elas, esquecendo-se que uma parceria deve trazer benefícios para ambos os lados!

Um exemplo disso é uma pessoa que procura um investidor pedindo R$ 100.000,00 para iniciar um negócio e promete devolver-lhe o dinheiro em um ano com um acréscimo de juros de R$ 8.000,00. Isso significa uma taxa de juros 8% a.a. em um investimento de alto risco (seu negócio pode falir ou você pode não conseguir todo o capital a tempo)! É claro que investidor algum vai querer emprestar-lhe tal dinheiro (exceto se for o seu pai)!

Outra situação é quando somente um dos parceiros realiza todas as atividades e o outro exige que a divisão dos lucros seja meio a meio porque “a ideia é dele”. Desculpe-me, amigo, ideias são vendidas aos montes por centavos, soluções (isto é, o negócio realmente feito) são o que realmente contam!

E saiba procurar seus parceiros!

Esse é um ponto essencial. Como já disse, segundo João Kepler, deve-se tomar muito cuidado para não acabar “se queimando”, disparando contra todos os possíveis investidores em feiras de negócios, pois vai acabar destruindo sua reputação – e suas chances de que alguém queira investir em você. Você precisa estar bem preparado para negociar com seus possíveis parceiros e saber quando é o momento certo para fazê-lo!

Bem, espero que este artigo ajude aqueles que estão procurando parceiros para um negócio para entenderem aonde podem estar errando ou acertando e, assim, aumentarem suas chances de fecharem parcerias realmente proveitosas!

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *