Archive for Papo Reto

Papo reto: sem novidades na economia brasileira, dicas para sair do vermelho e o que aconteceu com os desafios mensais

Olá e aqui vamos nós para mais um papo reto! Fiz um apanhado das notícias e artigos sobre economia e finanças pessoais mais relevantes dos últimos três dias e, seguindo a tradição de apresentar aqui somente o que realmente importa para o pequeno investidor, posso resumir em duas “manchetes”: a economia brasileira está dando sinais de recuperação e muitas dicas para recuperação financeira do indivíduo estão sendo publicadas por aí.

Além disso, hoje decidi matar a curiosidade de alguns sobre o que aconteceu com meus desafios mensais. Bem, mas primeiro vamos às notícias…

Economia brasileira se recuperando aos poucos

Publicado em: Brasil já se recuperou dos efeitos da Operação Carne Fraca, Juros em Baixa: bons resultados podem estar na bolsa de valores, Confiança do empresário atinge maior nível desde 2014, Produção industrial registra melhor setembro em quatro anos

Segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, parece que o “pior” para o setor de ovinos e bovinos de corte já passou, uma vez que apenas quatro dos 93 parceiros comerciais mantêm o embargo à carne brasileira. Bem, se isso for verdade, podemos respirar um pouco mais aliviados, já que este é um setor que gera muitas divisas para o nosso país e, com a sua recuperação, podemos ver sinais melhores em nosso PIB. Além disso, quem “apostou” na recuperação do setor e comprou ações no momento certo poderá perceber um retorno financeiro em breve, conforme o mercado esquenta novamente. Entretanto é necessário garantir que erros passados não se repetirão, isto é, que a fiscalização não se tornará leniente outra vez, caso contrário, a mancha na indústria pecuária brasileira pode ser tão profunda que não se recuperará tão facilmente.

Já segundo o Dinheirama, como vivenciamos um momento de queda nos juros e a bolsa apresentou diversos sinais de melhoria, não há melhor momento para investir nela. Nesse caso, concordo porém recomendo cautela, afinal de contas ninguém pode prever o movimento da bolsa e muito menos quais ações subirão ou cairão. Assim, sugiro que não invista mais do que 30% de seus recursos para longo prazo na renda variável e se não possui experiência foque principalmente em empresas fortes e que paguem dividendos.

E voltando ao site do governo brasileiro, segundo levantamento da FGV os recentes resultados econômicos positivos fizeram com que empresários e brasileiros voltassem a ter mais confiança em nossa economia. Segundo o Brasil.gov.br “a alta no indicador é fruto tanto da percepção dos empresários a respeito do momento atual dos negócios quanto com as perspectivas para o futuro”. Isso é relativamente bom e melhor ainda se vier junto um bom pacote do governo para facilitar crédito a juros bem mais baixos para pequenos empreendedores e incentivo à inovação e à exportação. Infelizmente, esses itens estão sendo parcialmente atendidos (governo está cortando a verba para pesquisa!).

E segundo dados do IBGE, a atividade da indústria nacional alcançou melhor resultado de setembro na série dos últimos quatro anos, fazendo com que o resultado dos últimos 12 meses torne-se positivo pela primeira vez em 39 meses. Dentre as categorias econômicas as que mais cresceram destacam-se os bens de consumos duráveis (+16,2%) e bens de capital (+5,7%), já entre as categorias industriais, o primeiro lugar vai para o setor automotivo (+20,9%), seguido dos equipamentos de informática e ópticos (+16,9%).

Dicas para sobrar mais dinheiro no fim do mês

Publicado em: Veja por que seu dinheiro some no início do mês, Veja esses 7 passos e saia do vermelho, 6 dicas para fazer seu dinheiro sobrar, Conheça 4 gerenciadores financeiros gratuitos

Se há um assunto que todo blog/vlog/website/canal sobre finanças pessoais sempre aborda é como sair do vermelho e fazer seu dinheiro sobrar no final do mês. Aqui mesmo em nosso Clube temos vários artigos sobre o tema, por exemplo Como sair do vermelho e ainda ganhar dinheiro e Dez dicas sobre como ficar rico. E como não era para ser diferente, muita gente na rede abordou algumas dicas. Bem, aqui vai um resumo das mais interessantes, acrescidas de outras que, em minha opinião, não poderiam faltar:

  1. Identifique, analise e otimize o orçamento de sua família;
  2. Examine e mude todos os seus hábitos (na verdade, vícios) que o levam a gastar mais do que deveria – não vai ser fácil, mas sem a disciplina necessária, você não conseguirá chegar a lugar algum;
  3. Aprenda o significado de “cortar na carne”: você precisará economizar até de onde não dá mais se deseja livrar-se das dívidas logo;
  4. Evite a todo custo usar o cheque especial;
  5. Muito cuidado ao parcelar suas compras no cartão;
  6. Jamais pague o mínimo do cartão de crédito – é a maior armadilha, prontinha para fazer sua dívida crescer como uma bola de neve;
  7. Organize-se e evite pagar juros e multas em suas contas;
  8. Pague primeiro as dívidas com maiores taxas de juros;
  9. Planeje como pagar suas dívidas e negocie com seus credores;
  10. Há planilhas e aplicativos para gerenciamento financeiro que você pode utilizar, mas nenhum deles funcionará se você não estiver realmente disposto a sair de sua zona de conforto;
  11. Busque meios de aumentar sua renda – a Internet está cheio deles, mas já vou avisando: você não vai ficar rico da noite para o dia, trabalho é trabalho.

E para encerrar essa lista de dicas, um trechinho de um artigo do website Juros Baixos: “Qualquer pessoa que esteja com dívidas acumuladas, contas bancárias negativadas, financiamentos atrasados e o carro com busca e apreensão decretados, está no vermelho”. Não, meu amigo, essa pessoa não está no vermelho, ela está bem no meio de um buraco negro, sendo implacavelmente sugada, mas com um pouco de fé e muita reza ela ainda pode escapar dele e voltar a orbitar tranquilamente!

O que aconteceu com os meus desafios mensais

Para mim, este ano aqui no Clube ficou marcado pelos desafios mensais. Para quem não me acompanhou, aqui vai a lista:

E se você não entendeu o tamanho de cada desafio, atente-se ao fato de que cada um deveria ser cumprido num prazo de 30 dias. Sim, eu sei, insanidade – mas era justamente isso que me motivava tanto! E foi incrível, quando percebi que as metas, apesar de não serem cumpridas totalmente, alcançavam mais de 50% de completude nos dois primeiros desafios.

O problema foi quando iniciei o terceiro desafio e, como não havia terminado completamente os anteriores, comecei a ficar sobrecarregado de tarefas. Em algum momento, minha rotina estava mais ou menos assim:

  • 60 minutos de exercícios físicos;
  • 30 minutos de estudos de inglês;
  • 30 minutos de estudos de espanhol;
  • 90 minutos de estudos da italiano;
  • 60 minutos lendo (tinha acabado de assinar o Kindle Unlimited);
  • 30 minutos de passeio com o cachorro (não dá para negociar isso com Johnny);
  • Todas as minhas tarefas como docente (preparação de aulas e provas, correções, aulas, atendimento ao estudante, projetos etc.).

A essa altura você deve estar pensando “Espere aí, isso é muito coisa!”. Pois é, foi o que descobri também. Meus projetos pessoais, de pesquisa e extensão começaram a ser prejudicados. O que começou a me motivar, de repente, me fez “quebrar”. O cansaço da rotina foi tal que, quando larguei tudo, só voltei a fazer exercícios físicos mais de um mês depois. As outras atividades, então, demoraram mais ainda.

Então foi tudo desperdício? Longe disso! Nesta última semana, voltei aos estudos de inglês, espanhol e italiano e estou bastante animado – Busuu finalmente melhorou o curso de italiano e até incluiu os exames para certificação, coisa que não havia antes! Aos poucos, estou voltando à rotina, só que sem a cobrança exagerada que eu mesmo me fazia antes.

Aprendi muitas coisas com essa série de desafios e a principal é “se começar um novo desafio, interrompa o anterior”. Isso foi o que mais me prejudicou. Além disso, estou pensando se quando retomar os desafios no ano que vem os mantenho com um limite de 30 dias ou aumento para 90 dias (três meses), o que me traria não só mais tempo para conseguir resultados mais consistentes, mas também algum tempo para escrever um relatório e publicá-lo aqui (ainda estou lhes devendo aquele relatório com dicas para acelerar o aprendizado de qualquer língua, não é mesmo?).

Então é isso: não morri, não desisti, mas estou me reorganizando para não deixar nenhuma de minhas responsabilidades “cair”. Tentarei escrever mais vezes aqui, mas prometo que só vou escrever se tiver algo realmente útil para falar (estou olhando para você, Dinheirama, com seu artigo publicitário Escolhemos 4 ações para você investir agora, que na verdade não cita ação alguma e somente leva para uma landing page tentando capturar o e-mail do leitor!).

Papo Reto: Primeiros passos investindo, lenta recuperação da economia brasileira e perspectivas para 2018


Já faz um bom tempo que não publico um “papo reto” aqui, então o papo de hoje vai trazer uma análise bastante extensiva das notícias e artigos que podem impactar o pequeno e médio investidor brasileiro. E apesar de saber da importância do cenário político, não trarei aqui textos referentes a votações de Senado, corrupção e outras coisas mais – já há muito website por aí falando sobre isso o tempo todo, para que mais um, não é mesmo?

Então, falaremos hoje sobre os indicadores econômicos nacionais e a perspectiva para o crescimento do PIB para 2018, risco de rebaixamento da nota do Brasil no S&P, por onde o investidor iniciante deve começar e dicas para tornar sua iniciativa no mundo dos investimentos realmente lucrativa. Está pronto? Então, vamos!

Cenário econômico brasileiro mais ou menos estável

Publicado em: Relatório semanal – Juros Baixos, Meireles: Com reformas, Brasil pode crescer a uma taxa de 4%

Segundo o website JurosBaixos.com.br, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (GPI-DI) está apresentando uma tendência de alta, confirmada pela subida de 0,62% no mês de setembro, como consequência da subida de preços no setor atacadista de itens agrícolas e combustíveis. Apesar disso, acumula deflação de 2,03% no ano e 1,04% nos últimos 12 meses, o que significa que é muito cedo para dizer que teremos altas seguidas da inflação nos próximos meses.

Segundo o IBGE, na comparação de julho e agosto deste ano as vendas do varejo apresentou várias quedas, com destaque para os setores de livros, jornais, revistas e papelaria (-3,1%) e combustíveis e lubrificantes (-2,9%), afetados pelo aumento do preço dos combustíveis e dos preços da celulose no mercado internacional.

Durante o 20º Congresso Brasileiro de Corretores de Seguros, o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, apresentou uma projeção para o crescimento da economia brasileira em 2018 de 2,5%. Já a avaliação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é muito mais otimista, apontando que a economia brasileira poderá crescer a uma taxa de 4% durante os próximos três anos, caso a reforma da previdência seja aprovada. E aqui nossos pontos de vista são divergentes: o governo realmente precisa “enxugar” a máquina e melhor usar seus recursos a fim de produzir mais e não somente gerar dívidas, mas não vejo a reforma da previdência como sendo a melhor solução, pelo menos não a mais democrática, já que políticos conseguem inúmeros benefícios em termos de auxílio ou até mesmo previdenciários que muito possivelmente não serão afetados por tal reforma, sendo somente o restante da população quem “pagará o pato”.

Standard & Poor’s ameaça rebaixar nota do país caso reforma previdenciária seja adiada

Publicado em: S&P alerta rebaixamento se reforma da Previdência for adiada

E uma notícia não muito boa é que a agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) alertou que poderá rebaixar a nota do Brasil caso mudanças nas regras de aposentadoria e pensão não sejam realizadas em tempo hábil, o que pode pressionar e acelerar a votação bem como influenciar o resultado, já que ela está reforçando o interesse positivo do mercado estrangeiro na aprovação da reforma previdenciária.

Quanto menor for a nota de um país no sistema de classificação da S&P maior a probabilidade de “calote”, aumentando o risco para investidores estrangeiros que passam a exigir juros maiores devido ao risco – o que não é nada saudável para nossos cofres e bolsos, já que quando o governo paga juros maiores significa que dinheiro que poderia ser destinado para outra área (Educação, Transporte, Segurança, Saúde etc.) está sendo usado para mitigar as dívidas.

Começando a investir? Prepare-se melhor e dê seus primeiros passos

Publicado em: Poupança em 2018, Onde investir 5 mil reais?, Os homens mais ricos do mundo e do Brasil e Investir em ações é arriscado?.

O blog da corretora Rico explica por que a poupança não é um bom investimento para 2018. Quanto a isso, não vou entrar em muitos detalhes, já que desde a mudança no cálculo de rentabilização da poupança ela deixou de ser uma boa opção de investimento, tanto quando a taxa Selic está alta quanto (pior) quando está baixa, que é a situação atual.

Agora, uma coisa realmente legal que a corretora Rico escreveu (em outro post) foi quanto a opções para investir 5 mil reais que considero um dos passos iniciais de muitos que começam a investir – seja para comprar uma casa ou trocar o carro, seja para sua aposentadoria. Assim, a depender da duração da aplicação, estas são as sugestões da mesma:

  • Até seis meses – escolha aplicações seguras e evite investimentos mais arriscados. Uma opção são os títulos do Tesouro Direto, como o Tesouro Selic (LFT).
  • De seis a doze meses – continue na renda fixa e não se exponha a riscos. As opções são fundos de renda fixa e novamente Tesouro Selic.
  • De um a dois anos – quanto maior o prazo, melhor poderá ser a rentabilidade da aplicação. Nesse caso, sugerem-se fundos multimercados moderados, fundos de ações moderados e Tesouro IPCA+.
  • Dois anos ou mais – pode-se buscar alternativas mais agressivas (e portanto mais arriscadas), como fundos de ações, fundos multimercados, COE, debêntures, Tesouro Direto (prefixado e IPCA+), CDB, LCI etc.

Eu, sinceramente, considero dois anos muito pouco tempo para uma estratégia envolvendo ações ou fundos de ações, principalmente para quem está começando, mas pode ser interessante do ponto de vista de aprender na prática sobre as oscilações de mercado, não é mesmo?

Já o GuiaInvest publicou uma matéria colocando “em cheque” o pensamento comum que afirma que investir em ações é arriscado e lembra que arriscado é investir em algo sem conhecê-lo, assim sendo, se você educar-se primeiro sobre a bolsa de valores, compra e venda de ações, taxas envolvidas e retornos esperados, poderá montar sua estratégia “matematicamente bem fundamentada” e reduzirá as chances de perda e maximizará as chances de ganho no longo prazo. Você pode aprender outras dicas em nosso artigo Investindo em ações.

Bem, é isso. encerro por aqui nosso papo de hoje e espero não atrasar mais tanto nos próximos. Mas diz aí: qual a sua expectativa para a economia brasileira e qual o seu plano de investimentos para 2017/2018?

Papo Reto: tirando proveito da deflação e recuperação da produção industrial

Analisando notícias e artigos dos últimos dias dos dez principais websites e blogs das áreas de finanças pessoais, economia e emprego, identifiquei um bom leque de oportunidades para reduzir despesas e buscar novas fontes de renda, peças-chave para que possa investir melhor e construir um futuro financeiro muito melhor para você e sua família. Então, se ultimamente você esteve com a “corda no pescoço” ou procura expandir sua receita com o intuito de construir seu patrimônio, talvez os artigos aqui citados possam oferecer-lhe alguma direção.

Deflação generalizada?

Fontes:

Segundo notícias publicadas no Portal Brasil, o mês de julho também trouxe uma queda da inflação, impulsionada principalmente pela queda dos preços no mercado imobiliário e do INCC (índice nacional da construção civil) que apresentou crescimento negativo.

O que pode representar um problema para pessoas que atuam no mercado imobiliário ou que desejam vender sua casa ou apartamento, pode representar uma oportunidade para aqueles que desejam adquirir seu próprio imóvel. Além disso, se você paga aluguel possui uma forte justificativa para negociar um não aumento no reajuste anual do aluguel, já que o mercado se encontra diante de tal crise.

Também pode ser um bom momento de ir às compras e pechinchar, “brigar” por um bom desconto nas compras à vista, já que a deflação é um sinal de que menos pessoas estão comprando. Vale lembrar, claro, que você não deveria sair correndo e comprando tudo o que vê pela frente, mas somente aquilo que você já previa dentro de seu orçamento e tendo a possibilidade de pagar à vista!

Possível retomada do crescimento da economia?

Fontes:

Mais uma vez segundo dados do Portal Brasil, as áreas de agronegócios, mineração e produção industrial apresentaram resultados positivos em suas balanças, movidos principalmente pelo momento de relativa queda do dólar e aumento das exportações. São indícios de que estamos diante de uma retomada do crescimento da economia?

Bastante provável, mas para garantir isso, precisamos ver estes e outros setores apresentarem maior demanda de mão-de-obra, injetando recursos financeiros no seio da família brasileira que permitirá o crescimento saudável do comércio interno novamente. E ao que indica, alguns setores como o automobilístico ainda precisam de muito subsídio governamental para não ocorrer cortes de recursos humanos, como deixa claro o artigo Iniciativa mantém 2,7 mil empregos no setor de automóveis.

Como tirar proveito desse momento? Quem possui experiência no campo de vendas pode encontrar muitas oportunidades naqueles setores que estão crescendo. Para os demais, acredito que podemos esperar uma retomada do crescimento do comércio até o fim do ano que pode representar muitas oportunidades, principalmente para quem deseja operar no meio digital como vendedor, afiliado ou produtor de infoprodutos. Aliás, o Dinheirama publicou recentemente um artigo endossando a possibilidade de faturar algum dinheiro com vídeos, que são um tipo de infoproduto.

Artigos recomendados: Infoprodutos ainda são rentáveis?Como criar um infoproduto? e Fazer dinheiro com vídeos.

Cuidando de suas finanças e investimentos

Fontes:

Alguns bons artigos para ajudá-lo a controlar seu orçamento e melhorar seus investimentos foram publicados. Até gostei deles, mas se você já é “leitor das antigas” do Clube do Dinheiro, provavelmente já viu aqui (espalhado em diversos artigos) a maior parte senão todas esssa dicas.

Mesmo assim, aqui vai um resumo do que você pode aprender lendo estes artigos:

  • Quando economizando e investindo, não caia na armadilha de planejar somente para curto ou somente para longo prazo, você precisa dedicar recursos para desejos mais imediatos, porém sem afetar o acúmulo de recursos para alcançar metas de longo prazo;
  • Gerentes de bancos trabalham para bancos, então na maioria das vezes estão defendendo os interesses destes. Assim sendo, por mais interessante que pareça uma proposta de investimento, faça seu trabalho e analise prospectos, taxas, alíquotas de IR etc.
  • O passo-a-passo para organizar sua vida financeira familiar serve para organizar a vida financeira de seu novo negócio, isto é: separar as contas da empresa, elaborar orçamento empresarial, observar o fluxo de caixa, acompanhar todas as movimentações financeiras, reduzir custos e investir de forma planejada;
  • Muito cuidado para não cometer erros como envolver-se em despesas muito caras como a reforma de uma casa sem ter as devidas condições financeiras ou não investir o suficiente para o seu futuro;
  • Bônus: Dissocie padrão de vida de padrão de consumo. Você pode ter um estilo de vida melhor e mais saudável com sua família e ainda assim gastar menos, só depende de suas escolhas. Nenhum artigo citou isso diretamente, mas foi a primeira coisa que pensei ao ler o título de um dos artigos, algo simples porém muito ignorado.

Reforma trabalhista aprovada no Senado

Fonte:

Nathalia Arcuri gravou um vídeo no YouTube falando a respeito dos 10 pontos mais polêmicos (em sua opinião) sobre reforma trabalhista recém-aprovada pelo Senado brasileiro – vale lembrar que isso não significa que ela já entra em vigor, pelo contrário, muita coisa ainda vai rolar, ok?

Um dos pontos “polêmicos” apresentados não considero polêmico e sim uma regularização deveras importante: como ficam as despesas de quem trabalha a partir de um home office? Até pouco tempo atrás não havia regulamentação quanto a isso, assim sendo despesas como água, luz e internet ficavam por conta do próprio empregado, a proposta aponta que tais despesas são de responsabilidade da empresa, que deverá acordar com o empregado quanto desse valor e como será pago. Nada mais justo.

Há outros pontos que são considerados “polêmicos”, porém que concordo e sei que minha opinião pode desagradar a um ou outro leitor, então farei o mesmo que a Nathalia e deixar que cada um reflita a respeito e forme sua própria opinião.

E sobre o cenário político?

Não vou listar notícias do tipo: Temer fica, Temer vai; Lula solto, Lula preso; Cadê o dinheiro de Cabral etc. Isso aí já está ficando um bocado repetitivo, então vamos somente aguardar os desdobramentos da Lava Jato e esperar que todos os que participaram da corrupção sistêmica, seja de forma ativa ou passiva, sejam julgados e devidamente punidos.

Papo Reto: Economia se recuperando, mas você não pode brincar com seu dinheiro

No “Papo Reto” de hoje, dei uma olhada no que blogs e portais da área de finanças, economia e emprego publicaram recentemente e as notícias parecem animadoras no médio e longo prazo, entretanto não dá para “brincar com seu dinheiro”, pois se não fizer seu dever de casa e cuidar dele como um importante ativo na construção da prosperidade para a sua família, pode ter certeza que ele sairá “voando” pela sua janela – seja por meio de compra de bens desnecessários, mal uso de crédito ou investimento mal planejado para sua empresa.

Bem, aqui vai então um resumo do que está rolando para que você se mantenha informado e acerte em suas decisões financeiras…

Como organizar suas finanças sem ter um salário fixo

Publicado em: Me Poupe!

Tenho que elogiar, este artigo da Me Poupe! ficou bem legal e aborda os principais pontos a ser considerado quando você é um trabalhador autônomo e, portanto, sua renda mensal é bastante variável. Assim, os cinco pontos a se considerar são:

  1. Corte os custos fixos – a autora sugere a redução de diversas despesas fixas, isto é, gastos que ocorrem todo mês. Alguns deles: aluguel, água, energia elétrica, internet, telefone fixo, telefone móvel, academia, TV a cabo, Netflix etc. Quem me conhece sabe que quanto a isso eu assumo uma postura bem mais radical (This is Sparta!) e se aquele gasto não é essencial, simplesmente elimino-o por completo, e se for essencial, reduzo ao máximo. Sim, isso significa cortar despesas até mesmo com academia, assinatura de TV e outros. Ué, não sabe se exercitar sem ir a uma academia, my friend?
  2. Reduza gastos com cartão de crédito – ela recomenda o uso muito bem gerenciado do cartão, inclusive planejando o período certo para comprar itens no menor preço possível. Concordo e vou além: pense duas vezes se realmente precisa comprar aquela roupa nova (ué, qual o problema de eu ainda usar aquela mesma camisa há 6 anos se ela ainda cabe em mim? E estou falando sério);
  3. Controle e planejamento mês a mês – isso é o alicerce para a vida de qualquer um. Não somente a pessoa que não possui um salário fixo, mas todos, todos precisam disso. Aliás, eu diria que todos os passos aqui são essenciais para quem quer manter-se na linha quanto às suas finanças;
  4. Tenha uma boa reserva financeira – mais uma vez, é essencial, e vou complementar somente dizendo que o tipo de aplicação a que destinará o dinheiro da reserva depende de quanto tempo acredita que ficará lá. Talvez aplicar tais recursos em opções como CDB, LCI ou LCA. Como se trata de um valor que você pode ter que movimentar a qualquer momento, pelo menos o valor referente a três meses de despesa não aplicaria em Tesouro Direto, mas depois disso, vai fundo nele também!
  5. Busque formas de ganhar dinheiro “sem trabalhar” – gostei bastante das dicas que ela apresentou nesta seção e que me lembraram um pouco as dicas de Billy Imperial em seu livro 40 Hábitos Financeiros Para Uma Vida Melhor. Aliás, se desejar conhecer outras ideias para cortar gastos ou criar fontes de renda alternativa, esse livro apresenta dicas legais.

Resumo da ópera: um artigo interessante para o trabalhador autônomo e também para quem apresenta uma renda mensal bastante apertada.

Notícias dos boletins DinheiramaNews

Publicadas em: Boletins #178, #179 e #180.

Dentre as diversas notícias sobre o cenário político e econômico brasileiro apresentado, acredito que as mais relevantes para o público em geral e mais especificamente o pequeno e médio investidor são:

  1. Cresce a dívida pública – de 2013 a 2017, a dívida pública crescem mais de 20% do PIB, saltando de 50,8% para 71,4%. Dívida pública crescendo é um sinal de alerta a todos nós, pois já sabemos para quem o governo empurra as contas por meio de impostos, não é mesmo?
  2. BNDES aumenta volume de empréstimos a empresas de pequeno porte – graças a ajustes nas regras, o valor dos empréstimos nos cinco primeiros meses foi 200% maior em relação ao mesmo período de 2016 e espera-se que cresça ainda mais. Isso significa que você, empreendedor, pode conseguir finalmente aquele capital necessário para ampliar seu negócio, mas leve em consideração que ainda estamos em um período de crise/recessão/apocalipse financeiro e, portanto, deve usar cada centavo de um potencial empréstimo sabiamente, afinal não é “dinheiro dado”.
  3. Conta de luz mais cara em julho – e lá vamos nós de novo pagar mais caro! Eu só queria saber quando foi que pagamos mais barato! Ainda estou esperando aquela redução na conta prometida ainda durante o governo de Dilma Rousseff! O jeito é desligar as luzes e acender o candeeiro!
  4. Reforma trabalhista será votada na próxima semana – juntamente com a reforma da reforma da previdência, este é um dos pontos negociados neste governo que, no longo prazo, apresentará um impacto enorme na vida do trabalhador brasileiro. Já comentei aqui que, em minha opinião, quem mais sofrerá as consequências dela é o trabalhador assalariado, que muitas vezes apresenta maior rotatividade em empregos, possui maior dificuldade e inexperiência para investir pensando em seu futuro e ficará a mercê das “novas leis trabalhistas” e da “aposentadoria após a morte”.
  5. Taxa Selic cai, juros para crédito pessoal sobem – esperava-se que, com a queda da Selic (está agora em 10,25%) os juros para crédito também cairiam, entretanto devido à alta inadimplência, os bancos procederam no caminho contrário e aumentaram as taxas. Um cenário ruim para quem toma dinheiro emprestado bem como para quem investe, que com a queda da taxa Selic vê diversas opções atreladas a ela direta ou indiretamente (CDB DI, por exemplo) caírem também. Conselho para quem investe: fique esperto e use sua planilha para ver se as suas opções de investimento continuarão as mais lucrativas, já que a previsão é de encerrarmos o ano com a Selic em 8,75%. Conselho para quem precisa de empréstimo: é melhor “cortar na carne” e eliminar muitas despesas para precisar de menos crédito do que piorar ainda mais com essa bola de neve!
  6. Petrobras reduz preço do gás de cozinha – toda vez que vejo notícia de redução de preço do gás de cozinha ou da gasolina (tivemos uma recentemente) eu fico rindo, pois nunca vejo tal redução chegar ao consumidor final. Em outras palavras, é uma redução de lucro da Petrobras que não se converte em redução de despesa para nós, então alguém aí no meio de campo estará lucrando bastante com isso e não sou eu.
  7. Produção industrial sobe 0,8% e tem melhor maio em 6 anos – e agora uma notícia bem legal: a indústria brasileira está demonstrando sinais de retomada de crescimento, o que pode levar à geração de empregos novamente, mas o cenário político atual que atingiu diretamente até mesmo o presidente Michel Temer pode prejudicar a confiança de investidores e levar a um retrocesso.

Inflação cai, produção de petróleo e balança comercial sobem

Publicadas em Portal Brasil: Mercado projeta inflação menor, Produção de petróleo e gás cresce em maio, Projeção para balança comercial aumenta para US$ 60 bi.

As notícias dos últimos dias publicadas pelo Portal Brasil quanto à nossa economia estão bastante animadoras. De forma resumida, apontam que não somente já estamos tendo redução nos preços repassados ao consumidor (onde?) e previsão de inflação menor para 2017 e 2018.

Quanto à inflação, realmente ela está mais estagnada. Acho que esse é um termo melhor do que controlada, pois o que está acontecendo é que as pessoas não estão conseguindo comprar – veja a taxa de desemprego, número de fábricas que fecharam, empresas que decretaram falência etc. Então, não houve um controle, ela estagnou: não cresce mais porque “não há espaço” e isso não é muito bom, pois sem o seu devido controle ela voltará a crescer logo, logo.

Outras duas notícias, agora mais animadoras para quem investe, é que a produção de petróleo e gás cresceu no mês de maio (4,02%) e que o crescimento nos preços internacionais (em outras palavras, dólar subindo) e da quantidade de exportações fizeram com que a previsão para a balança comercial saltasse de US$ 55 bilhões para US$ 60 bilhões. Será que isso potencializará a recuperação financeira da Petrobrás?

Papo Reto: O que fazer caso a crise na economia brasileira persista

Como já sabe, o “Papo Reto” é uma discussão em que apresento um resumo de notícias e artigos da área de economia e finanças que podem ser de seu interesse. E se você não permaneceu dormindo ou embaixo de uma pedra ao longo dos últimos anos, já deve ter percebido que vivemos uma situação não muito privilegiada:

  • (Muitos) casos de corrupção em nossa política;
  • Uma presidente sofreu impeachment;
  • Vários ex-presidentes acusados de participar de esquemas ilícitos;
  • Risco-Brasil alcançou patamares assustadores;
  • Evasão de investidores estrangeiros;
  • Inflação disparou (porém agora segue “controlada” devido ao retrocesso de nossa economia, tanto que até pretendem reajustar a meta inflacionária);
  • Desemprego cresceu bastante (mas o Portal Brasil aponta que o número de desempregados está caindo);
  • Muitas empresas (principalmente de pequeno e médio porte) fecharam suas portas;
  • Reformas na educação, no trabalho e na previdência que muito provavelmente impactarão negativamente as famílias com menor renda (entretanto, Banco Central acredita que reformas permitirão o avanço de nossa economia);
  • Etc. (a lista é muito grande para tentar colocar tudo aqui)

Resumo da ópera: estão nos empurrando muitas mudanças como sendo positivas para nós, porém não nos é permitido discutir e votar a respeito (cadê plebiscito nessas horas?), cabendo somente a quem está lá em cima determinar o que é “melhor para nós”. Infelizmente, como já mencionei, considero que quem vai sofrer maior impacto com tudo isso são as famílias com menor poder aquisitivo. Nossa economia não vai nada bem, nossos políticos muitas vezes não estão lá para defender nossos interesses e cabe a nós assistir tudo “na pipoca”, porque nem mesmo camarote nos é reservado…

E agora, o que eu faço?

Vou lhe ser bem sincero: quanto ao cenário político-econômico de nosso país, pouco podemos fazer. Infelizmente, vivemos uma democracia em que a população não participa das grandes decisões mas que, como já disse, são tomadas por um grupo de políticos que muitas vezes não se preocupa com o impacto (ou vai me dizer que ter direito à aposentadoria integral somente após quase 50 anos de trabalho é realmente algo benéfico para o trabalhador?).

E uma coisa que eu venho aprendendo é que se não pode mudar algo deve buscar minimizar o impacto disso em sua vida. Por exemplo, caso a reforma da previdência social seja aprovada, ou você trabalhará por 49 anos a fim de conseguir aposentadoria integral ou se aposentará antes com uma renda menor. O que você pode fazer?

Invista em seu futuro! Você precisa investir HOJE o suficiente para que AMANHÃ não dependa somente da previdência social, caso contrário quando se der conta será tarde demais e não poderá fazer nada além de reclamar.

“Ora, mas eu não tenho dinheiro para investir!” Bem, é aí onde você se engana: se realizar os cortes de despesa certos, adiar um pouco alguns sonhos de consumo e aproveitar a oportunidade para investir em Tesouro Direto (escolha uma corretora que tenha “taxas zeradas” a fim de maximizar seu retorno), estou certo de que daqui a cinco anos você já estará vendo não somente “uma luz no fim do túnel”, como estará apto a traçar seus próprios planos e até mesmo sonhar mais alto – aquela viagem de férias para outro país pode não ser algo mais impossível, afinal.

Caso tenha “comprado a minha ideia”, é bem provável que você agora esteja se perguntando: certo, e por onde começo?

#1 – Invista em si mesmo

O melhor de todos os investimentos é investir em si mesmo. Já falei isso aqui várias vezes, mas é bom repetir. Sua educação é seu alicerce para conquistar melhores oportunidades de carreira ou abrir aquela empresa que você tanto queria. E caso você não saiba em que deveria investir, aqui vão algumas sugestões:

  • Língua portuguesa e produção textual – domínio de sua própria língua e a capacidade de escrever são peças fundamentais para o sucesso de qualquer pessoa;
  • Habilidades de comunicação e negociação – seja em um curso superior, na empresa em que trabalha ou numa reunião com clientes, saber comunicar-se bem e mediar situações conflituosas garante muitos pontos positivos;
  • Línguas estrangeiras – recomendaria primeiro a língua inglesa, por apresentar maior relevância em nível mundial, e em segundo a língua espanhola, por ser predominante na América Latina;
  • Curso técnico-profissionalizante ou superior – acredito que nem preciso falar dos benefícios desta opção, não é mesmo?
  • Conhecimentos em informática – não basta saber ligar o computador e acessar o Facebook. Sabe criar uma planilha para controle de estoque? Elaborar um relatório de vendas com gráficos? Ou uma apresentação em slides para expor uma ideia de produto ao diretor executivo de sua empresa?
  • Cuide melhor de seu corpo – quanto melhor cuidar, menos despesas com remédios, médicos e planos, além de garantir longevidade muito mais saudável. Você pode adquirir material e equipamento para treinamento físico ou estabelecer uma rotina para prática de esportes, por exemplo;
  • Invista em sua alimentação – similar ao item anterior, não adianta aplicar muito tempo e recursos para aprender línguas e outros cursos e não cuidar daquilo que come. Reduzir consumo de açúcares, gorduras e sal e aumentar consumo de frutas, verduras e carnes brancas já são bons passos iniciais;
  • E, claro, educação financeira!

Como disse, são somente algumas sugestões. Há muitas outras formas interessantes de investir em si mesmo. Além disso, os itens não estão em uma ordem de prioridade ou algo do tipo: o que você deve priorizar depende de seus planos e de seus pontos fortes e fracos.

#2 – Invista na regra dos 10%

Algum tempo atrás apresentei aqui a Minha regra dos 10%, que basicamente consiste em:

  • Reduza 10% dos gastos;
  • Aumente 10% dos ganhos;
  • Aumente 10% dos investimentos;
  • Dedique 10% do tempo para aperfeiçoar-se.

Perceba que o último item da lista “casa” perfeitamente com o que apresentamos na seção anterior (Invista em si mesmo) e os outros três itens possuem o objetivo de garantir que você conseguirá acumular recursos não somente para sua aposentadoria, mas também para sua viagem de férias, uma reforma necessária em sua casa etc.

#3 – Invista em hacks

Hack é o nome dado a qualquer método, técnica ou truque que pode ser usado para melhorar algum aspecto de sua vida (life hacks), saúde (health hacks), produtividade (productivity hacks), finanças (money hacks) etc.

Há uma infinidade deles e alguns funcionam melhor para algumas pessoas do que para outras. Um bom hack deve ser executado diariamente até que o mesmo torne-se um hábito, quando você passa a fazê-lo sem perceber, consumindo nenhuma energia e tornando sua vida muito mais agradável e produtiva.

Aqui estão alguns hacks que você pode considerar interessantes:

  • Health hacks
    • Ao acordar, beba um ou dois copos de água;
    • Comece o dia com 30 minutos de exercícios físicos;
    • Reduza ao máximo o consumo de gorduras, açúcares, adoçantes e sal;
    • Faça exames de rotina (check-ups) anualmente;
    • Aumente consumo de carnes brancas, reduza consumo de carnes vermelhas;
    • Na hora de dormir, não vá para cama com celular, tablet ou notebook.
  • Productivity hacks
    • Acorde cedo e dedique as primeiras duas horas à(s) tarefa(s) mais importante(s) do dia;
    • Não olhe seu e-mail toda hora: reserve uma ou duas sessões de 40 minutos em seu dia para isso;
    • Desligue notificações de todo tipo em seu celular, tablet e navegadores – chega de WhatsApp, Facebook, Twitter ou outro aplicativo para lhe avisar de “coisas importantes” toda hora;
    • Identifique o tipo ideal de som ou música para trabalhar/estudar: música clássica, pop nacional, instrumental, som de chuva ou vento e até mesmo o silêncio são algumas boas opções;
    • Use um aplicativo como “cérebro digital”, armazenando todas as suas anotações nele (eu uso o WorkFlowy);
    • Corte o mal pela raiz: reduza ao máximo o tempo desperdiçado com redes sociais, messengers, assistindo TV ou vendo websites inúteis. Você pode ter lazer muito mais produtivo lendo um bom livro, como “Os Segredos da Mente Milionária”, “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” ou “Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes”.
  • Money hacks
    • Compre sempre à vista – e pechinche!
    • Aplique a minha regra dos 10% (acho que já disse isso);
    • Aplique os 4P’s da riqueza (artigo bem interessante do Dinheirama);
    • Crie um fundo de emergência correspondente a três a seis meses de despesas;
    • Tesouro direto é sua nova caderneta de poupança, invista nele mensalmente;
    • Evite “jeitos espertos para ganhar dinheiro”. Lembra-se da TelexFree?

É só isso?

Só isso??? Meu amigo, se puser em prática tudo o que foi mencionado aqui, perceberá que tomará alguns ANOS para esgotar todas as sugestões apresentadas, será no mínimo trilíngue, melhorará significativamente sua produtividade (se quiser, você pode aprender como dobrar sua produtividade), terá uma estabilidade financeira muito melhor e sua carreira estará pronta para decolar.

E repito: precisará de alguns anos, pois não basta fazer cada uma dessas coisas somente uma ou duas vezes. Um dado comportamento ou ação deve ser repetido por um bom tempo até se tornar um hábito. Alguns autores apontam que um hábito pode se formar após 30 dias de repetição… “pode”, mas não é garantido, porque quanto mais desconfortável for no início, mais tempo precisará, talvez de 60 a 90 dias. Além disso, não tente muitas coisas diferentes ao mesmo tempo, pois você acabará perdido.

Infelizmente, quanto à economia brasileira, pouco podemos fazer para alterá-la significativamente, além do famoso “faça sua parte da melhor maneira possível”. Assim sendo, por experiência própria, sei que se deve buscar tirar proveito ou pelo menos minimizar os efeitos da atual situação na sua vida e seguindo o que expus aqui, estou certo de que conseguirá.

Papo Reto: Economia brasileira, inspiração para planejar e… escritório em casa?

Como alguns já sabem, esta seção é dedicada a apresentar um pouco do que está rolando na web sobre algum assunto. Desta vez, estive acompanhando os artigos recentes de alguns blogs sobre economia e finanças pessoais e encontrei alguns conteúdos bem interessantes que valem a pena comentarmos ou não (e deixo aqui o endereço para quem quiser ir lá conferir, ok?).

Mais oscilações na política = economia brasileira sofre

Quem está acompanhando as notícias sabe que as delações da JBS sacudiram o alicerce do governo Temer, que agora acusa até mesmo o procurador-geral da República de receber suborno com a sua delação. Não sei, posso estar enganado, mas há pouco tempo a “senhora do vento estocado”, a ex-presidente Dilma Roussef, também acusou a tudo e a todos que pediram seu impeachment. Ouvi algo parecido também do “brasileiro mais honesto do mundo” e “muito melhor que qualquer concursado”, mais conhecido como Lula, a respeito do caso do triplex, do sítio de Atibaia, sobre seu filho ter acumulado grande fortuna em tão pouco tempo (e exatamente durante o período de seu governo e após) etc.

Não sei, estou encontrando coincidências demais nisso tudo. Mas o que sei é que nossa economia vai sofrer ainda mais, pois toda vez que rolam notícias que podem afetar a credibilidade do governo brasileiro afeta também a economia do nosso país, pois aumenta a desconfiança dos investidores que preferem redirecionar seus recursos para um investimento mais seguro. E como consequência indireta, o dólar também sobe, já que recursos saem de nosso país, desvalorizando indiretamente nossa moeda – bom para quem exporta, péssimo para a população, que em sua maioria somente importa, não é?

Dinheirama publicou artigo sobre as acusações entre Temer e Janot neste artigo: DinheiramaNews #175.

Montar um escritório quase sem gastar… gastando pra *******?

Isso mesmo que você leu, você não se confundiu não. Artigo em blog sobre finanças pessoais com um título afirmando que vai ensinar como montar um escritório em casa gastando quase nada, mas que se você olhar direitinho, vai gastar é muito! Sabe o que isso me cheira? Artigo patrocinado feito de qualquer jeito.

Não tenho nada contra artigos patrocinados – inclusive já pensei em abrir espaço no Clube para artigos do tipo – já que são uma opção para trazer receita aos blogs, coisa cada vez mais necessária já que os ad blockers dificultam bastante nossas vidas. Mas se vai oferecer um artigo patrocinado, que seja algo realmente de valor para seus leitores e que não os engane. Li todo o artigo e não achei nada barato montar um escritório daquele tipo. Pode até ficar bonito, “inspirador”, mas vai sair muito caro!

Quer dicas para montar um escritório em casa baratinho? Ótimo! Papel e lápis na mão. Você vai precisar de: uma mesa que suporte seu computador (ou notebook) e impressora. Acabou! Isso mesmo, se você quer algo econômico, você não precisa ficar gastando muito com decoração e apetrechos desnecessários: escolha um lugar na casa onde não seja interrompido (não recomendo fazer no seu quarto, pois é onde meu “home office” está agora e enquanto escrevo já tive algumas “interrupções por familiares”), ponha sua mesa com equipamento (pelo menos um computador ou notebook e se possível uma impressora) e pronto.

E o restante das coisas? Você organiza conforme sentir real necessidade. Por exemplo, um porta-lápis pode ser uma caneca bonita que você tem em casa e não usa (esse exemplo tirei do artigo que vou citar), mas também pode ser um daqueles copos de plástico de R$ 1,00 ou R$ 2,00 que você encontra em um supermercado qualquer (é o que eu faço!). Quer uma decoração para inspirá-lo? Você não precisa montar um painel caro, ter quadros, decorar a parede ou reaproveitar materiais antigos. Quer se sentir motivado? Um porta-retratos com a foto de sua família sobre sua mesa é o que você realmente quer e precisa – se lembrar do verdadeiro motivo pelo qual você está ali trabalhando não for motivo suficiente, painel retrô-vintage-degradê-reciclado nenhum fará isso por você, meu camarada!

Ah, caso queira dar uma olhada no artigo que comentei, trata-se do 10 dicas para montar um escritório quase sem gastar.

Lições para sua vida financeira: você já ouviu, mas ainda não pratica!

Próximo artigo também é do Dinheirama e trata de algumas experiências da jornalista Janaína Gimael, que comenta sobre o que aprendeu com pessoas que levam um estilo de vida simples mas que aos poucos construíram as bases para uma vida mais estável e financeiramente feliz. De forma resumida, ela ponta seis coisas aprendidas:

  1. Comece não importa onde esteja – a desculpa de que não ganha o suficiente não “cola” mais. Comece a poupar hoje mesmo, planejando construir um futuro mais tranquilo;
  2. Não tenha medo de arriscar – sempre que queremos dar passos maiores precisamos sair de nossa zona de conforto e nos expor aos “perigos do mundo”. Se você tem seu fundo de emergência, pode se arriscar com algum nível mínimo de segurança;
  3. Trabalhe – seu dinheiro é proveniente, inicialmente, de seu rendimento ativo, isto é, do seu salário. Enquanto você não se torna um grande investidor ou proprietário de vários imóveis, seu principal canal para ganhar dinheiro será este;
  4. Tenha um plano de vida – algumas pessoas até dizem que possuem um plano, mas não possuem. Elas não sabem onde querem chegar ou não planejaram os passos para chegar até lá. Não seja um deles;
  5. Pense em uma renda passiva – a única forma de assegurar uma renda extra para o seu futuro sem precisar continuar trabalhando tanto é investir parte do seu tempo e dinheiro para adquirir coisas que lhe tragam um rendimento de forma passiva. Exemplos: imóveis, ações com dividendos, investimentos financeiros de forma geral (títulos do Tesouro Direto, por exemplo), direitos autorais sobre músicas, livros ou softwares etc.
  6. Aproveite as oportunidades – quando uma oportunidade aparecer, você deve agarrá-la. A mesma oportunidade não bate à sua porta duas vezes, mas para aproveitá-la você deve estar pronto para a mesma quando ela chegar. Se eu não tivesse um mínimo de conhecimento em língua inglesa suficiente quando apareceram oportunidades para trabalhar para alguns clientes estrangeiros, eu não teria conseguido, por exemplo.

Quer ler o artigo inteiro? O que o sorveteiro da praia me ensinou sobre independência financeira.

Mais acessibilidade na restituição do Simples Nacional e do MEI

E se você é um empresário cadastrado no Simples Nacional ou no MEI (Microempreendedor Individual), uma boa notícia: está saindo do forno um novo sistema que tornará mais acessível e rápido o processo de restituição do imposto de renda. Essa medida visa reinjetar de forma mais rápida aquele capital que é da empresa, porém devido à lentidão da nossa burocracia muitas vezes fica retido por meses.

Recomendo que esse capital retornado seja empregado como investimento para que a empresa cresça mais ou mantido em caixa para capital de giro. Caso resgate e use tal dinheiro para uso próprio, o empreendedor poderá mais tarde sentir falta do mesmo e não o terá em mãos, não é mesmo?

Aliás, investir no crescimento e consolidação de seu negócio deveria ser seu principal foco, principalmente nos três primeiros anos, já que é o período com maior “mortalidade” de empresas.

Se você é um empreendedor que pode se beneficiar disso, não deixe de ler o artigo Novo sistema torna mais acessível restituição do Simples Nacional e do MEI.

Acesso a crédito a pequenas e médias empresas

E para fecharmos com chave de ouro, outra boa notícia para pequenos e médios empresários, é a criação de mais um canal de acesso a crédito oferecido pelo BNDES – o Canal do Desenvolvedor MPME. Se bem administrado, tornará o processo de esclarecimento de dúvidas e consequentemente a aquisição de crédito muito mais fácil e rápida.

Em conjunto com a última matéria, pode ser um incentivo para as empresas sobreviverem a esse período crítico de nossa economia e reduzir a taxa de desemprego. Agora é esperar e ver o que vai acontecer!

E esperemos que tais recursos sejam realmente destinados às pequenas e médias empresas, já que nos últimos anos grande parte dos recursos eram na verdade destinados a empresas de grande porte, contrariando o fato de que tal crédito deveria ser aplicado nas pequenas e médias empresas brasileiras!

Novo canal facilita acesso de pequenas e médias empresas a crédito do BNDES

Por agora é isso… Continuarei sondando a web e atualizando vocês com notícias que realmente importam sobre economia e finanças pessoais! 😉

Papo Reto: Por que você não está trabalhando em casa?

O papo reto de hoje será sobre oportunidades para trabalhar em casa. Aliás, por que você não está trabalhando em casa ainda? Parece um sonho, não? Não desperdiçar tempo tendo que se arrumar tanto, evitar todo aquele trânsito chato, poder dedicar algum tempo à sua família em um intervalo ou outro etc.

A resposta é simples: apesar de ser este o sonho de muitos brasileiros (fonte), muitos empregadores vêem com descrença a possibilidade de trabalhar em casa (fonte) e quem já trabalhou nessa modalidade (eu, por exemplo) sabe por que: para quem ainda não está acostumado, pode ser muito difícil manter a produtividade devido às várias interrupções que acontecem em casa (veja nosso artigo Trabalhar em casa pode afetar sua produtividade). Além disso, é muito mais difícil para o empregador gerenciar o tempo de trabalho do empregado e se o mesmo está realmente desempenhando suas tarefas – por isso uma boa opção pode ser negociar o pagamento baseado em produtividade, assim é você quem assume esse risco, não o empregador.

Mas vamos ao nosso “papo reto”: fui atrás do que está sendo falado por aí e li cerca de 15 artigos recentemente publicados para ver o que há de legal sobre o assunto, dos quais somente quatro textos pareciam realmente agregar algo novo. Seguem abaixo os tais artigos selecionados e o que eu gostei em cada um deles…

 

Artigo #1 Como encontrar emprego trabalhando de casa

Fonte WikiHow

Apesar de ter um título um pouco confuso, o texto é muito bom e bem completo. Discute pontos importantes para quem deseja começar a trabalhar em casa e não tem a mínima ideia do que está fazendo ou para quem já está trabalhando em seu home office mas está tendo dificuldades em manter sua carteira de clientes ou bater as metas de produtividade. É um artigo um pouco longo, mas que vale a pena ser lido e refletido com calma. Os pontos-chave do mesmo são:

  1. Ao buscar oportunidades para trabalhar em casa, evite falsas promessas focando em sites de anúncios bem conceituados e empresas realmente sérias;
  2. Consulte empresas locais para oferecer seus serviços, principalmente como autônomo, apontando as diversas vantagens que a empresa pode ter, como por exemplo um custo mais efetivo pela produtividade, menos gastos com impostos etc.
  3. Lembre-se de sua rede de contatos: amigos, parentes, isto é, todos que podem indicá-lo para possíveis funções que podem ser exercidas a partir de casa;
  4. Desenvolva competências essenciais para o trabalho remoto, como: domínio no uso do computador, foco em produtividade, comunicação, básico em línguas etc.
  5. Crie suas próprias oportunidades para trabalhar em casa: há várias oportunidades para trabalhar em casa que não envolvem um contrato direto com uma empresa, como atividades artesanais e programas de afiliados.

Como disse, este é um resumo dos cinco pontos-chave do artigo e realmente recomendo a leitura do mesmo. E para complementar essa leitura, sugiro também dois artigos nossos:

Quero trabalhar em casa… mas como?

Verdades e mentiras sobre trabalhar em casa

 

Artigo #2 Como começar seu próprio negócio de passar roupa

Artigo #3 Começar um negócio de conserto de celular

Fonte Trabalhar em Casa

Apesar destes dois artigos do website “Trabalhar em Casa” não serem especificamente para quem quer ter um home business (falei bonito, hein?), ambas as oportunidades podem ser executadas em casa, também. E se você tiver uma garagem que possa isolar do resto de sua casa, pode transformá-la em uma loja e oferecer lá seus serviços.

O que mais gostei destes artigos é que eles tratam de oportunidades para as quais sempre haverá demanda. Além disso, eles apresentam um passo-a-passo que, se somado ao que foi apresentado no artigo anterior, pode prepará-lo bem para iniciar seu próprio negócio em casa (no caso, os artigos falam sobre negócios de lavanderia e manutenção, mas você pode expandir para várias outras áreas ou focar certos nichos – subáreas).

 

Artigo #4 12 aplicativos para trabalhar de casa ou de qualquer lugar do mundo

Fonte Preparado Pra Valer

Em vez de falar sobre como prospectar ou se preparar para uma oportunidade para trabalhar em casa, este artigo aponta softwares que você provavelmente precisará durante suas atividades laborais. Eu diria que a lista com os 12 aplicativos é bem legal, mas provavelmente nem todos precisarão de todos eles, sendo que dos mesmos aqueles que considero mais imprescindíveis são:

  1. PayPal – a depender de quem é seu cliente-empresa ou seu modelo de negócio, você precisará de uma conta no PayPal para receber seu dinheiro. Algumas situações em que isso acontecerá:
    1. Você trabalha para uma empresa que prefere efetuar o pagamento dessa forma;
    2. Você está vendendo seus próprios produtos pela Internet;
    3. Você está vendendo produtos de terceiros (programas de afiliados).
  2. DropBox – fácil de usar, pode ser uma mão na roda para quem usa o computador para criar documentos, editar imagens, executar tarefas cotidianas, registrar vendas etc. pois permite que salve nas nuvens uma cópia de seus arquivos, que também podem ser compartilhados com outras pessoas, ou seja, você pode usá-lo para:
    1. Realizar backup (cópia de segurança) dos dados mais importantes;
    2. Compartilhar arquivos com outras pessoas.
  3. Skype – muito bom para realizar comunicação online, seja ela por meio de chat em texto, áudio ou vídeo. É possível até realizar videoconferências com um número limitado de pessoas (já usei para conferências via áudio com outras duas pessoas durante algumas horas e tudo fluiu perfeitamente);
  4. Basecamp – o artigo em questão cita esta ferramenta para gerenciamento de projetos e tarefas. Entretanto, se eu fosse citar alguma, recomendaria usar o WorkFlowy, que é a ferramenta que estou adotando no momento – é praticamente meu cérebro digital. Apesar de ser bem simples em seu design, ela é flexível o suficiente para que você a use do jeito que melhor funciona para você – e isso é simplesmente sensacional e comentarei mais sobre isso em outro momento.

Se você deseja trabalhar de sua casa mas não sabe por onde começar, eu espero que estas referências e comentários sejam bem úteis. Além disso, recomendo ler nossa seção Trabalhar em casa e acompanhar nosso blog, pois esse papo reto deu-me uma ideia legal – é só nos acompanhar para saber o que é!

Papo Reto: Reforma da Previdência e seu Futuro

Sondando as principais notícias das últimas semanas acerca da reforma da Previdência Social e investimentos visando uma aposentadoria melhor (seu futuro), deparei-me com “as mesmas figurinhas” que encontro desde que iniciei este blog para falar sobre como podemos gerir nossas vidas financeiras.

Resumo

(caso esteja com preguiça de ler tudo):

  1. A tal reforma da Previdência Social acontecerá, cedo ou tarde – você precisa planejar seu futuro e começar a executar seu plano desde já;
  2. Caderneta de poupança e previdência privada podem não ser opções muito boas, opte por Tesouro Direto, CDB, LCA ou LCI, dentre outras;
  3. Se está começando, seu perfil é “conservador”, então não tente já ir direto para o mercado de ações para não ficar reclamando mais tarde!
  4. Seja disciplinado e vise construir seu patrimônio.

Agora vamos aos fatos!

Uma crítica que li quanto ao baixo volume de investimentos visando a aposentadoria realizado por nós (o que não é novidade, diga-se de passagem).  Brasileiro não investe, é a imagem que salta na mídia, e isso acontece porque em nenhum momento de sua vida somos realmente educados para isso. Pense bem, quantas vezes em sua família, na escola ou até mesmo em uma roda de amigos não ouviu que “você deve conseguir um emprego com um bom salário para comprar aquilo que quer”?

Em resumo, se você ganha um bom salário, você pode, mas se não ganha, então não pode. Parece que não há uma terceira possibilidade – que é onde justamente entraria a questão dos investimentos. E sim, você pode comprar o que você quer, mesmo que você não tenha um alto salário, mas precisa fazer um bom planejamento e depois executá-lo de forma disciplinada!

Outro problema é que, quando se fala em investir, logo alguém vem e desenha isso para você como um bicho-de-sete-cabeças. Por exemplo, você vai até o seu gerente de relacionamento em seu banco e explica que está procurando alguma opção para aplicar algum dinheiro todo mês pensando em sua aposentadoria e ele lhe diz que você pode adquirir um título de capitalização! Aí você pergunta sobre as opções de investimento reais e ele lhe apresenta um monte de opções de fundos de investimento e previdência apresentando somente o percentual de rendimento anual acumulado, sem falar das taxas de carregamento, administração etc. ou quando fala você se sente tão confuso que acaba por optar por aquilo que ele lhe disser. Bem, não é assim que você deveria cuidar se sua vida financeira!

Entretanto, apesar das diversas consequências negativas que a atual recessão econômica e proposta de reforma da Previdência Social podem ter, há um impacto positivo: muitos brasileiros estão se conscientizando da importância de serem mais proativos quanto à sua aposentadoria. Não dá mais para simplesmente esperar alcançar a idade para aposentar-se e contar somente com o INSS (e há quanto tempo isso já não é insuficiente?).

Em outras palavras, aos poucos, estamos começando a investir mais e melhor. Quem não investia há pouco tempo começou a investir na poupança e quem já tinha algum na caderneta de poupança já está movendo para outras opções mais rentáveis, em busca de retornos melhores. E isso não é pouca coisa, é um passo gigantesco: é muito difícil quebrar vícios culturais, principalmente quando o impacto dos mesmos só pode ser percebido após décadas, quando já não há mais como corrigir as consequências.

Para entender a importância não somente do “investir” mas também do “como investir” para aqueles na faixa dos 18 aos 40 anos, é preciso analisar o momento atual sob três óticas:

  • Para quem é aposentado ou está se aposentando hoje, a Previdência Social trata-se de um direito pelo qual lutou-se e contribuiu-se ao longo de décadas de trabalho. É um direito conquistado e não é culpa deles se a mesma foi mal gerida e levou à situação deficitária que vemos hoje!
  • Para quem ainda está na ativa e vai ter que se enquadrar à tal reforma, é praticamente um tiro no pé: estaremos pagando por décadas (49 anos no mínimo, para receber integral) para então receber o benefício por um período máximo de uma década (estou considerando aqui a pessoa que se aposenta aos 73 anos e a expectativa de vida de 83 anos). Sim, é algo bastante injusto, mas lembre-se que nosso sistema previdência necessita que você pague quem está inativo, caso contrário ele “quebra”;
  • Para quem ainda longe de entrar no mercado, acredito que haverá somente muitas incertezas quanto ao futuro da Previdência. Em minha sincera opinião, um regime de previdência que o obrigue a trabalhar por 50 anos para ter cerca de 10 anos de aposentadoria é um absurdo, entretanto sabemos que a Previdência também é responsável pela parte de Assistência Social no Brasil, o que dificultará a extinção da mesma.

Se você se enquadra no segundo perfil e possui um filho ou dependente que se encaixe no terceiro, já está mais do que na hora de não somente planejar para o seu futuro como também de seu(s) herdeiro(s). Previdência pública não é mais “a melhor solução”.

Todo ano pode ser um ano bom

Então vi um artigo sobre investimentos afirmando que “O ano que terminou não foi propício para quem pretendia colocar o dinheiro para render.” Será?

Aos que foram afetados pela recessão econômica, é óbvio que foi um péssimo plano: estar desempregado ou sofrer corte na sua renda mensal nunca é uma boa coisa, principalmente quando se pretende investir. Entretanto, para aqueles que puderam aproveitar a alta da taxa Selic, adquirir opções de investimento pré-fixadas no momento certo ou aguardou para adquirir seu imóvel em um momento mais oportuno e oferecendo a maior entrada possível, 2016 ofereceu boas condições.

Então, mais uma vez, enquanto alguns choram, outros vendem lenços… Se você foi afetado pela crise, é claro que você deve enxugar ao máximo as despesas em casa, buscar uma recolocação no mercado e traçar uma estratégia para minimizar os estragos caso isso venha acontecer mais uma vez (e fugir o máximo possível do “crédito fácil” e do endividamento!). Agora, se você conseguiu enxugar seu orçamento e fazer algum dinheiro sobrar, 2016 foi um ótimo ano e até meados de 2017 podemos ter ainda algumas boas oportunidades para investimentos em renda fixa.

Algumas opções para investir

E caso você esteja pensando em investir visando sua aposentadoria, talvez esteja diante do clássico dilema: em que devo investir meu dinheiro? Veja bem, é impossível determinar qual a melhor opção, já que depende de taxas que variam de acordo com banco, opção de investimento, montante a ser aplicado e duração da aplicação, mas um pouco do que aprendi:

  • Em vez de focar em previdência, foque em construir um patrimônio, isto é, em ter investimentos que poderão mais tarde ser herdados por seus filhos;
  • Previdência privada não é uma boa opção – primeiro porque quebra a regra anterior, segundo porque as taxas cobradas fazem com que seja uma opção menos rentável durante seus primeiros 10 ou 15 anos;
  • Fundos de investimento também não são uma opção tão boa – pelo menos aqueles que conheci, no curto prazo, apresentavam um rendimento muito fraco, praticamente igual ao da caderneta de poupança, porém com um risco maior que a mesma;
  • Tesouro Direto – esta é uma das melhores opções para quem pretende investir algum dinheiro por pelo menos dois anos, pois a tributação atingirá seu menor valor possível para tal opção;
  • LCA ou LCI – a depender das taxas oferecidas, podem ser boas opções e até apresentar benefícios quando adquiridos pelo seu banco (mas corretoras geralmente apresentam retornos melhores);
  • CDB – considero essa opção como sendo a minha nova “caderneta de poupança”, pois apresenta um bom desempenho se preciso daquele dinheiro em um prazo inferior a um ano (ou se não tenho certeza de quando precisarei), mas não é a minha primeira opção quando o assunto é aposentadoria;
  • Compra e venda de ações – se você está começando, esqueça isso. A volatilidade natural que as mesmas possuem bem como os custos (taxas de corretagem e custódia) são empecilhos para quem ainda não conhece bem o mercado acionário. Recomendo começar somente quando tiver ao menos R$ 40.000,00 em renda fixa e então usar perto de R$ 10.000,00 na compra de ações, como forma de diluir os custos e aumentar as chances de retorno no médio prazo. Em outras palavras, vai demorar um pouco!

Mas… e a caderneta de poupança?

Esqueci de falar sobre a caderneta de poupança? Xiii, foi mesmo… Mas deixa assim mesmo, esconde isso embaixo do tapete, pois a alteração realizada no rendimento da caderneta de poupança afetou o único cenário em que ela era realmente a melhor opção – quando a taxa Selic está muito baixa. Aliás, li hoje em um website a opinião de um economista sobre sua perspectiva para a economia brasileira e investimentos durante o ano de 2017 que em muito se parece com a minha, mas mudei de ideia quando o mesmo afirmou que “continuam atrativos a poupança…”. A poupança pode ser uma boa opção para quem deseja guardar algum dinheiro por alguns meses (até menos de um ano), mas como investimento a longo prazo – que é o caso de uma aposentadoria – toma uma surra de todas as demais opções de investimentos em renda fixa (exceto dos *cof* *cof* títulos de capitalização *cof *cof*).

E o mais importante quando pensando sobre o seu futuro é disciplina. Não estamos falando aqui de aplicar algum dinheiro por dois ou três meses, falamos em 20 ou 30 anos. Não estamos falando em deixar algum dinheiro esquecido e só olhar mais tarde, estamos falando em aplicações mensais, controlar o quanto está rendendo e verificar outras opções. Parece dar muita dor de cabeça? Acredite em mim quando digo que, no longo prazo, compensa e muito – e pode até se tornar divertido para você, caso goste de contas.

Bem, por hoje é só isso. Se leu o artigo todo, parabéns (eu mesmo já fiquei com preguiça só de olhá-lo, acho que vou ler só o resumo lá em cima), agora é hora de planejar-se e buscar boas opções para investir pensando em sua futura aposentadoria!