Você ainda precisa de um computador!

Conforme a tecnologia avança, todas as coisas ao nosso redor tornam-se “computadores”: seu celular virou smartphone, sua TV virou uma smartTV, carros inteligentes (smart cars) já não são mais novidades e é bem provável que até a sua pipoqueira esteja rodando Android e permita a instalação de aplicativos e jogos. Certo, exagerei, mas acho que você entendeu onde eu quero chegar.

E quanto mais tudo ao nosso redor vira “computador”, menos usamos computadores (no caso, refiro-me a notebooks e desktops). Este website, por exemplo, hoje recebe mais acessos a partir de smartphones do que de computadores convencionais. Mas nem por isso devemos negligenciar a importância de computadores – e é sobre isso que quero falar com vocês, mas primeiro, vamos entender por que computadores estão cada vez mais em desuso.

Por que usamos menos computadores?

Um dos principais motivos para estarmos usando mais nossos smartphones e smartTVs para desempenhar tarefas que antes fazíamos com nossos computadores é a questão da praticidade: por que eu deveria assistir Netflix em meu PC, quando basta ligar a televisão e já escolher o filme ou seriado? por que eu preciso ligar meu computador e efetuar uma pesquisa na Internet quando posso realizá-la diretamente do meu celular que está aqui, em meu bolso, comigo no sofá?

Aliada à praticidade, temos a questão de mobilidade: nossos smartphones vão conosco para todos os lugares, assim, se eu preciso pesquisar algo ou acessar algum aplicativo, basta pegá-lo e usá-lo – não preciso mais anotar ou lembrar daquela tarefa até chegar em casa e poder realizá-la em meu PC.

Claro, há muitos outros fatores envolvidos – inclusive alguns emocionais – mas a verdade é que utilizamos mais nossos smartphones, smartTVs e outros dispositivos para dempenhar tarefas que antes fazíamos em um desktop ou notebook por tornarem nossas vidas ainda mais fáceis.

Entretanto, tudo vem a um custo. Conheço pessoas que “investem” em celulares (inclusive trocando a cada dois ou três anos) mas não investem em um computador (que poderia durar muito bem 05 anos ou mais com a devida manutenção. Este PC que uso agora para escrever, por exemplo, foi comprado originalmente em 2009, se bem me lembro. De lá para cá, já passou por manutenções e melhorias, mas posso garantir que seu custo-benefício valeu e muito a pena.

Infelizmente, às vezes é bem difícil convencer as pessoas sobre o porquê de ser tão importante ter um computador em casa, então decidi escrever este texto e apontar alguns pontos que ficaram bastante evidentes para mim, principalmente neste período de distanciamento/isolamento social.

Por que precisamos mais de computadores?

Quem já acompanha o blog há mais tempo sabe que gosto de analisar o uso de ferramentas que podem realmente contribuir com melhorias em nosso dia-a-dia – principalmente se isso puder ser revertido em benefícios financeiros ao seu usuário. Pois bem, que tal analisarmos com calma momentos em que um computador (seja ele desktop ou notebook) apresenta melhor retorno do que o uso de outros dispositivos?

Se você estuda, sabe que pode assistir videoaulas e responder questionários no celular, o que é ótimo como uma estratégia de emergência, um “plano B”, para aqueles momentos em que não possui um computador por perto. Mas, se você tiver à sua disposição um computador, perceberá que pode conseguir melhor benefício se utilizar todos os recursos destes. Quer ver só? Minha esposa e eu, quando estudamos cursos online, costumamos dividir a tela ao meio (fácil de fazer no Windows, basta arrastar as janelas desejadas para os respectivos lados) mantendo do lado esquerdo a plataforma com as videoaulas e do lado direito uma ferramenta para anotações (como já disse aqui, costumo usar o WorkFlowy). E para quem vai criticar tal estratégia para estudos, já vão aqui algumas respostas:

  • “Precisa ter uma tela muito grande para dividir em duas” – realmente, eu uso um monitor 32″ e me sinto muito mais confortável assim, mas a minha esposa usa um notebook com 15.6″ de tela, então não precisa de tela muito grande para tal (mas não vai conseguir em um smartphone);
  • “A claridade/iluminação da tela prejudica a minha visão” – bem, a maioria das ferramentas hoje já possuem modo noturno/escuro, então basta ativá-lo (no WorkFlowy, por exemplo, sempre uso o modo noturno, mudando para o padrão somente quando vou imprimir algo de lá);
  • “Prefiro escrever no caderno, aprendo muito melhor” – você lembra de alguma vez em que precisou procurar alguma coisa no caderno e não encontrou? Ou quis revisar o assunto e ficou um pouco perdido em meio a tantos textos e marcações? Ou precisou corrigir algo que escreveu e terminou com um monte de corretivo em suas páginas? Pois é, usando uma ferramenta de anotações que permita busca e filtragem de conteúdos, você consegue não somente encontrar as informações que deseja como pode filtrar para somente exibir aquilo que deseja revisar. Ah, e não precisa de corretivo, basta editar o conteúdo!

Só para dar um exemplo: aqui em casa somos três pessoas a usar três computadores (dois desktops e um notebooks) e todos precisamos dos mesmos para estudos. Eis que, para o nosso azar, dois deles deram problema e foram para a manutenção – nem preciso dizer como está uma loucura para três pessoas dividirem um computador, quando todos precisam para estudar, trabalhar, divertir-se, informar-se etc. (e foi daqui que partiu a ideia de escrever este artigo!)

Se você trabalha, neste momento deve estar utilizando ainda mais seu computador (ou celular) para coisas como:

  • Verificar os e-mails de trabalho;
  • Verificar relatórios na plataforma do trabalho (se for uma escola, o ambiente acadêmico; se for uma loja, a plataforma de gestão das vendas; se for uma agência de marketing, as ferramentas para criação e publicação de conteúdo etc.);
  • Comunicar-se com os superiores, subordinados e demais colegas de trabalho;
  • Executar o trabalho em si de forma remota (áreas como ensino, vendas, marketing, consultoria etc. oferecem essa oportunidade);
  • Buscar outras informações importantes (análise de competidores, notícias sobre o mercado, gestão das expectativas dos clientes, marketing etc.).

E isso só para listar algumas! Sim, eu sei que nem todas as profissões lidam com o mesmo nível de facilidade com tarefas de forma remota, mas eu não sou o primeiro (e com certeza não serei o último) a defender que cada vez mais teremos mudanças bruscas em como o trabalho funciona e quais oportunidades estarão disponíveis. Assim, ter um computador é ainda mais essencial para que você se prepare para esse futuro (como vou expor no próximo ponto).

Se você busca aperfeiçoar-se seja para o emprego atual ou visando uma futura realocação, assim como quando falei para quem estuda, o uso de desktops e notebooks podem tornar sua vida muito mais fácil e organizada, oferecendo-lhe ferramentas para organizar tudo. Quer ver só algumas dicas para quem usa um computador para estudar (e que são um pouco mais complicadas de implementar em um smartphone)?

  • Use seu navegador como sua “central para estudos” – como a maioria dos cursos hoje são distribuídos online, você pode salvar um atalho para as plataformas ou páginas dos cursos em seu navegador por meio dos favoritos, tornando bem mais fácil o acesso aos mesmos;
  • Organize os favoritos no navegador para facilitar o acesso – que tal criar uma pasta (“CURSOS”, por exemplo) para armazenar todos os favoritos referentes a cursos? E se dentro dela criássemos uma pasta para cada curso (“LÍNGUA INGLESA”)? E se dentro da pasta de cada curso eu salvasse os favoritos ou até mesmo organizasse segundo algum critério em novas pastas (“APOSTILAS”, “AUDIOBOOKS”, “CANAIS NO YOUTUBE” etc.)? Não ficaria tudo mais organizado para acessar? (obs: na maioria dos navegadores, você pode clicar em uma pasta de favoritos e solicitar que abra todos ali presentes de uma vez só no navegador, o que é muito útil quando criando um ambiente de estudos ou de trabalho virtual)
  • Mantenha nos favoritos ferramentas para anotação (eu uso WorkFlowy!), gestão do tempo (Toggl!) e bloqueio de distrações (extensão StayFocusd do Chrome), tornando assim mais fácil bloquear distrações, gerenciar como você usa seu tempo e reunir informações em um lugar só;
  • Precisa desligar o PC mas não quer perder todas as abas que estão abertas? Fácil, tenha uma pasta de favoritos “SESSÕES” e salve dentro da mesma uma pasta com a data atual (“2020-06-12”, por exemplo) contendo favoritos para todas as abas atuais (no Chrome, mudaram recentemente a forma de “Adicionar todas as guias ao favoritos”, agora é por meio de uma opção com esse nome que aparece quando você clica com botão direito na barra do topo, não mais nas abas). (obs: só tome cuidado para não acabar virando um acumulador digital – igual a mim! – e ter um zilhão de pastas de favoritos de sessões e não ter tempo para revisá-las!)

Obs: Essas dicas, com os devidos ajustes, servem também para facilitar sua rotina de trabalho, tornando assim o seu navegador a plataforma perfeita para atender necessidades de lazer, comunicação, trabalho educação etc.

E se você se preocupa com seu bolso, entenda que “investir em um celular” só é investimento se você já investiu em um bom computador e os usa realmente para estudos e trabalho! Vejo muita gente trocando de celular com tal frequência que a desculpa de “não tenho dinheiro para um computador” já não “cola” mais! Como afirmei lá em cima, um computador com a devida manutenção possui um retorno sobre investimento (ROI) e retorno sobre experiência (ROE – termo que aprendi lendo Opportunity, de Eben Pagan) maior do que o celular.

Claro, você não vai deixar de usar seu smartphones para pesquisar vídeos de gatinhos e acessar o Facebook! Mas entenda que há certas tarefas que exigem um ambiente mais ergonômico e que talvez o celular não seja o mais adequado para tais, ok?

Papo reto: investindo melhor em 2018, recuperação econômica e oportunidades para pequenas empresas

Caracas! O ano já começou e até agora não escrevi um artigo aqui no Clube do Dinheiro! Antes de mais nada, peço desculpas a você, amigo leitor, por tal falha minha. E agora, vamos ao que interessa: um resumo (com a minha opinião) sobre as principais notícias em Economia e Finanças que podem (e deveriam) interessar a você, pequeno (ou futuro) investidor!

Investindo melhor em 2018

Publicado em: Imposto de Renda Sobre Investimentos: O Guia Atualizado [2018]

E para começar com o pé direito, temos um artigo da corretora Rico que apresenta informações acerca de tributação sobre investimentos. Eu diria que o artigo é bom não somente pelas suas informações sobre tributação, mas como um “lembrete” sobre as várias opções de investimentos – ele cita várias opções, diversas delas para perfis bem conservadores, algumas para perfis mais ousados, e como a tributação é calculada. No resumo, é isso que temos:

  • Isentos de tributação: poupança, LCI, LCA e debêntures incentivadas;
  • Tributação segundo duração da aplicação (diversos fundos de investimentos):
    • Até 180 dias: alíquota de 22,5%;
    • 181 a 360 dias: alíquota de 20,0%;
    • 361 a 720 dias: alíquota de 17,5%;
    • Acima de 720 dias: alíquota de 15,0%;
  • Fundos de ações: alíquota de 15%;
  • Ações: isenção caso volume de vendas em um mês não ultrapasse R$ 20.000,00.

O artigo também lembra que certos fundos de investimentos sofrem a incidência do come-cotas, que nada mais é que a cobrança semestral do IR enquanto perdurar a aplicação que, por ser cobrada antes do resgate total da aplicação, acaba por reduzir sua rentabilidade.

Minha opinião: lê-lo só me ajudou a reforçar minha crença de que se você busca resultados melhores no longo prazo, vale a pena você investir em aprender sobre as diversas opções de renda fixa e a investir em ações e fazê-los sempre diretamente, evitando fundos porque, por mais bem geridos que sejam, você terá incidência de IR diferenciado, taxa de administração, taxa de carregamento (estou de olho em você, previdência privada!) etc. No início pode até custar-lhe mais caro (aprendendo, errando e tal), mas no longo prazo será uma das melhores opções.

Redução do desemprego – Economia melhorando?

Publicado em: Taxa de desemprego cai a 11,8% em dezembro, Programa Seguro-Emprego terá R$ 331,6 milhões em 2018, Os desafios para o crescimento sustentável do Brasil

Segundo dados do IBGE, a taxa de desemprego ainda é muito alta, mas ao menos caiu para 11,8% no mês de dezembro. Não diria que isso significa que a crise está completamente ultrapassada (este é ano de eleições presidenciais e o futuro político do Brasil em 2019 é bastante incerto), mas talvez estejamos nos recuperando – a passos bem lentos.

Talvez o incentivo do Programa Seguro-Emprego (PSE) tenha contribuído para a retenção de empregos e consequentemente evitar que esse número fosse maior. O PSE é um programa que permite a empresas em dificuldades financeiras negociarem a redução da jornada de trabalho de seus empregados em até 30%, enquanto o PSE cobre até 50% da perda salarial do funcionário, evitando assim uma queda muito brusca de seu poder aquisitivo. Antes de reclamar que o governo está incentivando empregados a aceitarem uma redução salarial, lembrem-se que se tratam de empresas em grandes dificuldades financeiras, ou seja, sem essa alternativa, algumas delas precisariam decretar falência por não terem condições de pagar toda a jornada de trabalho de seus empregados.

E aproveitando o momento para questionar se “a maré está realmente melhorando”, gostei muito do artigo de Álvaro Bandeira, publicado no Dinheirama, que conclui que, apesar de começarmos a ver um cenário melhor (estabilização de alguns índices, PIB voltando a crescer etc.), ainda não se pode comemorar, pois há muito “chão pela frente” e a máquina pública ainda está muito “gorda”.

Três hábitos de quem vive reclamando da falta de dinheiro

Publicado em: Veja os 3 hábitos de quem vive reclamando que está sem dinheiro

Hah! Desse artigo eu gostei e não é que ele traga um conhecimento altamente revelador, algo que ninguém ainda falou, mas “mexe na ferida” de muita gente que reclama que “não ganha o suficiente”, “as contas são muito caras”, “o dinheiro não dá para nada” e por aí vai.

O artigo aponta que há três hábitos (eu chamaria de vícios) enraizados nas mentes de tais pessoas que podem ser a causa de tais problemas. Os “hábitos” são:

  • Elas buscam satisfação imediata – raramente optam por privar-se de algo hoje para alcançar um resultado melhor no futuro;
  • Associam consumo ao prazer – há muitas formas de diversão e entretenimento prazerosas que não envolvem consumo de coisas caras, mas infelizmente tais pessoas não percebem isso.
  • Faltam-lhes disciplina e perseverança para mudar – elas até querem mudar suas vidas, mas não é da noite para o dia que vão conseguir, então se não focarem na meta ao longo de meses ou mesmo anos, não conseguirão.

Mais financiamento para o micro e pequeno empreendedor

Publicado em: Micro e pequenas empresas recebem financiamento recorde do BNDES

Se a notícia estiver certa (e os números não estiverem maquiados), temos muito o que comemorar, pois o BNDES pode estar cumprindo seu papel como banco para o desenvolvimento e financiando micro e pequenos empreendedores, em vez de focar em emprestar paras as grandes empresas – deixando as pequenas à deriva.

Segundo seus dados, em 2017, dos R$ 70,8 bilhões emprestados, R$ 29,7 bilhões (42%) foram destinados a empresas de tal porte. Bem, se tais empresas também receberem o apoio do Programa Seguro-Emprego que citamos anteriormente, é bem provável que consigam sobreviver ao período atual com muito mais força, não precisem demitir seus funcionários (cerca de dois terços dos empregos gerados encontram-se em pequenas e médias empresas) e consigam prosperar.

Como atrair clientes?

Você que é empresário, sabe como atrair mais clientes e como mantê-los ou conquistá-los? Aqui está um artigo que irá ajudar você um pouco mais a melhorar isso. A primeira coisa a saber é qual público-alvo você quer atingir! Mas o que é público-alvo? O público-alvo é o tipo de pessoas a que você quer atingir no qual o produto é mais indicado, ou seja, é uma expressão para delimitar quem deve ser visado pelo empresário na hora da venda de seus produtos! E é para o público-alvo que você irá direcionar sua propaganda (seu Marketing) do produto ou serviços prestados! É bom para um empreendimento atrair clientes, porém também é bom manter os clientes!

Alguns meios para atrair os clientes são:

  • Melhorar a comunicação;
  • Mudar o design do estabelecimento;
  • Melhorar o atendimento e dar mais conforto ao cliente;
  • Oferecer multi serviços;

O marketing tem como finalidade atrair e manter os clientes. É necessário ter uma boa comunicação para promover os serviços e produtos que o negócio está oferecendo. Quanto mais tipos de comunicação entre o seu negócio e os clientes maior será o contato entre eles e assim obterá melhores resultados no final. Algumas formas de atrair os clientes por meio do Marketing são: propagandas, promoções, lançamentos de novos produtos, classificação de preços, o layout da loja, entre outros. Além de mudar o design do produto, pois muitas pessoas compram baseado no que vêem (vendo uma embalagem que atraia-as a comprarem)

Mudar e melhorar o design do estabelecimento é uma maneira muito eficaz de atrair consumidores. A aparência do estabelecimento é uma grande a aliada da organização, pois firma a imagem e o comportamento da marca. Mude a cor e a iluminação do ambiente ou mude a vitrine para que fique mais organizada e objetiva (para quando o cliente olhar, ele tenha desejo ou vontade de comprar os produtos).

Melhorar o atendimento ao cliente dando aos mesmos mais conforto para fazer eles voltarem depois. Os clientes gostam de ser tratados com respeito. Oferecer água ou café por perto, um sofá para descansarem e se sentirem num ambiente agradável. Clientes gostam de ter um “mimo”! Ser fiel e mostrar atenção àquele cliente que já está a alguns anos comprando no estabelecimento! Ter uma caixa de sugestões para manter os clientes mais próximos e assim poder atender uma boa parte das suas necessidades, melhorando assim sua relação com eles.

Oferecer multi serviços ou multi produtos com o intuito de dar mais opções para o cliente poder escolher qual produto ou serviço mais se adéqua a ele. Com preços mais baixos do que seu concorrente e com prazos melhores, claro.

Clientes satisfeitos continuarão retornando para comprar produtos ou serviços, e com a comunicação “boca-a-boca” trará mais clientes novos ao estabelecimento!

Por Chryslene Lima

Gerenciando o stress em pequenos negócios

Vi uma van na rodovia com “abençoado demais para estar estressado” estampada em seu pára-brisa traseiro. Quão apropriado que o motorista adivinhou que este mantra pode ser relevante para outros meditar enquanto eles navegam pelas rodovias?

O stress (ou estresse, como é preferível escrever em língua portuguesa) é considerado um risco ocupacional para os empresários. Ter mantras positivos como “nós navegamos nossas vidas de negócios” é uma forma de lidar com o stress. Mas há momentos em que frases positivas não são suficientes para gerir o stress ou a ansiedade; técnicas de auto-gestão emocional são úteis nestes casos.

Após o nascimento do meu primeiro filho, eu fui diagnosticado com depressão pós-parto e sofria de ansiedade severa. Meu marido e eu não só tínhamos dois empregos de tempo integral, mas estávamos administrando nossos negócios que incluíam ordens de processamento para os nossos novos sites online.

Isso consumia toda a energia do meu ser para lutar e trabalhar enfrentando o mal-estar da depressão com todos os meios disponíveis para mim. Isto incluía visitas a psicólogos e terapeutas. Um dos tratamentos mais bem sucedidos que eu encontrei foi uma técnica de auto-gestão emocional, recomendada a mim por um psicólogo. A teoria e as técnicas são explicadas em Cura emocional instantânea: pontos de acupuntura para as emoções.

Ele combina os princípios de técnicas cognitivo-comportamentais, juntamente com aqueles da medicina oriental e do sistema de energia do corpo. Minha explicação deselegante é que existem bloqueios físicos e emocionais em nós mesmos que podem ser aliviados tocando determinadas partes do corpo que correspondem a pontos meridianos no sistema de energia em nossos corpos, como na acupuntura e, simultaneamente, repetindo frases positivas que penetram na mente sub-consciente.

As informações contidas no livro foram facilmente acessíveis para mim em um momento em que eu estava muito estressada estressada e incapaz de me concentrar. Fiquei aliviado ao encontrar uma técnica que eu poderia auto-administrar e utilizar para assumir o controle da tensão opressiva e improdutiva. Todas as pessoas de negócios independentes se beneficiariam de técnicas como a auto-gestão emocional não só para aliviar as emoções improdutivas, mas para otimizar o desempenho.

Por Patrícia Corina

Vi uma van na rodovia com “muito abençoado para ser ressaltado” estampada seu pára-brisa traseiro. Quão apropriado que o motorista adivinhou que este mantra pode ser relevante para outros meditar enquanto eles navegam pelas rodovias.

O estresse é considerado um risco ocupacional para os empresários. Tendo mantras positivos como navegar vive o nosso negócio é uma forma de lidar com o estresse. Mas há momentos em que frases positivas não são suficientes para gerir o stress ou a ansiedade. técnicas de auto-gestão emocional são úteis nestes casos.

Após o nascimento do meu primeiro filho, eu fui diagnosticado com depressão pós-parto e sofria de ansiedade severa. Meu marido e eu não só teve dois empregos a tempo inteiro, mas estavam administrando nossos negócios que incluíam ordens de processamento para os nossos novos sites online.

Tomou todas as fibras do meu ser para lutar e trabalhar com o mal-estar da depressão com todos os meios disponíveis para mim. Isto incluiu visitas a médicos e terapeutas cognitivos. Um dos tratamentos mais bem sucedido que eu encontrei foi uma emocionais de auto-gestão técnica (SME), recomendado a mim por um psicólogo. A teoria e as técnicas são explicadas em Instant Cura emocional: Acupressure para as emoções. Ele combina os princípios de técnicas cognitivo-comportamentais, juntamente com aqueles da medicina oriental e do sistema de energia do corpo. Minha explicação é deselegante que existem bloqueios físicos e emocionais em nós mesmos que podem ser aliviados por escutas determinadas partes do corpo que correspondem a pontos meridianos em o sistema de energia organismos, como em Accupunture e, simultaneamente, repetindo frases positivas que penetram no sub-consciente mente.

As informações contidas no livro foi facilmente acessível para mim em um momento em que os mais estressados e incapaz de se concentrar. Fiquei aliviado ao encontrar uma técnica que eu poderia auto-administrar e utilizar para assumir o controle da tensão opressiva e improdutivo. Todas as pessoas de negócios independente se beneficiariam de técnicas como a EMS não só para aliviar as emoções improdutivas, mas para otimizar o desempenho.

Menos impostos, mais pequenos negócios!

Hoje em especial nosso artigo falará sobre os fatores e efeitos dos impostos para a abertura dos pequenos negócios, e explicará sobre quanto menos impostos, para mais pequenos negócios. Como em nosso país a alta carga de tributos, sendo considerada uma das maiores do mundo, esse é o fator que gera empecilhos no momento de colocar as ideias de negócios em prática.

Então é bem importante quando ocorre qualquer diminuição nas taxas de impostos, pois é diretamente relacionadas aos setores de produção, e assim consequentemente às pequenas e micro empresas. Quando ocorre uma redução significativa nas taxas de tributos, fica mais simples obter crédito para empresa, vender os produtos e/ou serviço, ter acesso à tecnologia, gerar renda e empregos, exportar e levar o pequeno negócio de a formalização.

O ideal para a situação da substituição tributária para pequenas e micro empresas é a substituição da mesma em outro sistema, o Simples Nacional, que é uma das atuais propostas. E funciona como uma arrecadação única de impostos para os pequenos e micros negócios, foi criado pela Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, ocasionando menor burocracia e mais oportunidades de produção, movimentando cada vez mais a economia.

O que mudou no cálculo do impostos?

O sistema que já foi sancionado o unifica todos os impostos, sejam eles federais, estaduais e municipais como, ISS, PIS, COFINS, IRPJ, CSLL, IPI e ICMS. Ao invés de várias cartas de recolhimento, transformando-as em uma única guia, com apenas um valor de pagamento e data. Com um único cálculo para quitamento.

E ainda a redução da taxa da carga de tributos, resultando para os pequenos negócios menores impostos, além disso poderá também ter queda de 20% para o sistema Simples Federal, variando de estado para estado em que o empreendimento estiver situado podendo chegar a até 50%. Porém não são todos os tipos de negócios que poderão receber essa diminuição nos impostos, por que cada caso é analisado individualmente.

Com isso ficará cada vez mais fácil abrir um pequeno ou micro negócio, pois o processo de desburocratização não está restrita somente a carga tributária, ela atingiu alguns níveis mais altos. Como por exemplo a abertura do empreendimento, pois exige cada vez menos a papelada de comprovantes e documentos. Unificando também os códigos de identificação como, inscrições estaduais e/ou municipais, CNPJ e outros, utilizando uma numeração com base no CNPJ.

Com isso para o registro também único de abertura do negócio, não precisando fazer outros cadastros, sendo assim as exigências fixadas e disponíveis em somente uma vez. Auxiliando ao pequeno empreendedor sobre como prosseguir para deixar seu negócio na formalidade.