Archive for Papo Reto

Papo Reto: Economia brasileira, inspiração para planejar e… escritório em casa?

Como alguns já sabem, esta seção é dedicada a apresentar um pouco do que está rolando na web sobre algum assunto. Desta vez, estive acompanhando os artigos recentes de alguns blogs sobre economia e finanças pessoais e encontrei alguns conteúdos bem interessantes que valem a pena comentarmos ou não (e deixo aqui o endereço para quem quiser ir lá conferir, ok?).

Mais oscilações na política = economia brasileira sofre

Quem está acompanhando as notícias sabe que as delações da JBS sacudiram o alicerce do governo Temer, que agora acusa até mesmo o procurador-geral da República de receber suborno com a sua delação. Não sei, posso estar enganado, mas há pouco tempo a “senhora do vento estocado”, a ex-presidente Dilma Roussef, também acusou a tudo e a todos que pediram seu impeachment. Ouvi algo parecido também do “brasileiro mais honesto do mundo” e “muito melhor que qualquer concursado”, mais conhecido como Lula, a respeito do caso do triplex, do sítio de Atibaia, sobre seu filho ter acumulado grande fortuna em tão pouco tempo (e exatamente durante o período de seu governo e após) etc.

Não sei, estou encontrando coincidências demais nisso tudo. Mas o que sei é que nossa economia vai sofrer ainda mais, pois toda vez que rolam notícias que podem afetar a credibilidade do governo brasileiro afeta também a economia do nosso país, pois aumenta a desconfiança dos investidores que preferem redirecionar seus recursos para um investimento mais seguro. E como consequência indireta, o dólar também sobe, já que recursos saem de nosso país, desvalorizando indiretamente nossa moeda – bom para quem exporta, péssimo para a população, que em sua maioria somente importa, não é?

Dinheirama publicou artigo sobre as acusações entre Temer e Janot neste artigo: DinheiramaNews #175.

Montar um escritório quase sem gastar… gastando pra *******?

Isso mesmo que você leu, você não se confundiu não. Artigo em blog sobre finanças pessoais com um título afirmando que vai ensinar como montar um escritório em casa gastando quase nada, mas que se você olhar direitinho, vai gastar é muito! Sabe o que isso me cheira? Artigo patrocinado feito de qualquer jeito.

Não tenho nada contra artigos patrocinados – inclusive já pensei em abrir espaço no Clube para artigos do tipo – já que são uma opção para trazer receita aos blogs, coisa cada vez mais necessária já que os ad blockers dificultam bastante nossas vidas. Mas se vai oferecer um artigo patrocinado, que seja algo realmente de valor para seus leitores e que não os engane. Li todo o artigo e não achei nada barato montar um escritório daquele tipo. Pode até ficar bonito, “inspirador”, mas vai sair muito caro!

Quer dicas para montar um escritório em casa baratinho? Ótimo! Papel e lápis na mão. Você vai precisar de: uma mesa que suporte seu computador (ou notebook) e impressora. Acabou! Isso mesmo, se você quer algo econômico, você não precisa ficar gastando muito com decoração e apetrechos desnecessários: escolha um lugar na casa onde não seja interrompido (não recomendo fazer no seu quarto, pois é onde meu “home office” está agora e enquanto escrevo já tive algumas “interrupções por familiares”), ponha sua mesa com equipamento (pelo menos um computador ou notebook e se possível uma impressora) e pronto.

E o restante das coisas? Você organiza conforme sentir real necessidade. Por exemplo, um porta-lápis pode ser uma caneca bonita que você tem em casa e não usa (esse exemplo tirei do artigo que vou citar), mas também pode ser um daqueles copos de plástico de R$ 1,00 ou R$ 2,00 que você encontra em um supermercado qualquer (é o que eu faço!). Quer uma decoração para inspirá-lo? Você não precisa montar um painel caro, ter quadros, decorar a parede ou reaproveitar materiais antigos. Quer se sentir motivado? Um porta-retratos com a foto de sua família sobre sua mesa é o que você realmente quer e precisa – se lembrar do verdadeiro motivo pelo qual você está ali trabalhando não for motivo suficiente, painel retrô-vintage-degradê-reciclado nenhum fará isso por você, meu camarada!

Ah, caso queira dar uma olhada no artigo que comentei, trata-se do 10 dicas para montar um escritório quase sem gastar.

Lições para sua vida financeira: você já ouviu, mas ainda não pratica!

Próximo artigo também é do Dinheirama e trata de algumas experiências da jornalista Janaína Gimael, que comenta sobre o que aprendeu com pessoas que levam um estilo de vida simples mas que aos poucos construíram as bases para uma vida mais estável e financeiramente feliz. De forma resumida, ela ponta seis coisas aprendidas:

  1. Comece não importa onde esteja – a desculpa de que não ganha o suficiente não “cola” mais. Comece a poupar hoje mesmo, planejando construir um futuro mais tranquilo;
  2. Não tenha medo de arriscar – sempre que queremos dar passos maiores precisamos sair de nossa zona de conforto e nos expor aos “perigos do mundo”. Se você tem seu fundo de emergência, pode se arriscar com algum nível mínimo de segurança;
  3. Trabalhe – seu dinheiro é proveniente, inicialmente, de seu rendimento ativo, isto é, do seu salário. Enquanto você não se torna um grande investidor ou proprietário de vários imóveis, seu principal canal para ganhar dinheiro será este;
  4. Tenha um plano de vida – algumas pessoas até dizem que possuem um plano, mas não possuem. Elas não sabem onde querem chegar ou não planejaram os passos para chegar até lá. Não seja um deles;
  5. Pense em uma renda passiva – a única forma de assegurar uma renda extra para o seu futuro sem precisar continuar trabalhando tanto é investir parte do seu tempo e dinheiro para adquirir coisas que lhe tragam um rendimento de forma passiva. Exemplos: imóveis, ações com dividendos, investimentos financeiros de forma geral (títulos do Tesouro Direto, por exemplo), direitos autorais sobre músicas, livros ou softwares etc.
  6. Aproveite as oportunidades – quando uma oportunidade aparecer, você deve agarrá-la. A mesma oportunidade não bate à sua porta duas vezes, mas para aproveitá-la você deve estar pronto para a mesma quando ela chegar. Se eu não tivesse um mínimo de conhecimento em língua inglesa suficiente quando apareceram oportunidades para trabalhar para alguns clientes estrangeiros, eu não teria conseguido, por exemplo.

Quer ler o artigo inteiro? O que o sorveteiro da praia me ensinou sobre independência financeira.

Mais acessibilidade na restituição do Simples Nacional e do MEI

E se você é um empresário cadastrado no Simples Nacional ou no MEI (Microempreendedor Individual), uma boa notícia: está saindo do forno um novo sistema que tornará mais acessível e rápido o processo de restituição do imposto de renda. Essa medida visa reinjetar de forma mais rápida aquele capital que é da empresa, porém devido à lentidão da nossa burocracia muitas vezes fica retido por meses.

Recomendo que esse capital retornado seja empregado como investimento para que a empresa cresça mais ou mantido em caixa para capital de giro. Caso resgate e use tal dinheiro para uso próprio, o empreendedor poderá mais tarde sentir falta do mesmo e não o terá em mãos, não é mesmo?

Aliás, investir no crescimento e consolidação de seu negócio deveria ser seu principal foco, principalmente nos três primeiros anos, já que é o período com maior “mortalidade” de empresas.

Se você é um empreendedor que pode se beneficiar disso, não deixe de ler o artigo Novo sistema torna mais acessível restituição do Simples Nacional e do MEI.

Acesso a crédito a pequenas e médias empresas

E para fecharmos com chave de ouro, outra boa notícia para pequenos e médios empresários, é a criação de mais um canal de acesso a crédito oferecido pelo BNDES – o Canal do Desenvolvedor MPME. Se bem administrado, tornará o processo de esclarecimento de dúvidas e consequentemente a aquisição de crédito muito mais fácil e rápida.

Em conjunto com a última matéria, pode ser um incentivo para as empresas sobreviverem a esse período crítico de nossa economia e reduzir a taxa de desemprego. Agora é esperar e ver o que vai acontecer!

E esperemos que tais recursos sejam realmente destinados às pequenas e médias empresas, já que nos últimos anos grande parte dos recursos eram na verdade destinados a empresas de grande porte, contrariando o fato de que tal crédito deveria ser aplicado nas pequenas e médias empresas brasileiras!

Novo canal facilita acesso de pequenas e médias empresas a crédito do BNDES

Por agora é isso… Continuarei sondando a web e atualizando vocês com notícias que realmente importam sobre economia e finanças pessoais! 😉

Papo Reto: Por que você não está trabalhando em casa?

O papo reto de hoje será sobre oportunidades para trabalhar em casa. Aliás, por que você não está trabalhando em casa ainda? Parece um sonho, não? Não desperdiçar tempo tendo que se arrumar tanto, evitar todo aquele trânsito chato, poder dedicar algum tempo à sua família em um intervalo ou outro etc.

A resposta é simples: apesar de ser este o sonho de muitos brasileiros (fonte), muitos empregadores vêem com descrença a possibilidade de trabalhar em casa (fonte) e quem já trabalhou nessa modalidade (eu, por exemplo) sabe por que: para quem ainda não está acostumado, pode ser muito difícil manter a produtividade devido às várias interrupções que acontecem em casa (veja nosso artigo Trabalhar em casa pode afetar sua produtividade). Além disso, é muito mais difícil para o empregador gerenciar o tempo de trabalho do empregado e se o mesmo está realmente desempenhando suas tarefas – por isso uma boa opção pode ser negociar o pagamento baseado em produtividade, assim é você quem assume esse risco, não o empregador.

Mas vamos ao nosso “papo reto”: fui atrás do que está sendo falado por aí e li cerca de 15 artigos recentemente publicados para ver o que há de legal sobre o assunto, dos quais somente quatro textos pareciam realmente agregar algo novo. Seguem abaixo os tais artigos selecionados e o que eu gostei em cada um deles…

 

Artigo #1 Como encontrar emprego trabalhando de casa

Fonte WikiHow

Apesar de ter um título um pouco confuso, o texto é muito bom e bem completo. Discute pontos importantes para quem deseja começar a trabalhar em casa e não tem a mínima ideia do que está fazendo ou para quem já está trabalhando em seu home office mas está tendo dificuldades em manter sua carteira de clientes ou bater as metas de produtividade. É um artigo um pouco longo, mas que vale a pena ser lido e refletido com calma. Os pontos-chave do mesmo são:

  1. Ao buscar oportunidades para trabalhar em casa, evite falsas promessas focando em sites de anúncios bem conceituados e empresas realmente sérias;
  2. Consulte empresas locais para oferecer seus serviços, principalmente como autônomo, apontando as diversas vantagens que a empresa pode ter, como por exemplo um custo mais efetivo pela produtividade, menos gastos com impostos etc.
  3. Lembre-se de sua rede de contatos: amigos, parentes, isto é, todos que podem indicá-lo para possíveis funções que podem ser exercidas a partir de casa;
  4. Desenvolva competências essenciais para o trabalho remoto, como: domínio no uso do computador, foco em produtividade, comunicação, básico em línguas etc.
  5. Crie suas próprias oportunidades para trabalhar em casa: há várias oportunidades para trabalhar em casa que não envolvem um contrato direto com uma empresa, como atividades artesanais e programas de afiliados.

Como disse, este é um resumo dos cinco pontos-chave do artigo e realmente recomendo a leitura do mesmo. E para complementar essa leitura, sugiro também dois artigos nossos:

Quero trabalhar em casa… mas como?

Verdades e mentiras sobre trabalhar em casa

 

Artigo #2 Como começar seu próprio negócio de passar roupa

Artigo #3 Começar um negócio de conserto de celular

Fonte Trabalhar em Casa

Apesar destes dois artigos do website “Trabalhar em Casa” não serem especificamente para quem quer ter um home business (falei bonito, hein?), ambas as oportunidades podem ser executadas em casa, também. E se você tiver uma garagem que possa isolar do resto de sua casa, pode transformá-la em uma loja e oferecer lá seus serviços.

O que mais gostei destes artigos é que eles tratam de oportunidades para as quais sempre haverá demanda. Além disso, eles apresentam um passo-a-passo que, se somado ao que foi apresentado no artigo anterior, pode prepará-lo bem para iniciar seu próprio negócio em casa (no caso, os artigos falam sobre negócios de lavanderia e manutenção, mas você pode expandir para várias outras áreas ou focar certos nichos – subáreas).

 

Artigo #4 12 aplicativos para trabalhar de casa ou de qualquer lugar do mundo

Fonte Preparado Pra Valer

Em vez de falar sobre como prospectar ou se preparar para uma oportunidade para trabalhar em casa, este artigo aponta softwares que você provavelmente precisará durante suas atividades laborais. Eu diria que a lista com os 12 aplicativos é bem legal, mas provavelmente nem todos precisarão de todos eles, sendo que dos mesmos aqueles que considero mais imprescindíveis são:

  1. PayPal – a depender de quem é seu cliente-empresa ou seu modelo de negócio, você precisará de uma conta no PayPal para receber seu dinheiro. Algumas situações em que isso acontecerá:
    1. Você trabalha para uma empresa que prefere efetuar o pagamento dessa forma;
    2. Você está vendendo seus próprios produtos pela Internet;
    3. Você está vendendo produtos de terceiros (programas de afiliados).
  2. DropBox – fácil de usar, pode ser uma mão na roda para quem usa o computador para criar documentos, editar imagens, executar tarefas cotidianas, registrar vendas etc. pois permite que salve nas nuvens uma cópia de seus arquivos, que também podem ser compartilhados com outras pessoas, ou seja, você pode usá-lo para:
    1. Realizar backup (cópia de segurança) dos dados mais importantes;
    2. Compartilhar arquivos com outras pessoas.
  3. Skype – muito bom para realizar comunicação online, seja ela por meio de chat em texto, áudio ou vídeo. É possível até realizar videoconferências com um número limitado de pessoas (já usei para conferências via áudio com outras duas pessoas durante algumas horas e tudo fluiu perfeitamente);
  4. Basecamp – o artigo em questão cita esta ferramenta para gerenciamento de projetos e tarefas. Entretanto, se eu fosse citar alguma, recomendaria usar o WorkFlowy, que é a ferramenta que estou adotando no momento – é praticamente meu cérebro digital. Apesar de ser bem simples em seu design, ela é flexível o suficiente para que você a use do jeito que melhor funciona para você – e isso é simplesmente sensacional e comentarei mais sobre isso em outro momento.

Se você deseja trabalhar de sua casa mas não sabe por onde começar, eu espero que estas referências e comentários sejam bem úteis. Além disso, recomendo ler nossa seção Trabalhar em casa e acompanhar nosso blog, pois esse papo reto deu-me uma ideia legal – é só nos acompanhar para saber o que é!

Papo Reto: Reforma da Previdência e seu Futuro

Sondando as principais notícias das últimas semanas acerca da reforma da Previdência Social e investimentos visando uma aposentadoria melhor (seu futuro), deparei-me com “as mesmas figurinhas” que encontro desde que iniciei este blog para falar sobre como podemos gerir nossas vidas financeiras.

Resumo

(caso esteja com preguiça de ler tudo):

  1. A tal reforma da Previdência Social acontecerá, cedo ou tarde – você precisa planejar seu futuro e começar a executar seu plano desde já;
  2. Caderneta de poupança e previdência privada podem não ser opções muito boas, opte por Tesouro Direto, CDB, LCA ou LCI, dentre outras;
  3. Se está começando, seu perfil é “conservador”, então não tente já ir direto para o mercado de ações para não ficar reclamando mais tarde!
  4. Seja disciplinado e vise construir seu patrimônio.

Agora vamos aos fatos!

Uma crítica que li quanto ao baixo volume de investimentos visando a aposentadoria realizado por nós (o que não é novidade, diga-se de passagem).  Brasileiro não investe, é a imagem que salta na mídia, e isso acontece porque em nenhum momento de sua vida somos realmente educados para isso. Pense bem, quantas vezes em sua família, na escola ou até mesmo em uma roda de amigos não ouviu que “você deve conseguir um emprego com um bom salário para comprar aquilo que quer”?

Em resumo, se você ganha um bom salário, você pode, mas se não ganha, então não pode. Parece que não há uma terceira possibilidade – que é onde justamente entraria a questão dos investimentos. E sim, você pode comprar o que você quer, mesmo que você não tenha um alto salário, mas precisa fazer um bom planejamento e depois executá-lo de forma disciplinada!

Outro problema é que, quando se fala em investir, logo alguém vem e desenha isso para você como um bicho-de-sete-cabeças. Por exemplo, você vai até o seu gerente de relacionamento em seu banco e explica que está procurando alguma opção para aplicar algum dinheiro todo mês pensando em sua aposentadoria e ele lhe diz que você pode adquirir um título de capitalização! Aí você pergunta sobre as opções de investimento reais e ele lhe apresenta um monte de opções de fundos de investimento e previdência apresentando somente o percentual de rendimento anual acumulado, sem falar das taxas de carregamento, administração etc. ou quando fala você se sente tão confuso que acaba por optar por aquilo que ele lhe disser. Bem, não é assim que você deveria cuidar se sua vida financeira!

Entretanto, apesar das diversas consequências negativas que a atual recessão econômica e proposta de reforma da Previdência Social podem ter, há um impacto positivo: muitos brasileiros estão se conscientizando da importância de serem mais proativos quanto à sua aposentadoria. Não dá mais para simplesmente esperar alcançar a idade para aposentar-se e contar somente com o INSS (e há quanto tempo isso já não é insuficiente?).

Em outras palavras, aos poucos, estamos começando a investir mais e melhor. Quem não investia há pouco tempo começou a investir na poupança e quem já tinha algum na caderneta de poupança já está movendo para outras opções mais rentáveis, em busca de retornos melhores. E isso não é pouca coisa, é um passo gigantesco: é muito difícil quebrar vícios culturais, principalmente quando o impacto dos mesmos só pode ser percebido após décadas, quando já não há mais como corrigir as consequências.

Para entender a importância não somente do “investir” mas também do “como investir” para aqueles na faixa dos 18 aos 40 anos, é preciso analisar o momento atual sob três óticas:

  • Para quem é aposentado ou está se aposentando hoje, a Previdência Social trata-se de um direito pelo qual lutou-se e contribuiu-se ao longo de décadas de trabalho. É um direito conquistado e não é culpa deles se a mesma foi mal gerida e levou à situação deficitária que vemos hoje!
  • Para quem ainda está na ativa e vai ter que se enquadrar à tal reforma, é praticamente um tiro no pé: estaremos pagando por décadas (49 anos no mínimo, para receber integral) para então receber o benefício por um período máximo de uma década (estou considerando aqui a pessoa que se aposenta aos 73 anos e a expectativa de vida de 83 anos). Sim, é algo bastante injusto, mas lembre-se que nosso sistema previdência necessita que você pague quem está inativo, caso contrário ele “quebra”;
  • Para quem ainda longe de entrar no mercado, acredito que haverá somente muitas incertezas quanto ao futuro da Previdência. Em minha sincera opinião, um regime de previdência que o obrigue a trabalhar por 50 anos para ter cerca de 10 anos de aposentadoria é um absurdo, entretanto sabemos que a Previdência também é responsável pela parte de Assistência Social no Brasil, o que dificultará a extinção da mesma.

Se você se enquadra no segundo perfil e possui um filho ou dependente que se encaixe no terceiro, já está mais do que na hora de não somente planejar para o seu futuro como também de seu(s) herdeiro(s). Previdência pública não é mais “a melhor solução”.

Todo ano pode ser um ano bom

Então vi um artigo sobre investimentos afirmando que “O ano que terminou não foi propício para quem pretendia colocar o dinheiro para render.” Será?

Aos que foram afetados pela recessão econômica, é óbvio que foi um péssimo plano: estar desempregado ou sofrer corte na sua renda mensal nunca é uma boa coisa, principalmente quando se pretende investir. Entretanto, para aqueles que puderam aproveitar a alta da taxa Selic, adquirir opções de investimento pré-fixadas no momento certo ou aguardou para adquirir seu imóvel em um momento mais oportuno e oferecendo a maior entrada possível, 2016 ofereceu boas condições.

Então, mais uma vez, enquanto alguns choram, outros vendem lenços… Se você foi afetado pela crise, é claro que você deve enxugar ao máximo as despesas em casa, buscar uma recolocação no mercado e traçar uma estratégia para minimizar os estragos caso isso venha acontecer mais uma vez (e fugir o máximo possível do “crédito fácil” e do endividamento!). Agora, se você conseguiu enxugar seu orçamento e fazer algum dinheiro sobrar, 2016 foi um ótimo ano e até meados de 2017 podemos ter ainda algumas boas oportunidades para investimentos em renda fixa.

Algumas opções para investir

E caso você esteja pensando em investir visando sua aposentadoria, talvez esteja diante do clássico dilema: em que devo investir meu dinheiro? Veja bem, é impossível determinar qual a melhor opção, já que depende de taxas que variam de acordo com banco, opção de investimento, montante a ser aplicado e duração da aplicação, mas um pouco do que aprendi:

  • Em vez de focar em previdência, foque em construir um patrimônio, isto é, em ter investimentos que poderão mais tarde ser herdados por seus filhos;
  • Previdência privada não é uma boa opção – primeiro porque quebra a regra anterior, segundo porque as taxas cobradas fazem com que seja uma opção menos rentável durante seus primeiros 10 ou 15 anos;
  • Fundos de investimento também não são uma opção tão boa – pelo menos aqueles que conheci, no curto prazo, apresentavam um rendimento muito fraco, praticamente igual ao da caderneta de poupança, porém com um risco maior que a mesma;
  • Tesouro Direto – esta é uma das melhores opções para quem pretende investir algum dinheiro por pelo menos dois anos, pois a tributação atingirá seu menor valor possível para tal opção;
  • LCA ou LCI – a depender das taxas oferecidas, podem ser boas opções e até apresentar benefícios quando adquiridos pelo seu banco (mas corretoras geralmente apresentam retornos melhores);
  • CDB – considero essa opção como sendo a minha nova “caderneta de poupança”, pois apresenta um bom desempenho se preciso daquele dinheiro em um prazo inferior a um ano (ou se não tenho certeza de quando precisarei), mas não é a minha primeira opção quando o assunto é aposentadoria;
  • Compra e venda de ações – se você está começando, esqueça isso. A volatilidade natural que as mesmas possuem bem como os custos (taxas de corretagem e custódia) são empecilhos para quem ainda não conhece bem o mercado acionário. Recomendo começar somente quando tiver ao menos R$ 40.000,00 em renda fixa e então usar perto de R$ 10.000,00 na compra de ações, como forma de diluir os custos e aumentar as chances de retorno no médio prazo. Em outras palavras, vai demorar um pouco!

Mas… e a caderneta de poupança?

Esqueci de falar sobre a caderneta de poupança? Xiii, foi mesmo… Mas deixa assim mesmo, esconde isso embaixo do tapete, pois a alteração realizada no rendimento da caderneta de poupança afetou o único cenário em que ela era realmente a melhor opção – quando a taxa Selic está muito baixa. Aliás, li hoje em um website a opinião de um economista sobre sua perspectiva para a economia brasileira e investimentos durante o ano de 2017 que em muito se parece com a minha, mas mudei de ideia quando o mesmo afirmou que “continuam atrativos a poupança…”. A poupança pode ser uma boa opção para quem deseja guardar algum dinheiro por alguns meses (até menos de um ano), mas como investimento a longo prazo – que é o caso de uma aposentadoria – toma uma surra de todas as demais opções de investimentos em renda fixa (exceto dos *cof* *cof* títulos de capitalização *cof *cof*).

E o mais importante quando pensando sobre o seu futuro é disciplina. Não estamos falando aqui de aplicar algum dinheiro por dois ou três meses, falamos em 20 ou 30 anos. Não estamos falando em deixar algum dinheiro esquecido e só olhar mais tarde, estamos falando em aplicações mensais, controlar o quanto está rendendo e verificar outras opções. Parece dar muita dor de cabeça? Acredite em mim quando digo que, no longo prazo, compensa e muito – e pode até se tornar divertido para você, caso goste de contas.

Bem, por hoje é só isso. Se leu o artigo todo, parabéns (eu mesmo já fiquei com preguiça só de olhá-lo, acho que vou ler só o resumo lá em cima), agora é hora de planejar-se e buscar boas opções para investir pensando em sua futura aposentadoria!