As melhores opções para quem está começando a investir

Garow, um dos nossos leitores, fez um comentário muito interessante em nosso blog quando ainda éramos um subdomínio do Giga Mundo. Como não estou encontrando um meio de migrar seu comentário para este novo blog, decidi criar um artigo com o comentário, bem como a resposta que ofereci a ele.

O comentário

Olá!

Acompanho seu outro blog (Giga Mundo) já tem um tempinho e aproveitando a oportunidade, gostaria de parabenizá-lo pelo ótimo trabalho (em ambos os blogs).

Venho praticando este exercício proposto (referindo-se ao exercício do artigo Gastar, poupar ou investir? Uma introdução ao mundo dos investimentos) e realmente parece estar funcionando, consigo controlar melhor minhas despesas e saber quando e onde posso gastar um pouco mais sem levar aquele susto no fim do mês. Porém já está na hora de começar a investir esse dinheiro só que nem sei exatamente por onde começar. Poupança rende pouco =/

Aguardo novas idéias e novas dicas =D
Clube do dinheiro está de parabéns!!!

E agora, a resposta…

Olá, GaroW. Tudo bem?

Fico feliz que esteja gostando de ambos os blogs: nosso objetivo é, como sempre, trazer o melhor da informação a todos os nossos leitores, então saber que vocês estão aproveitando ao máximo deixa-nos muito felizes. 🙂

Quanto a como fazer o seu dinheiro render, depende muito de sua atual situação. As opções mais conservadoras são poupança, certificado de depósito bancário e fundos de investimento de renda fixa.

Todas elas se tratam de renda fixa (leia sobre isso no segundo passo/artigo de nosso minicurso, que já está no ar), ou seja, você saberá o quanto irá render, sem risco de perder o capital.

A melhor idéia é você consultar no site do banco/instituição financeira em que você pretende investir o seu dinheiro (ou faz que nem eu, olho no site do meu banco e ainda vou, de pentelho, até a agência para o gerente me explicar e mostrar todos os dados para escolher – ele está lá para nos ajudar! 🙂 ) e veja quais são as taxas sobre cada uma delas.

No Banco do Brasil, eu percebi que se for investir valores baixos ou médios em CDB (certificado de depósito bancário), ele rende igual ou até mesmo inferior à poupança. 🙁 Já no caso de fundos de investimento de renda fixa, vai depender do montante investido, indo de 8.5 a 9.75% ao ano, ou seja, mais do que a poupança, só que incide o imposto de renda.

Então, se você é estudante ou é assalariado mas acredita que o fundo de investimento vale a pena mesmo com a incidência do imposto (faça as contas para saber!), vai nele. Mas lembre-se de perguntar sobre a taxas que porventura existam para manutenção do fundo, etc. Ok?

Agora, deixe-me falar rapidamente sobre os investimentos de renda variável… Eles atualmente estão oscilando muito, principalmente com quedas.

Fui ao banco e constatei algo que muitos não percebem: muitos fundos de investimento de renda variável já estavam apresentando rendimentos negativos ANTES MESMO de toda essa crise, ou seja, pode ser que mesmo com o fim da crise alguns fundos de investimento continuem perdendo dinheiro. Como disse, PODE SER!

Se escolher investir em fundos de investimento de renda variável, seja bastante cauteloso e pense: qual o risco que você pode correr e quando você precisará desse dinheiro? No meu caso, eu queria retirá-lo em um ano, ou seja, um período bastante curto em que provavelmente os fundos poderiam não estar rendendo o suficiente para compensar. Quanto mais tempo você dispor para remover o dinheiro (três a cinco anos, por exemplo), então pode ser uma boa ideia investir em fundos de investimentos de renda variável de empresas que VOCÊ SABE que irão recuperar-se e ter valores melhores mais tarde, como de grandes empresas como da Petrobrás, Vale, etc.

Mas, lembre-se: não há como eu lhe dizer qual a empresa certa que irá render tanto, pois o mercado anda bastante instável e, mesmo assim, nunca se tem 100% de certeza sobre nada dele, ok?

O ideal é que, se você optar por investir em renda variável, mantenha parte em renda variável e outra parte em renda fixa, assim você garante não tomar tanto prejuízo caso as ações caiam muito, e ainda consegue uma rentabilidade maior do que com somente renda fixa se tudo correr bem.

Nós falaremos mais sobre essas coisas em outras oportunidades, não se preocupe quanto a isso. 😉

Mas você já pode começar a planejar uma poupança ou fundos de investimento de renda fixa, mas faça como lhe disse, reserve um tempinho para ir à sua agência falar com o seu gerente ou com um atendente (já sou tão chato e conhecido que mandam o “mala aqui” direto para o coitado do gerente 😛 ) sobre as possibilidades, percentuais de rentabilidade, riscos, liquidez e quais as taxas a serem pagas.

Até mais e continue acompanhando-nos!

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

3 comments

  1. Leonardo says:

    Eu gostaria dos melhores investimentos em imóveis, como terrenos, gostaria de saber se investir nas cidades ue tem obras da petrobrás é interessante, como O porto do açu, em Santos ( São Paulo) e itaboraí, qual desses locais ou em outros o imvestimento renderá uma grande valorização do imóvél?????

  2. admin says:

    Olá Leonardo, tudo bem?

    Antes de mais nada, fico feliz que esteja interessado em investir no negócio imobiliário – é uma excelente forma de movimentar o seu dinheiro ao seu favor, ao mesmo tempo em que poderá estar ajudando outras pessoas a alcançarem seus objetivos (a venda ou locação de um imóvel, a aquisição de um imóvel novo, etc).

    Imóveis possuem uma vantagem razoável: apesar de serem investimentos classificados como renda variável, possuem relativa segurança quanto ao seu crescimento com boas chances de ser maior do que a melhor das opções de renda fixa, o que atrai muita gente.

    Infelizmente, não dá para eu lhe dizer qual dessas ou de outras cidades será a melhor para o seu investimento, pelo simples fato de que o que dita qual local será mais interessante é o desenvolvimento sócio-econômico daquela localização, concorda? Desta forma, para que possamos determinar qual dos três é melhor, algumas coisas devem ser feitas:

    1. Algumas pesquisas com pessoas da própria cidade acerca de quais as regiões estão sendo mais valorizadas e quais estão sendo menos valorizadas, bem como a razão para cada uma dessas subidas e descidas de valores;

    2. Quais os locais onde estão havendo novos empreendimentos (você já citou as obras da Petrobrás, que possuem papel importante aqui) que possam necessitar de novas áreas residenciais, comerciais ou industriais;

    3. Quão receptiva é a população a um dado local, por exemplo, em Aracaju, algum tempo atrás, as pessoas estavam (na verdade, ainda estão) preferindo a zona Sul, próximo às praias, o que fez aquelas áreas valorizarem-se (na verdade, em minha opinião, algumas delas estão supervalorizadas, o que é bom para quem vendeu na época, mas não tão bom para quem comprou). Quem foi inteligente, apressou-se a comprar terrenos em regiões próximas que, apesar de mais distantes e ainda não procuradas, hoje estão sendo requisitadas e valendo 3 a 10 vezes mais!

    4. Escolha sempre em cidades com franco desenvolvimento – às vezes, opta-se por uma cidade que já prometera muito, mas que agora está em declínio. Se uma cidade não pode oferecer novas oportunidades de emprego e de crescimento econômico para quem mora nela, é bem provável que isso afete primeiro o setor imobiliário (foi mais ou menos o que aconteceu nos EUA nesta crise: por diversas razões o poder econômico das pessoas caiu, logo os imóveis que estavam supervalorizados tiveram seus valores regulados, o que fez com que muitos perdessem “parte do investimento”, forçando uma mudança radical de hábitos na sociedade mais consumista do mundo).

    Bem, veja só, citamos aqui quatro pontos importantes, mas poderíamos citar muitos outros! O que eu posso aconselhar-lhe? Pegue o telefone, ligue para corretoras de cara área e converse com elas para saber um pouco sobre as expectativas de cada área. Se tiver conhecidos, amigos ou parentes morando lá ou próximo, fale com eles também. Se possível, faça uma visita a cada uma das áreas onde pretende comprar (ou não) algum terreno. Depois disso, faça um relatório informal, colocando todas as informações, comparando prós e contras e possibilidades de retorno. Agora, é só escolher a que for melhor e ficar acompanhando o seu desenvolvimento financeiro. 😉

  3. Paulo César says:

    Eu queria saber qual é a melhor agencia para se investir na poupança ???

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *